segunda-feira, 27 de junho de 2016

Donald Trump aceitou a Jesus como salvador, afirma pastor

Donald Trump aceitou a Jesus como salvador

Candidato a presidente não quer usar o fato politicamente

por Jarbas Aragão 
Nos Estados Unidos, a maior parte da população afirma ser evangélica, ao menos nominalmente. Toda vez que ocorre uma eleição, os candidatos são questionados sobre suas posturas em relação a temas que podem influenciar os eleitores religiosos. Via de regra, na corrida presidencial o assunto toma grandes proporções.

Agora que restam apenas dois, o republicano Donald Trump e a democrata Hillary Clinton, ambos procuraram o apoio de pastores influentes. Ao menos oficialmente, ele se diz presbiteriano e ela, metodista.

Contudo, algumas declarações públicas de ambos levantam sérios questionamentos sobre isso. Trump não conseguiu mostrar que conhecia a Bíblia em um discurso dentro da maior universidade evangélica dos EUA. Por sua vez, Hillary conta que teve “encontros espirituais” com Eleanor Roosevelt, ex-primeira dama, falecida em 1962.

Agora, na reta final da campanha que definirá sua nomeação, Trump teve um encontro com mais de mil pastores em Nova York. Embora nem todos tenham se comprometido a apoiá-lo o Dr James Dobson, conhecido pelo ministério Focus on The Family, saiu em defesa do candidato, explicando que Trump recentemente aceitou a Jesus como seu Senhor e Salvador.

“Conheço a pessoa que o levou a Cristo. Acredito que ele [Trump] realmente fez um compromisso, mas ainda é um novo convertido. Todos nós precisamos orar por ele, especialmente pela possibilidade de ele ser nosso próximo presidente”, explicou Dobson.

Com muitas polêmicas envolvendo seu nome, Donald Trump não falou até agora sobre essa decisão, afirmando que não pretende usar isso politicamente. Já Dobson acredita que o fato pode mudar a postura do candidato republicano que, segundo as pesquisas, vem crescendo em popularidade após os ataques de Orlando e as mudanças no cenário global.

O Dr. Dobson afirma ainda que Donald Trump está sendo acompanhado por vários pastores e estaria “verdadeiramente buscando a direção do Senhor”. Com informações de Charisma News

Fonte: noticias.gospelprime.com.br


domingo, 26 de junho de 2016

Sóstenes quer que população decida sobre grandes gastos do governo

  Sóstenes quer que população decida sobre gastos do governo

Projeto prevê participação popular na decisão sobre eventos como Copa e Olimpíadas

por Jarbas Aragão 

O deputado federal Sóstenes Cavalcante (DEM/RJ) é autor doProjeto de Lei n° 5510/2016, que prevê uma consulta popular em decisões sobre o patrocínio de eventos desportivos de grande porte em território brasileiro. Em especial, os que requeiram grandes investimento de recursos públicos.

Todas as polêmicas envolvendo denúncias de corrupção nas obras necessárias para a Copa do Mundo e as Olimpíadas no Brasil geraram um forte questionamento da população. O projeto, defende Sóstenes, aponta para o plebiscito como “um importante instrumento de democracia semidireta, pois permite a participação pessoal do cidadão nas decisões políticas, econômicas e financeiras do País, bem como nos programas estatais”.

O parlamentar entende que a população precisa ser ouvida sobre gastos dessa monta, em especial quando existem tantas carências a serem sanadas no país. Lembra ainda que em 2014, foram mais de 25 bilhões de reais com a Copa do Mundo de Futebol, e para sediar os Jogos Olímpicos em 2016, o orçamento já ultrapassa 37 bilhões.

O democrata reconhece que tais eventos impulsionam o fluxo turístico e a economia local, além de dar visibilidade internacional para as cidades sede dos jogos e para o país anfitrião. Porém, faz uma ressalva: “Esse fluxo turístico não aumenta de forma significativa a médio e longo prazo. O balanço final dos custos do evento é frequentemente muito superior à despesa originalmente orçada, deixando rastros negativos nas finanças do país, e muitas das áreas construídas para sediar os jogos são subutilizadas”.


Na justificativa utilizada para fundamentar seu projeto afirma: “No estágio em que se encontra nossa sociedade, mostra-se extremamente salutar oportunizar cada vez mais a participação popular nos processos decisórios”.

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

sábado, 25 de junho de 2016

Estado Islâmico crucifica pessoas “todos os dias” durante mês do Ramadã



“Todos os dias”, o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) está crucificando moradores da Síria por violarem as regras de jejum durante o Ramadã, considerado um mês sagrado para os muçulmanos.

De acordo com Rami Abdelrahman, diretor do Observatório Sírio para os Direitos Humanos (SOHR, na sigla em inglês) no Reino Unido, duas pessoas foram crucificadas pelos militantes na cidade de Mayadin — território controlado pelo EI na Síria.

Outra morte por crucificação, que aconteceu na cidade vizinha de Bukamal, foi relatada pelo Observatório Justiça pela Vida. Antes disso, as três vítimas teriam sido mantidas em gaiolas por várias horas e chicoteadas por 70 vezes.

Segundo o SOHR, incidentes desse tipo se tornaram rotina durante o Ramadã nos locais dominados pelo califado do grupo terrorista. "Todo dia isso acontece, não somente um dia. Todos os dias nós publicamos isso, muitas vezes este mês", disse Abdelrahman.

Durante o período de jejum no mês do Ramadã, que acontece todos os desde a alvorada ao pôr-do-sol, os muçulmanos não podem comer, beber ou ter relações sexuais. No ano passado, o EI crucificou cerca de 94 pessoas que quebraram o jejum, incluindo cinco crianças.

As crucificações são uma forma comum de punição para espalhar o medo e o terrorismo entre os moradores dos locais onde há um califado do Estado Islâmico. Os próprios militantes do grupo também tem sido alvo desses castigos.

De acordo com a SOHR, na semana passada o grupo crucificou um de seus membros por três dias, na cidade de Deir ez-Zor. Ele foi acusado de "encobrir células adormecidas", trabalhar contra o grupo e "contrabandear pessoas que queriam fugir das áreas controladas pelo grupo."

Fonte: Guia-me

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Líderes religiosos se encontram para definir detalhes de centro inter-religioso durante Olimpíadas no Rio


Representantes de cinco religiões se encontraram nesta quarta-feira (22) no Comitê Rio 2016 para definir detalhes do centro inter-religioso que funcionará na Vila Olímpica, onde mais de 10 mil atletas se hospedam durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos. "É muito bom ver o Rio de Janeiro como um povo acolhedor, onde as religiões se entendem", disse o cardeal Dom Orani Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro, ao lado de Carlos Nuzman, presidente do Comitê Rio 2016. 

O padre Leandro Lenin, coordenador do centro inter-religioso do Rio 2016, apresentou a planta do lugar na Vila Olímpica onde terá uma sala para cada religião: cristianismo, judaísmo, budismo, hinduísmo e islamismo (esta última com uma sala extra para mulheres). Haverá um espaço misto de aconselhamento, e o segundo piso será um ambiente de convivência. Uma "cartilha do capelão" foi entregue aos presentes para explicar aspectos básicos do centro. 

"O atleta precisa ter com quem se alegrar na hora da vitória, mas também precisa do ombro amigo na hora que perceber que alguma coisa não foi bem. E igualmente precisam de um espaço para a prática de sua fé", disse o padre Leandro Lenin. "O centro não é apenas um ponto de apoio. É também um ponto de encontro, de assistência e auxílio."

A Arquidiocese do Rio de Janeiro convidou representantes de outras religiões para apoiar o projeto Meu Lugar no Rio - plataforma colaborativa que permite que moradores da cidade-sede dos Jogos recebam voluntários em sua casa. A plataforma é uma iniciativa inspirada na experiência adotada pela Igreja Católica para receber os voluntários da Jornada Mundial da Juventude em 2013. 

"Como os Jogos Olimpícos são um evento laico e esportivo, é interessante que diversas religiões abram as portas de suas casas também para os voluntários", disse o cardeal Dom Orani Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro. "É muito bom ver o Rio de Janeiro como um povo acolhedor, onde as religiões se entendem." 

Entre os presentes, estavam o rabino Elia Haber, o monge budista Jyun Sho Yoshikawa, o teólogo muçulmano Jihad Hammadeh e Raga Bhumi Devi Dasi, pioneira do movimento Hare Krishna no Brasil. "Esperamos conseguir prover este balanço entre o físico e o espiritual. É muito importante para o atleta trabalhar isso", comentou Haber, que será capelão na Vila Olímpica, aberta a partir de 24 de julho para atletas e representantes dos comitês Olímpicos.

Fonte: site Rio 2016

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Jesus tem se revelado de forma sobrenatural para a Igreja Perseguida, diz pesquisador

Jeremiah Johnson é pastor, pesquisador e está lançando o seu livro "Unanswered" (Foto: christianthinkers)
Jeremiah Johnson é pastor, pesquisador e está lançando o seu livro "Unanswered" (Foto: christianthinkers)

Em seu novo livro "UnAnswered", o pastor e estudioso do Novo Testamento, Jeremiah Johnston traz relatos de muçulmanos que têm tido visões de Jesus Cristo e também de como Deus tem agido poderosamente em meio à igreja perseguida, na China.

Não teria sido incrível testemunhar um milagre como Moisés abrindo o Mar Vermelho, estar em meio à multidão dos milhares alimentados por Cristo à partir de apenas dois peixes e cinco pães ou ter experimentado algum outro milagre semelhante? Onde estão os milagres de cair o queixo nos dias de hoje? Seriam as maravilhas épicas, apenas uma coisa do passado?

Em seu recente livro "UnAnswered" ("Sem Resposta"), um volume que teve seis anos de produção e pretende lançar luz sobre temas que têm sido esquecidos por muitas igrejas dos dias atuais, o pastor e estudioso do Novo Testamento, Jeremiah Johnston assegura que, mesmo nos tempos modernos, Deus ainda se move claramente, quando se trata de milagres.

Na verdade, Johnston tem reunido relatos de que Jesus está fazendo aparições milagrosas para os muçulmanos em diversas partes do mundo.

"Jesus está aparecendo para os muçulmanos no Oriente Médio e em todo o mundo", disse o autor ao 'Christian Post'.

O estudioso da Bíblia que escreveu um livro - ainda a ser publicado - sobre o grupo terrorista Estado Islâmico, admitiu "que faz com que alguns crentes sintam-se desconfortáveis".

"Você sabe, é Jesus aparecendo para alguém", explicou. "Eu tento lembrá-los: 'você já leu o Capítulo 9 de Atos, recentemente? Para quem Jesus apareceu, enquanto esta pessoa estava na estrada para Damasco? Saulo de Tarso. Nós não precisamos colocar Deus em uma caixa. Acredite em mim, Deus pode operar para muito além de nós".

O escritor explicou que os milagres têm se apresentado de formas variadas, mas isso não tira a validade desses fatos que envolvem o sobrenatural de Deus.

"Embora muitos dos milagres de hoje possam não se desdobrar exatamente da mesma maneira ou ter a mesma aparência que que tinham quando Jesus andou como homem pela terra, as histórias milagrosas de triunfo e perseverança dos seguidores de Cristo estão acontecendo como nunca antes, especialmente dentro da Igreja perseguida", diz Johnston

China
O pastor não está totalmente surpreso pelo mover milagroso de Deus dentro de igrejas perseguidas, recordando uma visita à China, onde se encontrou com um missionário cristão. O missionário e algumas igrejas cristãs filiadas praticavam a sua fé naquele país, onde as igrejas são perseguidas, como acontecia no livro de Atos. Na China comunista, muitos cristãos precisam se reunir em igrejas subtarrâneas, se não quiserem morrer.


"Eu estive na China recentemente com um missionário que tem mais de 5.000 [outros] missionários em sua igreja subterrânea. Ele olhou para mim e disse - para mim e para minha esposa: 'Jeremiah e Audrey, tudo que lemos no livro de Atos está acontecendo na China agora. O Espírito de Deus está trabalhando poderosamente. Tudo o que lemos no livro de Atos, Deus está fazendo hoje", disse ele.

Há uma razão pela qual muitas igrejas chinesas tiveram de funcionar na clandestinidade, tornando-se subterrâneas: Muitos tornaram-se alvos do regime comunista do país.
Dentro província Zhejing da China, por exemplo, o Partido Comunista Chinês visa suprimir o crescimento da religião organizada.

Como resultado, o Partido Comunista lançou uma campanha para remover as cruzes dos templos de igrejas protestantes e católicas em toda a província, citando que eles estão violando as restrições para construções, previstas em lei.

Na China comunista, muitos cristãos precisam se reunir em igrejas clandestinas, se não quiserem morrer. (Foto: BeliefNet)

Perseguição e crescimento do Evangelho
Em um ano e meio, o governo removeu mais de 1.200 cruzes, para o desespero da grande população cristã do país, que é formada por mais de 67 milhões de pessoas, como documentado pela instituto de pesquisa 'Pew Center'.


De 67 milhões de cristãos do país, a Pew estima que a China tenha 10 milhões de católicos, metade dos quais pertencem à 'Associação Patriótica Católica Chinesa', sancionada pelo Estado. Milhões de católicos também frequantam igrejas secretas.

Já os protestantes, como a igreja 'Three-Self-Patriotic' - que é aprovada pelo governo - somam mais 23 milhões de pessoas, enquanto 35 milhões de protestantes não registradas exercem suas crenças clandestinamente.

Enquanto igrejas perseguidas em todo o mundo parecem estar cheias do Espírito de Deus, Johnston sente que a igreja ocidental está "dormindo ao volante".

"Este fôlego fora de forma da igreja do Ocidente nos deixa em dúvida se queremos compartilhar de fato a Palavra de Deus. Não me surpreende que Deus não trabalhe tão poderosamente em uma igreja que está adormecida e simplesmente segue no embalo. Precisamos que nossa Igreja seja despertada e precisamos ter uma fé, um pensamento que nos desperte, nos permitindo ver Deus fazendo milagres e confiar nEle para fazer isso".

Pastor Johnston está confiante de que Deus ainda está operando milagres, poderosamente. Os cristãos simplesmente precisam abrir os olhos, diz ele.

"Não há dúvida que existem milagres ao nosso redor", disse o pastor e pesquisador ao Christian Post. "Às vezes, porém, parece que estamos com as nossas cabeças enfiadas na areia - nós apenas não vemos e não damos glórias a Deus por essas vidas".

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST



quarta-feira, 22 de junho de 2016

Diante de ‘crise espiritual’, mais judeus ortodoxos se voltam para Jesus em Israel

Judeu ultra-ortodoxo olha para um evento de oração em massa em Jerusalém. (Foto: Reuters/Darren Whiteside)
Judeu ultra-ortodoxo olha para um evento de oração em massa em Jerusalém. (Foto: Reuters/Darren Whiteside)

De acordo com um site israelense, os judeus ortodoxos estão tão carentes da verdadeira Palavra do Senhor, que centenas estão dispostos a ler o 'material proibido’ que fala sobre Jesus, a fim de encontrá-Lo.

Judeus da comunidade ortodoxa em Israel, que muitas vezes se opõem aos judeus messiânicos, estão vivendo uma "crise espiritual de proporções históricas" e reexaminando suas crenças, de acordo com o site Kehila News.

"Parece que a comunidade haredi (ortodoxa) está enfrentando uma crise espiritual de proporções históricas. Essas pessoas, que passam literalmente todas as horas de seu dia no estudo da Torá, são tão carentes da verdadeira Palavra do Senhor, que centenas estão dispostos a ler o 'material proibido’, a fim de encontrá-Lo", informou o site de notícias, refletindo sobre um artigo publicado hebraico no site MyNet.

De acordo com o Kehila News, o artigo alertava os cidadãos da cidade israelense de Petah Tikva sobre as “propagandas" que estavam sendo distribuídos por grupos messiânicos — uma queixa comum dos ortodoxos contra os judeus crentes em Jesus Cristo.

As frequentes acusações contra judeus messiânicos foram refletidas em uma legislação que limitou a liberdade religiosa em Israel. No ano passado, a prefeitura de Jerusalém definiu que cristãos deveriam consultar rabinos da cidade antes de promover eventos religiosos, para evitar os judeus fossem convencidos a seguir Jesus.

O artigo ortodoxo admite que o material sobre Jesus Cristo está atraindo inúmeros adeptos da comunidade ortodoxa, que costumam fazer forte oposição aos esforços missionários, informa o Kehila News.

Segundo o site, a verdadeira razão por trás do pânico anti-missionário em Petah Tikva é a de que o "Messias está alcançando poderosamente alguns do nosso povo que viveram a vida toda por trás da Torá".

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE THE CHRISTIAN POST



terça-feira, 21 de junho de 2016

Fantástico tenta rotular bancada evangélica de homofóbica

Marco-Feliciano

Por Jarbas Aragão

O caso do atirador na boate gay em Orlando serviu para fomentar na última semana um imenso debate na mídia sobre crimes de homofobia.

Estranhamente, ignora-se o fato que, segundo o próprio Omar deixou claro nas gravações que fez à polícia, sua motivação era religiosa. Jurando lealdade ao Estado Islâmico, ele afirma que o atentado era uma retaliação pelos bombardeios dos EUA ao Afeganistão, onde ele nasceu.

Mesmo assim, tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil, a imprensa motivada pelo discurso politicamente correto do presidente Obama, evitou associar os termos “islã” e “terrorismo” ao caso. Sem um grande esforço de lógica, parte da mídia passou a culpar os cristãos pelas mortes. Protestos foram inclusive feitos nas redes sociais e na frente da Catedral da Sé, em São Paulo.

Como geralmente acontece, o programa dominical Fantástico da Rede Globo, abordou de forma tendenciosa um assunto que está em evidência. Ao tentar mostrar casos de intolerância aos homossexuais no Brasil, apresentou uma série de estatísticas alarmantes, como: “Só em 2015, o Disque 100 recebeu quase 2 mil denúncias de agressões contra gays. Desde o início de 2016, 132 homossexuais já foram assassinados no Brasil”.

Cerca de um terço da matéria foi voltada a questão da legislação brasileira sobre o assunto. O destaque maior foi para o Projeto de Lei 7582/2014, apresentado pela deputada Maria do Rosário (PT/RS) em parceria com o Conselho Nacional LGBT, que tipifica e criminaliza os crimes de ódio e intolerância, bem como de incitação a esses crimes, dentre eles os motivados pelo preconceito e discriminação contra LGBTs. A pena prevista é “Prisão de um a seis anos e multa”.

Como a lei não usa termos específicos, ela sequer traz o termo “homofobia”. O artigo 5º afirma, que incorre em crime quem: “Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito, por meio de discurso de ódio ou pela fabricação, comercialização, veiculação e distribuição de símbolos, emblemas, ornamentos, distintivos ou propaganda, por qualquer meio, inclusive pelos meios de comunicação e pela internet, em razão de classe e origem social, condição de migrante, refugiado ou deslocado interno, orientação sexual, identidade e expressão de gênero, idade, religião, situação de rua e deficiência”.

No Fantástico, a jornalista Renata Ceribelli afirma “Deputados evangélicos são contra o projeto de lei”. Logo em seguida, apresenta a entrevista com o deputado pastor Marco Feliciano (PSC/SP). Ele esclarece que não é contra o projeto de lei, apenas que a proposta “não consegue definir o que é homofobia”.

Enfatiza que, nos termos atuais, “não consegue separar o preconceito da liberdade de expressão”. Conclui dizendo que quando a linguagem for revista e esclarecida “Aí vamos criminalizar a homofobia”.

Não por coincidência, a figura de Marco Feliciano é colocada num contexto onde se debate crimes de ódio e homofobia, numa tentativa de associá-lo ao tema. Logo após as mortes em Orlando ele foi apontado como um dos incentivadores disso no Brasil, embora não exista nenhum tipo de comprovação que o tenha feito em algum momento.

Discurso copia repressão americana
A estratégia da esquerda no país por várias vezes une questões religiosas e de gênero. No caso da lei que o Fantástico defendeu como boa para o país, fica claro que os termos propositalmente amplos poderiam criar problemas sobretudo para os evangélicos.

Ou seja, se uma igreja possui, por exemplo, um programa de rádio ou TV (mesmo que pela internet) e se pronuncie contra a homossexualidade, poderá ser denunciada. Se disser algo que possa ofender um praticante de religião afro-brasileira, vale a mesma premissa.

A ideia de ‘discurso de ódio’ é mais um termo emprestado dos americanos. Em 2007, uma lei aprovada na Califórnia afirmava que o ensinamento bíblico era essencialmente “discurso de ódio”.

Não por coincidência, além de mostrar isso claramente em seus programas, a Globo usou o portal G1 para publicar uma matéria no sábado (19) onde deu voz a Ilan Meyer, pesquisador sênior de lei para políticas públicas e orientação sexual da Universidade da Califórnia, em Los Angeles.

Ele afirma: “na comunidade cristã evangélica dos Estados Unidos, por exemplo, você pode aprender coisas terríveis ao ir à igreja toda semana.”

A reportagem tenta mostrar ainda que existe uma tolerância de ramos do Islã ao público LGBT, o que é, no mínimo, tendencioso.

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br


segunda-feira, 20 de junho de 2016

Perdoar faz (muito) bem à saúde


Um novo estudo mostrou que pessoas que perdoam conseguem eliminar os efeitos negativos do stress na saúde física e mental.
Estudo publicado recentemente no periódico científico Psychology Journal of Health mostra que pessoas com mais facilidade para perdoar a si mesmas e aos outros estão mais protegidas dos males do stress.


De acordo com informações da revista americana Time, pesquisadores da Luther College e da Universidade da California, ambas nos Estados Unidos, pediram que 148 jovens adultos preenchessem questionários que avaliaram níveis de stress durante a vida, a tendência para perdoar e a saúde física e mental.

Os pesquisadores identificaram que, apesar do nível de stress pelo qual passaram, entre os indulgentes os problemas físicos e mentais decorrentes da vida estressante desapareciam. Exatamente. Desapareciam.

Stress aumenta risco de morte por doença no fígado “O ato de perdoar funciona como uma espécie de amortecedor contra o estresse.

Se você não tem tendência para perdoar, sente os efeitos brutos do stress de forma absoluta “, disse Loren Toussaint, professor de psicologia na Luther College e principal autor do estudo. 

Embora não possam afirmar categoricamente de que forma a indulgência protege a saúde contra os males do stress, os pesquisadores acreditam que pessoas mais tolerantes tenham mais habilidade para lidar com as adversidades da vida ou ainda podem ter uma reação mais suave em situações estressantes.

Toussaint acredita que todas as pessoas podem aprender a perdoar. Segundo ele, a prática é comumente trabalhada em sessões de terapia. “O perdão elimina a conexão entre estresse e doença mental. Eu acho que a maioria das pessoas quer se sentir bem e o perdão lhes oferece essa oportunidade.”, conclui.


Fonte: http://www.noticiascristas.com/


domingo, 19 de junho de 2016

Extrema violência também atinge os cristãos


EL SALVADOR

A quantidade de mortes de cidadãos comuns levanta sérias questões sobre as circunstâncias dos incidentes

Atualmente, a violência em El Salvador, um dos países da América Central, tem impressionado com seus números. A nação que tem cerca de 6 milhões de habitantes, exibe uma taxa de 103 homicídios para cada 100 mil cidadãos. Para efeito de comparação, no ano de 2014, a taxa do Brasil foi de 29 homicídios para cada 100 mil, sendo que a população tem um pouco mais que 200 milhões de habitantes.

Só no ano de 2016, mais de 2 mil pessoas morreram de forma violenta, 600 apenas no mês de março. Isso quer dizer que o número de homicídios subiu 78% em relação ao mesmo período do ano anterior.

O governo já perdeu o controle da violência causada pelas gangues de El Salvador. Execuções extrajudiciais se destacam, além da impunidade e agora a liderança do país se vê diante de um grande desafio: preservar o Estado de direito da nação.

Os cristãos são os mais vulneráveis e se encontram praticamente na mesma situação dos cristãos do México, Colômbia, Argentina e Cuba, que lutam para manter a igreja num país que está cada dia mais entregue ao crime organizado e ao narcotráfico. Ore pelos cristãos nesses países.

Fonte: https://www.portasabertas.org.br


sábado, 18 de junho de 2016

Os pecados de cada um

Serpente e maçã. (Foto: Getty)
Serpente e maçã. (Foto: Getty)

Em conversa com um deputado, ele me listou alguns 'pecados da vida pública'.
Dia desses jantei com um Deputado Federal. Perguntei a ele quais seriam os sete pecados da vida pública. O que desqualifica um político, deputado?, quis saber. Ele mandou essa.

1. VENDER VOTO, a verdadeira essência da corrupção, pois implica votar contra a própria consciência, ou em detrimento do interesse público, em favor de conveniências ou benefícios particulares e de grupos que bem remuneram os votantes;

2. CEDER À PRESSÃO, ser pusilânime, não ter coragem de assumir posicionamentos autênticos, abrir mão de convicções em favor dos jogos de interesses, e também não aguentar levar pedradas por defender o que considera justo;

3. DESRESPEITAR A FRONTEIRA PÚBLICO/PRIVADO, misturar a pessoa física com a jurídica, usar verbas públicas para despesas pessoais, pagar contas familiares e particulares com dinheiro do povo;

4. USAR A FUNÇÃO PÚBLICA PARA BENEFÍCIO PESSOAL, usar o mandato como um negócio particular, transformar seu gabinete em um balcão de negócios, viver articulando meios de utilizar a máquina pública para enriquecimento próprio;

5. USAR PESSOAS, abusar do poder, olhar todo mundo de cima para baixo, deixar de se enxergar como servidor e acreditar que está lá para ser servido, manipular pessoas com promessas falsas;

6. ABUSAR DA FUNÇÃO, isto é, dar carteirada, o famoso “você sabe com quem está falando?”, achar que a função pública o coloca acima da lei ou das responsabilidades e dificuldades de qualquer cidadão;

7. SER DESLEAL, não manter a palavra empenhada.
Em seguida perguntei quantos políticos ele conhecia inocentes desses pecados, e ele, político experiente, disse que “a Câmara é o retrato da sociedade, e por essa razão é constituída em sua grande maioria por pessoas de bem”. Ao final do jantar me coloquei à disposição para o dia quando ele desejasse se confessar. Trocamos um sorriso discreto, um aperto de mão, e caímos na escuridão da noite, cada um voltando para sua casa.

*As opiniões aqui expressas são de exclusiva responsabilidade do autor do texto e não refletem necessariamente o posicionamento oficial do Portal Guiame.


FONTE: GUIAME, ED RENÉ KIVITZ


sexta-feira, 17 de junho de 2016

É honra ser chamado de conservador, diz Marcos Rogério

É honra ser chamado de conservador, diz Marcos Rogério

Relator do processo contra Cunha é membro da Assembleia de Deus

por Jarbas Aragão 
Nas últimas semanas, o deputado federal Marcos Rogério (DEM/RO) dividiu as atenções com Eduardo Cunha (PMDB/RJ). O rondoniense foi o relator do processo que pedia na Comissão de Ética da Câmara a cassação de Cunha, acusado de ter mentido sobre possuir contas no exterior.

Parte da imprensa afirmava que, por ser membro da bancada evangélica, à qual Cunha também afirmava pertencer, ele ficaria ao lado do presidente afastado da Casa. Não foi o que aconteceu, ele pediu a cassação no seu relatório, que acabou sendo aprovado pela Comissão.

Curiosamente, tanto Marcos Rogério quanto Eduardo Cunha estão ligados à Assembleia de Deus. Os dois dividem por exemplo, a autoria do PL 5069/2013, que tipifica como “crime contra a vida” o anúncio de meio abortivo e prevê penas específicas para quem induz a gestante à prática de aborto.

Com perfil mais discreto, o democrata não costuma destacar sua filiação religiosa como o mais importante de seu mandato. Isso não significa que não considere isso importante, afirmando sentir-se honrado ao ser chamado de conservador.

Em entrevista ao Gospel Prime, ele explicou que pelo fato de o Congresso Nacional ser “a expressão da sociedade” é natural que tenha uma representação evangélica, que já soma cerca de 30% dos brasileiros.

Para ele, o objetivo da bancada não é impor suas ideias nem transformar o país em uma teocracia. “Ela defende a Constituição, a qual afirma que a família é a base da sociedade e por isso precisa de proteção especial do governo”, esclarece.

Deputado em segundo mandato, ele foi por 12 anos repórter de TV e radialista, tendo exercido o mandato de vereador por sua cidade natal, Ji-Paraná, em Rondônia. Também é advogado constitucionalista, o que o deixa muito a vontade para afirmar que o trabalho da Frente Parlamentar Evangélica é defender uma prerrogativa da Constituição.

“Somos um Estado Laico (sem religião) e não laicista (que se opõe a religião), sublinha.

O parlamentar entende que o trabalho de um deputado, independente de sua religião é defender a sociedade. Por isso, é consenso entre os membros da bancada que é preciso trabalhar pelo acesso a uma educação de qualidade.

Ao ser questionado sobre a controvérsia com a remoção dos conteúdos como o “kit gay”, assegura que na verdade a proposta foi de uma “escola sem homofobia”, que ensina o respeito, mas não aceita que as questões de sexualidade sejam ensinadas em aulas como matemática e geografia, por exemplo, como queria o projeto do Ministério da Educação do governo petista.

Mesmo com a troca de governo, ele está lutando pela reforma curricular, livre de ideologias. Como participante da Frente Parlamentar Evangélica, insiste que sua função é a defesa de valores, de princípios e de boas políticas. Ao mesmo tempo, reconhece que existem membros dela que “são processadas, julgadas e condenadas”, pois afinal são pessoas e logo, “não são perfeitas”.

Ser “conservador significa resguardar o que a Constituição nos orienta”, assevera Rogério. Destaca ainda que “falhas você vai encontrar em todos os segmentos, religiosos e não religiosos”, mas que “nós temos uma bancada que é uma referência no Congresso Nacional na defesa do que mais interessa à sociedade”.  As bandeiras são bem conhecidas e lembradas por ele: família, vida (como bem jurídico inviolável) e contrária a liberação do aborto e das drogas.

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br


quinta-feira, 16 de junho de 2016

Igreja desmorona em Diadema (SP) e deixa 7 feridos; três ficam soterrados

Marcelo Gonçalves /Sigmapress/Folhapress 
    
desabamento de igreja rua jacarandá jardim eldorado em diadema

Agentes socorrem vítimas do desabamento de uma igreja evangélica em Diadema (SP)

JULIO BARROS DO "AGORA" DE SÃO PAULO

Uma igreja evangélica desmoronou em Diadema, no ABC paulista, na tarde desta quarta-feira (15), soterrando três pessoas e deixando outras quatro com ferimentos leves –entre elas, três crianças.

O acidente aconteceu em uma igreja da Assembleia de Deus, durante uma cerimônia religiosa, por volta das 15h. Havia 15 pessoas no local.

As vítimas soterradas participavam do culto. São dois homens, de 23 e 43 anos, e uma mulher de 55 anos. "Foi súbito, sem estalos ou aparecimento de rachadura, a estrutura simplesmente desabou de uma hora para outra", disse o pastor Kaíque Nicolau de Lima.

Os dois homens foram localizados e estavam conscientes. Ainda não há previsão para o resgate, porque os escombros são retirados de forma manual. Os bombeiros ainda buscam a terceira vítima soterrada.

Os que tiveram ferimentos leves estavam na parte da frente e não foram soterrados. Segundo o Corpo de Bombeiros, uma mulher de 37 anos e duas crianças –um meninos de 2 anos e uma garota de 3 anos– foram socorridas por testemunhas. Eles foram encaminhados a hospitais e liberados em seguida.

Uma outra criança, um menino de 5 anos, quebrou a perna e foi atendido pelo Samu (Serviço Móvel de Urgência).

A igreja diz que havia começado a construção de uma garagem nos fundos do imóvel, mas a obra não tinha alvará, segundo a Prefeitura de Diadema. A administração municipal afirma que, após receber denúncias de remoção de terra, foi até o local e orientou determinou que a obra fosse paralisada até a apresentação do alvará da construção.

O pastor Kaíque Nicolau de Lima, assessor jurídico da Assembleia de Deus de Diadema, disse que a igreja havia paralisado a construção da garagem. Ele estava no templo no momento do acidente.

Segundo ele, a igreja recebeu na segunda-feira (14) uma notificação da Secretaria da Habitação da cidade determinando a paralisação da obra até que a documentação da reforma fosse apresentada, mas disse que os trabalhos já haviam sido suspensos. "A construção estava parada havia duas semanas, antes do aviso."

Lima também confirma que a obra não tinha toda a documentação necessária. Segundo ele, o imóvel onde funciona a igreja é antigo. "O templo tem 60 anos e tinha capacidade para 300 pessoas. Na tarde de hoje acontecia um culto de libertação com aproximadamente 15 pessoas que estavam no templo", afirmou.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Cristãos oferecem refeições aos muçulmanos pobres na Síria


Igreja em Aleppo auxilia famílias islâmicas e cuida de órfãos
por Jarbas Aragão 
Desde 2011 a Síria vive uma sangrenta guerra. Milhares de pessoas já foram mortas pelos extremistas de grupos como o Estado Islâmico, que dominam grande parte do território sírio. Nos últimos dias, forças jihadistas estão atacando áreas residenciais e forças governamentais e curdas em Aleppo, região norte do país.

Um cessar-fogo foi proposto para a região em fevereiro, mas o Estado Islâmico não o respeitou. Mesmo com o início do Ramadã, mês sagrado dos muçulmanos, os ataques de foguetes e morteiros contra vários pontos da cidade não pararam.

O costume islâmico é que esse período do ano seja dedicado à oração e ao jejum. Os fiéis só podem comer após o pôr do sol. A população empobrecida da cidade em algumas áreas não tem o comer. As famílias muçulmanas mais carentes, que vivem no bairro de Sulaimaniyah, estão sendo alimentadas pelos cristãos.

A arquidiocese sírio-ortodoxa de Aleppo todos os dias oferece uma refeição vespertina, a única que muitas dessas pessoas terão no dia. As imagens da distribuição de alimentos mostram mesas no estilo oriental improvisadas nas salas da Catedral de Santo Efrem, o sírio.
Para os cristãos, a iniciativa é um gesto simples, que visa expressar sentimentos de solidariedade entre pessoas de diferentes tradições religiosas, mas que pertencem ao mesmo povo. Também visa retomar a convivência harmoniosa entre as várias comunidades étnicas e religiosas da síria antes da guerra.


Alepo é uma das cidades mais antigas do mundo e ocupa uma posição comercial estratégica entre o mar Mediterrâneo e o rio Eufrates. É a maior cidade síria e possui uma posição estratégica, por isso é acirradamente disputada por forças leais ao governo e os grupos extremistas. A maior parte do seu território foi destruído na guerra, sendo que vários bairros estão quase desertos.

Sem saber quanto tempo lhes resta, pelo menos em Sulaimaniyah cristãos e muçulmanos vêm superando a desconfiança. Muitas crianças órfãs muçulmanas estão sendo cuidadas em propriedades da igreja, depois que o local que elas viviam foi devastado pelos bombardeios. 

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br/Com informações deAgência Fides


terça-feira, 14 de junho de 2016

Banda Resgate desiste de apresentação após saber que evento será pago com verba da Prefeitura

O repasse de R$ 189 mil foi divulgado no dia 3 de junho.  (Foto: Reprodução).
O repasse de R$ 189 mil foi divulgado no dia 3 de junho. (Foto: Reprodução).

De acordo com o documento divulgado pela Amplitude A Produções LTDA, o objetivo da banda não mais se apresentar seria resguardar a imagem do grupo.

Banda Resgate faria uma apresentação no 2º Festival de Talentos de Anápolis/GO. O evento será realizado no dia 23 de Junho desse ano. Porém, a banda resolveu não mais realizar a apresentação. O motivo alegado foi o fato do evento ser pago com verba da Prefeitura da cidade.

De acordo com publicação na última sexta-feira (10) no Portal 6, esse fator tem gerado uma “indignação pelo uso de dinheiro público” para bancar o evento. Após tomar conhecimento de como o evento seria pago, a representante legal do grupo musical se pronunciou em nota para justificar a atitude.

“Venho por meio deste, informar o cancelamento da apresentação da Banda Resgate no 2º Festival de Talentos de Anápolis/GO a ser realizado no dia 23 de Junho de 2016, evento que é patrocinado financeiramente pela Prefeitura de Anápolis/GO, ao qual não fomos devidamente informados sobre isso no ato da contratação e/ou solicitação da apresentação da banda no evento acima citado”, diz a nota.
Ainda de acordo com o documento divulgado pela Amplitude A Produções LTDA, o objetivo da banda não mais se apresentar seria resguardar a imagem do grupo. “Com, o objetivo de resguardar a imagem da banda, tendo em vista que na cidade esse evento está sendo questionado por conta do valor que a prefeitura está repassando ao Conselho de Desenvolvimento de Joanápolis e Região – CDJ”.

Segundo o Portal 6, deverá ser repassado para o evento 189 mil reais por meio da Prefeitura. “Por esse motivo a banda optou por não participar desse evento. Ressaltamos que em nenhum momento fomos informados que o evento seria pago integralmente com verba paga pela Prefeitura da cidade”, conclui a nota.

O repasse de R$ 189 mil foi divulgado no dia 3 de junho. De acordo com o site, a população tem questionado esse valor.
O evento está marcado para os dias 23, 24 e 25 desse mês e terá eliminatórias do concurso Gospel de Talentos. A banda Disco Praise e o cantor Kleber Lucas, ambos também convidados para o evento, ainda não se pronunciaram sobre o caso.

“Se fosse Marília Mendonça, Aviões do Forró ninguém dizia nada. Ninguém lembra que está sendo gasto dinheiro dos hospitais, merenda escolar, dinheiro para beneficiar o coletivo quando a prefeitura ‘investe’ no Carnaval, festejos ‘culturais’ e etc”, comentou o internauta Calebe Estêves.

Já Ana Guiamarães comentou: “Eu não acho não. Mas quando a prefeitura traz cantor secular todo mundo chama de Cultura, agora porque é gospel fazem esse ‘que’ todo. Meio hipócrita, tendencioso, concorda?”, opinou.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO PORTAL 6


segunda-feira, 13 de junho de 2016

Líder cristão é preso sob falsa acusação


13-azerbaijao-0250001343.jpg


Amigos afirmam que ele foi abordado por pessoas que estavam incomodadas pelo fato de ele estar ali pregando o evangelho entre os muçulmanos

Um líder cristão azeri foi preso na Geórgia, um país que fica na fronteira entre a Europa e a Ásia, e próximo do Azerbaijão (34º país da Classificação da Perseguição Religiosa), por acusação de posse de drogas. A notícia diz que se o tribunal da Geórgia o considerar culpado terá que enfrentar 14 anos de prisão. Alguns amigos afirmam que ele foi abordado por pessoas que estavam incomodadas pelo fato de ele estar ali pregando o evangelho entre os muçulmanos. Além disso, comentaram que seu estado de saúde é delicado e que ele necessita de ajuda médica urgente.

Há dois fatores importantes que devem ser observados nesse incidente: o primeiro é que a Geórgia é conhecida como um país cristão, embora siga uma linha ortodoxa e a minoria muçulmana atuante no país é bem radical. Sabe-se que há vários georgianos lutando em conjunto com o Estado Islâmico. O segundo fator é que os cristãos azeris evangelizam livremente na Geórgia, enquanto os georgianos hesitam pregar o evangelho em seu próprio país.

O governo da Geórgia está fazendo de tudo para se aproximar da NATO (North Atlantic Treaty Organization, em inglês ou OTAN – Organização do Tratado do Atlântico Norte) e da União Europeia, o que ajudaria o cristão a ter uma investigação adequada e, provavelmente, ele seria liberado. Isso chamaria muito a atenção dos militantes muçulmanos georgianos, que influenciam bastante as autoridades do país, mas seria um ponto positivo para os cristãos que são perseguidos por lá.

Em suas orações, interceda pelos cristãos perseguidos, tanto do Azerbaijão quanto da Geórgia.

Fonte: https://www.portasabertas.org.br


domingo, 12 de junho de 2016

FRANKLIN GRAHAM AFIRMA QUE PROFETA ISLÂMICO NÃO PODERIA SALVAR A ALMA EX-BOXEADOR MUHAMMAD ALI

Franklin Graham afirma que profeta islâmico não poderia salvar a alma ex-boxeador Muhammad Ali
Imagem: Facebook/Reprodução

“Se eu fosse um cristão, gostaria de ser um cristão como ele”, disse o grande lutador de boxe Muhammad Ali fazendo referência ao evangelista norte americano Billy Graham durante um encontro 1979 na Carolina do Norte. Esse fato foi relembrado esta semana após a morte do atleta aposentado pelo pastor Fraklin Graham, filho do pregador Billy.

No Facebook, Franklin Graham comentou sobre o encontro da Carolina do Norte, onde Ali aparentava tristeza. Na ocasião o lutador comentou: “sempre admirei o senhor Graham, Ele é cristão e eu muçulmano, mas existe tanta verdade nas cosas que ele prega, Americanismo, arrependimento, coisas sobre o governo e sobre o país – e a verdade. Eu sempre disse que se fosse um cristão, eu gostaria de ser como ele.”

O filho do pregador Billy Graham continuou o comentário afirmando: “Meu pai sempre teve esperanças que Ali entregaria sua vida para Cristo. Eu fico imaginando se ele colocou sua fé em Jesus e confiou nEle antes de partir para a eternidade. Eu realmente espero que isso tenha acontecido. O Muhammad islâmico não pode salvá-lo, só Jesus Cristo pode”.

Ali morreu no último dia 3 de Junho aos 74 anos de idade. Após sofrer complicações respiratórias e falência múltipla dos órgãos, o atleta aposentado ainda teve batimentos cardíacos por 30 minutos. Além da influência no esporte, ele conquistou batalhas nas áreas dos direitos civis e em questões culturais.
Sua filha Hana divulgou em suas redes sociais que a família se manteve próxima dele sempre realizando orações islâmicas durante os últimos momentos.

O enterro que acontece neste momento, (10), conta com figuras importantes como o ex-Presidente Bill Clinton e o ator Will Smith. O Presidente dos Estados Unidos Obama comentou sobre a morte de Ali: “Esta semana perdemos um ícone, uma pessoa que, para os afroamericanos, eu acredito, liberou as mentes em prol do orgulho de quem eles realmente são”.

http://conscienciacrista.org.br/ Por Samuel Oliveira



sábado, 11 de junho de 2016

Há dois anos os cristãos foram expulsos de Mossul


Eles tiveram somente três escolhas: ficar na cidade e se converter ao islã; pagar o imposto islâmico que é alto para a maioria das famílias, ou deixar Mossul sem direito a nada, a não ser as roupas do corpo

Mossul é a terceira maior cidade do Iraque, depois de Bagdá e Baçorá, e segundo pesquisas arqueológicas, também é a antiga Nínive citada na Bíblia. Atualmente, a região se encontra sob o domínio do Estado Islâmico (EI), que a ocupou em junho de 2014, declarando solo islâmico. Na ocasião, os cristãos foram pressionados pelos radicais e tiveram somente três escolhas: ficar na cidade e se converter ao islã; pagar o imposto islâmico que é alto para a maioria das famílias ou deixar Mossul sem direito a nada, a não ser as roupas do corpo. Aqueles que não obedecessem seriam executados. As casas dos cristãos foram marcadas com a frase "propriedade do Estado Islâmico".

Dos 2 milhões de pessoas que viviam em Mossul, metade (predominantemente muçulmana) decidiu ficar para não perder seus bens. Em 2015, segundo informações do site de notícias Terra, aqueles que ficaram não podiam mais abandonar a cidade sem o comprometimento de voltar nos prazos obrigatórios, para não correr o risco de perderem suas casas ou veículos apreendidos. Além disso, tiveram que ver de perto os métodos do EI, como decapitações públicas, apedrejamentos e crucificações. A cidade vivia praticamente no isolamento.

Muitas famílias cristãs fugiram da cidade desde a invasão do Estado Islâmico. Boa parte foi para a região relativamente segura "curda" ou para um bairro cristão no país, levando apenas o que puderam transportar. Mesmo diante desse cenário, um cristão compartilha como Deus tem sido muito bom para com ele: "Vivo hoje em um pequeno apartamento em Erbil e estou feliz com isso. Eu acho que nunca vou voltar para Mossul. Mas apesar de tudo, há boas oportunidades para minha esposa e eu em Erbil, estamos reconstruindo as nossas vidas aqui. "

Estendendo a mão
Através de igrejas locais e parceiros de todo o mundo, a Portas Abertas continua a apoiar os cristãos deslocados internamente, que vivem em campos de refugiados ou prédios abandonados. Você quer ajudar? Conheça nossa campanha Mantenha a Igreja viva no Iraque e Síria e nos ajude a continuar levando esperança para quem compartilha da nossa fé, mas não da nossa liberdade em um contexto de guerra e perseguição religiosa. Envolva-se agora mesmo!


https://www.portasabertas.org.br/


sexta-feira, 10 de junho de 2016

Ex-muçulmanos convertidos ao Evangelho em campos de refugiados na Alemanha descobrem o perdão

A conversão ao Evangelho de um ex-muçulmano o permitiu conhecer o significado de palavras que não tinham sentido quando professava a fé islâmica: esperança, perdão e liberdade.

O homem, que vive em um campo de refugiados na Alemanha, afirmou que sua conversão ao Evangelho foi retaliada pelos muçulmanos: “Eu fui cuspido, disseram que eu traí o Islã. Mas pelo que eu aprendi, eu posso perdoá-los”, disse um homem que, recentemente, foi batizado na cidade de Hamburgo, na Alemanha, em entrevista ao portal RT.

“Desde que me tornei cristão, não temo a ninguém”, afirmou outro.
A realidade nos campos de refugiado é dura para os cristãos e novos-convertidos, pois os muçulmanos atuam de forma repressora, impondo abusos psicológicos, maus tratos físicos e privações, como o impedimento de ter acesso à comida entregue pelas autoridades do país.
“Tradicionalmente, a conversão do islã pode resultar em uma série de punições, incluindo a expulsão da família, espancamentos e até assassinatos de pessoas que se convertem [a outras religiões]”, afirmou Rainer Rothfuss, analista de geopolítica.

Mesmo assim, muitos muçulmanos que chegam à Europa e são abordados por missionários cristãos, que os apresentam o Evangelho, terminam por se converter ao cristianismo. Em maio, mais de 80 ex-muçulmanos oriundos do Irã e Afeganistão foram batizados nas águas pelo pastor Albert Babajan, na cidade alemã de Hamburgo.

“O motivo para a mudança da fé é o mesmo para muitos: eles estão decepcionados com o Islã”, disse o pastor em entrevista à revista Stern.

Uma refugiada iraniana contou que vivia sob medo constante do pecado, porque nunca foi ensinada no islamismo sobre liberdade e perdão: “Eu estive procurando paz e felicidade por toda a minha vida, mas no Islã eu não encontrei. Ser cristã significa felicidade para mim”, afirmou a mulher, identificada como Shima.

Fonte: http://noticias.gospelmais.com.br/


quinta-feira, 9 de junho de 2016

Editorial do El País comenta a aliança de Michel Temer com alas mais fundamentalistas cristãs




Um editorial publicado nesta quarta-feira (8) no El País afirma que Michel Temer “inaugura a república evangélica.” O editorialista Luiz Ruffato comenta a aliança do presidente-interino com alas mais fundamentalistas cristãs inseridas na política brasileira.


Segundo a reportagem, o PT flertou com os evangélicos ao longo dos mandatos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente afastada Dilma Rousseff. Não fosse o engajamento de pastores e bispos das igrejas pentecostais, provavelmente o partido não teria ganhado quatro eleições seguidas. E para garantir esse apoio, os petistas abriram mão de compromissos históricos, principalmente aqueles relacionados à luta pelos direitos das minorias (mulheres, homossexuais, negros e índios), concentrando esforços na melhoria das condições de vida da população pobre, também público-alvo dos pentecostais. De qualquer maneira, os governos Lula e Dilma, ainda que reféns dos evangélicos, mantiveram uma agenda propositiva no campo social.”

El País destaca que como se não bastasse a vexaminosa performance do presidente interino Michel Temer – dois ministros demitidos em apenas 19 dias, por envolvimento com denúncias de corrupção – é em seu governo que os religiosos vêm conquistando espaço inédito na história da República. 

O jornal espanhol fala que de acordo com o registro na Câmara dos Deputados, a Frente Parlamentar Evangélica – que inclui católicos, protestantes e pentecostais - conta hoje com a participação de 199 membros (39% do total da Casa) e quatro senadores. O primeiro compromisso oficial de Michel Temer, como presidente interino, foi receber alguns membros da bancada evangélica, que o cumprimentaram e oraram por ele. Temer nomeou para o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior o presidente do Partido Republicano Brasileiro (PRB), Marcos Pereira. Bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, Pereira é homem de confiança de Edir Macedo – foi diretor administrativo e financeiro da TV Record do Rio de Janeiro entre 1995 e 1999, e vice-presidente da Rede Record de Televisão, entre 2003 e 2009. A bancada do PRB conta com 19 deputados federais, entre eles, o controverso Celso Russomanno, pré-candidato à Prefeitura de São Paulo. A igreja de Edir Macedo elegeu sozinha sete deputados federais e um senador, Marcelo Crivella (RJ).

El País acrescenta que para o Ministério do Trabalho, o presidente interino convidou o deputado federal pelo Rio Grande do Sul, Ronaldo Nogueira. Nogueira é pastor da Assembleia de Deus, igreja que possui a maior bancada entre os evangélicos - 19 membros da Câmara dos Deputados estão ligados a ela, além do senador Gladson Camelli (AC), que, embora não pertença aos quadros, elegeu-se com seu apoio. Os membros mais destacados da Assembleia de Deus são os deputados Marco Feliciano (PSC-SP), que em sua rápida passagem pela presidência da Comissão dos Direitos Humanos e Minorias, demonstrou toda a sua homofobia; e as deputadas Cantora Lauriete (PSC-ES), famosa por seu recente casamento com o também evangélico senador Magno Malta (PR-ES) – relação vista com maus olhos pelos seus pares já que ambos são divorciados - e Fátima Pelaes (PMDB-AP). Não só isso, Fátima Pelaes foi nomeada por Michel Temer secretária de Políticas para as Mulheres, órgão subordinado ao Ministério da Justiça. Ela é investigada pela Justiça Federal por denúncias de envolvimento em um esquema que desviou 4 milhões de reais de verbas do Ministério do Turismo para capacitação de profissionais em seu estado. Além disso, ocupando uma pasta que tem como objetivo implementar políticas destinadas à mulher, Fátima já disse que, por conta de suas convicções religiosas, é contra o aborto (uma reivindicação antiga dos movimentos sociais), mesmo em casos de estupro, direito esse que já é garantido pela legislação.

Para finalizar o jornal El País afirma que para líder da bancada governista na Câmara, Temer designou o deputado federal André Moura, que, embora católico, está filiado ao PSC, partido de maioria evangélica, presidido pelo pastor Everaldo Pereira, importante membro da Assembleia de Deus, e que abriga o pré-candidato à Presidência da República, o fascista deputado federal Jair Bolsonaro (RJ). Moura é autor da Proposta de Emenda Constitucional que diminui a idade penal de 18 para 16 anos – aprovada pela Câmara e em análise no Senado – e da proposta que criminaliza quem induzir ou instigar a gestante a praticar aborto e dificulta o aborto mesmo em casos de estupro. Moura é homem de total confiança do deputado afastado Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara, réu no Supremo Tribunal Federal (STF) em processo por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O líder do governo na Câmara também é réu em três ações penais no STF sob acusação de desvio de dinheiro público e é investigado em três outros inquéritos por suposta participação em uma tentativa de homicídio e no esquema de corrupção da Petrobras.

Confira abaixo a íntegra do editorial:

*Luiz Rufato

O PT flertou com os evangélicos ao longo dos mandatos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente afastada Dilma Rousseff. Não fosse o engajamento de pastores e bispos das igrejas pentecostais, provavelmente o partido não teria ganhado quatro eleições seguidas. E para garantir esse apoio, os petistas abriram mão de compromissos históricos, principalmente aqueles relacionados à luta pelos direitos das minorias (mulheres, homossexuais, negros e índios), concentrando esforços na melhoria das condições de vida da população pobre, também público-alvo dos pentecostais. De qualquer maneira, os governos Lula e Dilma, ainda que reféns dos evangélicos, mantiveram uma agenda propositiva no campo social.

No entanto, não bastasse a vexaminosa performance do presidente interino Michel Temer – dois ministros demitidos em apenas 19 dias, por envolvimento com denúncias de corrupção – é em seu governo que os religiosos vêm conquistando espaço inédito na história da República. Segundo registro na Câmara dos Deputados, a Frente Parlamentar Evangélica – que inclui católicos, protestantes e pentecostais - conta hoje com a participação de 199 membros (39% do total da Casa) e quatro senadores. O primeiro compromisso oficial de Michel Temer, como presidente interino, foi receber alguns membros da bancada evangélica, que o cumprimentaram e oraram por ele.

Temer nomeou para o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior o presidente do Partido Republicano Brasileiro (PRB), Marcos Pereira. Bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, Pereira é homem de confiança de Edir Macedo – foi diretor administrativo e financeiro da TV Record do Rio de Janeiro entre 1995 e 1999, e vice-presidente da Rede Record de Televisão, entre 2003 e 2009. A bancada do PRB conta com 19 deputados federais, entre eles, o controverso Celso Russomanno, pré-candidato à Prefeitura de São Paulo. A igreja de Edir Macedo elegeu sozinha sete deputados federais e um senador, Marcelo Crivella (RJ).

Para o Ministério do Trabalho, o presidente interino convidou o deputado federal pelo Rio Grande do Sul, Ronaldo Nogueira. Nogueira é pastor da Assembleia de Deus, igreja que possui a maior bancada entre os evangélicos - 19 membros da Câmara dos Deputados estão ligados a ela, além do senador Gladson Camelli (AC), que, embora não pertença aos quadros, elegeu-se com seu apoio. Os membros mais destacados da Assembleia de Deus são os deputados Marco Feliciano (PSC-SP), que em sua rápida passagem pela presidência da Comissão dos Direitos Humanos e Minorias, demonstrou toda a sua homofobia; e as deputadas Cantora Lauriete (PSC-ES), famosa por seu recente casamento com o também evangélico senador Magno Malta (PR-ES) – relação vista com maus olhos pelos seus pares já que ambos são divorciados - e Fátima Pelaes (PMDB-AP).

Fátima Pelaes foi nomeada por Michel Temer secretária de Políticas para as Mulheres, órgão subordinado ao Ministério da Justiça. Ela é investigada pela Justiça Federal por denúncias de envolvimento em um esquema que desviou 4 milhões de reais de verbas do Ministério do Turismo para capacitação de profissionais em seu estado. Além disso, ocupando uma pasta que tem como objetivo implementar políticas destinadas à mulher, Fátima já disse que, por conta de suas convicções religiosas, é contra o aborto (uma reivindicação antiga dos movimentos sociais), mesmo em casos de estupro, direito esse que já é garantido pela legislação.

Finalmente, para líder da bancada governista na Câmara, Temer designou o deputado federal André Moura, que, embora católico, está filiado ao PSC, partido de maioria evangélica, presidido pelo pastor Everaldo Pereira, importante membro da Assembleia de Deus, e que abriga o pré-candidato à Presidência da República, o fascista deputado federal Jair Bolsonaro (RJ). Moura é autor da Proposta de Emenda Constitucional que diminui a idade penal de 18 para 16 anos – aprovada pela Câmara e em análise no Senado – e da proposta que criminaliza quem “induzir ou instigar a gestante” a praticar aborto e dificulta o aborto mesmo em casos de estupro. Moura é homem de total confiança do deputado afastado Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara, réu no Supremo Tribunal Federal (STF) em processo por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O líder do governo na Câmara também é réu em três ações penais no STF sob acusação de desvio de dinheiro público e é investigado em três outros inquéritos por suposta participação em uma tentativa de homicídio e no esquema de corrupção da Petrobras.

O fundamentalismo evangélico – com seu moralismo hipócrita – conta com toda a simpatia do presidente interino Michel Temer. Corremos o risco de, com seu apoio, vermos ruir mesmo aquelas modestas paredes levantadas ao longo das três décadas da nossa débil democracia.

Fonte: El País e Jornal do Brasil