sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

OS 12 MAIORES ATRIBUTOS DA LIDERANÇA
Luiz Almeida Marins Filho, Ph.D. /  Anthropos Consulting


"Liderança" é um tema que vem sendo discutido desde os mais remotos tempos pelo homem. Ser líder, formar líderes, parece ser um desafio constante do homem e das organizações. Aqui vão alguns resultados de pesquisa feitas na Europa com mais de 500 executivos de todos os tipos de industria. Essa pesquisa é muito interessante. Ela mostra coisas simples, objetivas e fornece conselhos úteis para todos nós que desejamos vencer, alcançar o sucesso pessoal e profissional.
Espero que a leitura atenta destas descobertas e seus comentários possam trazer benefícios reais aos leitores.
DISPOSIÇÃO PARA TENTAR O QUE NÃO FOI TENTADO ANTES
Nenhum empregado deseja ser guiado por um administrador a
quem falte coragem e autoconfiança. É o estilo de liderança positiva aquele eu ousa nas tarefas e se vale de oportunidade não tentadas anteriormente.
Um Gerente de Vendas bem sucedido irá às ruas e venderá junto com seus vendedores quando o mercado está difícil ou quando o pessoal de vendas encontrar-se sob extrema pressão. Tal gerente sabe que se arrisca a tornar-se impopular. Contudo, ao liderar pelo exemplo, manterá a motivação da equipe.

AUTO MOTIVAÇÃO

O Gerente que não consegue se auto-motivar não tem a menor chance de ser capaz de motivar os outros.
UMA PERCEPÇÃO AGUDA DO QUE É JUSTO
Esta é uma grande qualidade de um líder eficaz e a fim de ter o respeito da equipe, o gerente deve ser sensível ao que é direito e justo. O estilo de liderança segundo o qual todos são tratados de forma justa e igual sempre cria uma sensação de segurança. Isso é extremamente construtivo e um grande fator de nivelamento.
PLANOS DEFINIDOS
O líder motivado sempre tem objetivos claros e definidos e planejou a realização de seus objetivos. Ele planeja o trabalho e depois trabalha o seu plano coma participação de seus subordinados.
PERSEVERANÇA NAS DECISÕES
O gerente que vacila no processo decisório mostra que não está certo de si mesmo, ao passo que um líder eficaz decide depois de ter feito suficientes considerações preliminares sobre o problema. Ele considera mesmo a possibilidade de a decisão que está sendo tomada vir a se revelar errada.

Muitas pessoas que tomam decisões erram algumas vezes. Entretanto, isto não diminui o respeito que os seguidores têm por elas. Sejamos realistas: um gerente pode tomar decisões certas, mas um líder eficaz decide e mostra sua convicção e crença na decisão ao manter-se fiel a ela, sabendo, no entanto, reconhecer quando erra. Assim, seu pessoal tem força para sustentar aquela decisão junto com o gerente.
O HÁBITO DE FAZER MAIS DO QUE AQUILO PELO QUAL SE É PAGO
Um dos ônus da liderança é a disposição para fazer mais do que é exigido do pessoal. O gerente que chega antes dos empregados e que deixa o serviço depois deles é um exemplo deste atributo de liderança.
UMA PERSONALIDADE POSITIVA
As pessoas respeitam tal qualidade. Ela inspira confiança e também constrói e mantém uma equipe com entusiasmo.
EMPATIA
O líder de sucesso deve possuir a capacidade de colocar-se no lugar de seu pessoal, de ser capaz de ver o mundo pelo lado das outras pessoas. Ele não precisa concordar com essa visão, mas deve ser capaz de entender como as pessoas se sentem e compreender seus pontos de vista.
DOMÍNIO DOS DETALHES
O líder bem sucedido entende e executa cada detalhe do seu trabalho e, é evidente, dispõe de conhecimento e habilidade para dominar as responsabilidades inerentes à sua posição.
DISPOSIÇÃO PARA ASSUMIR PLENA RESPONSABILIDADE
Outros ônus da liderança é assumir responsabilidade pelos erros de seus seguidores. Caso um subalterno cometa um erro, talvez por incompetência, o líder deve considerar que foi ele quem falhou. Se o líder tentar mudar a direção dessa responsabilidade, não continuará liderando e dará insegurança a seus seguidores. O clichê do líder é: "A
responsabilidade é minha".
DUPLICAÇÃO
O líder de sucesso está sempre procurando maneiras de espelhar suas habilidades em outras pessoas. Dessa forma ele faz os outros evoluírem e é capaz de "estar em muitos lugares diferentes ao mesmo tempo".
Talvez este seja um dos maiores atributos de um líder: ser capaz de desenvolver outros lideres. Pode-se julgar um líder pelo número de pessoas em que ele refletiu os seus talentos e fez evoluir.

    UMA PROFUNDA CRENÇA EM SEUS PRINCÍPIOS

A expressão "A menos que batalhemos por alguma causa, nos deixaremos levar por qualquer causa" resume bem a importância de ter-se uma causa pela qual valha a pena viver e trabalhar. Nada cuja aquisição tenha valor é muito fácil. O líder de sucesso tem a determinação de atingir objetivos não importando os obstáculos que surjam pelo caminho. Ele acredita no que está fazendo com a determinação de batalhar por sua realização.

Minha sugestão é a de que você leia uma, duas ou três vezes cada um desses atributos e medite cada um deles à luz de sua própria realidade como um profissional que tem a função de gerenciar, comandar, liderar pessoas. Detenha-se sobre cada um dos atributos e dê a você mesmo uma nota de zero a 10 em cada um deles, fazendo um propósito de auto–aperfeiçoamento. Repita essa auto-avaliação semanalmente.

7 atitudes do líder eficaz Liderança é, sem dúvida, o principal assunto do mundo atual dos negócios. Através da liderança as empresas realizam seus projetos, expandem seus negócios e conquistam clientes. Você sabe quais são as 7 atitudes de um líder eficaz?


Liderança é, sem dúvida, o principal assunto do mundo atual dos negócios. Através da liderança as empresas realizam seus projetos, expandem seus negócios e conquistam clientes.
Líderes eficazes tornam suas empresas também eficazes, competitivas, com profissionais de alto nível de comprometimento e resultados. Ao contrário, pessoas que ocupam cargos de liderança sem o devido preparo técnico e emocional, levarão a empresa ao fracasso. O tempo é um fator crucial, ainda mais nos tempos modernos de tamanha rapidez nos negócios. Portanto, líderes preparados geram crescimento para as empresas e a sociedade.
Sendo assim, preparei uma lista com sete atitudes para tornar o papel de liderança ainda mais poderoso. Certamente que a lista não é definitiva, mas um indicativo de atitudes que realmente podem fazer a diferença para o próprio gestor e, principalmente, para a equipe. Também não está organizada em forma de importância, sendo que todas elas em conjunto é que realmente terão efeito e não isoladamente. Através das atitudes abaixo os ocupantes de cargos de liderança, em qualquer tipo de organização, terão condições efetivas de alavancar a motivação da equipe, gerar maior produtividade, diminuir falhas, fidelizar clientes e tornar o negócio da empresa memorável.
Antes de iniciar a lista considero importante destacar que meu objetivo é apresentar ATITUDES para uma liderança eficaz, ou seja, ações efetivas. Nada meramente conceitual, mas prático. Faça e terá resultados.

7 ATITUDES DO LÍDER EFICAZ
1. Respeito. Não tinha como começar esta lista sem mencionar a importância desta atitude. O respeito é fundamental para a construção de um futuro promissor. Através de atitudes de respeito o líder consolida sua marca e garante o comprometimento dos seus liderados. Quando cito a atitude respeito, o faço de forma ampla. Não adianta a pessoa respeitar seus superiores ou até mesmo alguns de seus liderados e não fazer o mesmo com pessoas de níveis mais baixos, ou agir de modo desrespeitoso com outros de áreas ou atividades diferentes. Respeito inclusive se estende para a concorrência. Muito se vê desta atitude na própria forma de contratação de novos funcionários. Aquele que trata o possível colaborador com respeito durante o processo seletivo já garante que se ele for admitido terá uma visão positiva de sua chefia e, por consequência, sua admiração e respeito. A prática diária do respeito amplo e incondicional é que irá garantir a eficácia da liderança.
2. Feedback. Todo gestor deve aprimorar sua capacidade de dar e receber feedback. Apesar do assunto já ser amplamente divulgado ainda há uma grande maioria de pessoas ocupando cargos de liderança que não sabem como fazer de modo eficaz. Para ter algumas dicas importantes clique aqui. Não basta saber na teoria, tem que praticar. É capaz que aconteça erros. Faz parte. O mais importante é reconhecer e aprender. Saber também que cada um tem um jeito diferente de lidar com o feedback e que uma mesma pessoa pode reagir de modo diferente em momentos também diferentes. Por mais que tenhamos dicas e ensinamentos é a prática que irá garantir maturidade ao gestor para dar e receber feedback. Portanto, mãos a obra.
3. Disponibilidade. Uma das atitudes que vejo acontecer com muitas pessoas que ocupam cargo de liderança é não ter tempo para os outros. Um gestor que não tem tempo para conversar com seus funcionários, para ensinar, corrigir, acompanhar, instruir, cobrar, apoiar ou simplesmente bater papo, não consegue alcançar a coesão do grupo e muito menos os resultados desejados. Por mais complexo que seja, é preciso dedicar tempo aos outros. Não estou dizendo que tem que estar o tempo todo disponível, mas organizar-se para ter mais tempo com sua equipe e para si mesmo. Mais equilíbrio entre tarefa e relacionamento.
4. Delegar. Ah, quem nunca trabalhou com uma chefia que centralizava tudo? Um terror. Delegar significa confiar. Para confiar é preciso treinar, preparar os outros. Não é da noite para o dia que se conquista isso. É um trabalho lento e contínuo, mas extremamente poderoso. O líder que aprende verdadeiramente a delegar consegue realizar mais seu trabalho de gestor e, com isso, ganha tempo para preparar cada vez mais sua equipe e investir no seu próprio aprendizado. Portanto, observe sua forma de lidar com determinados assuntos. Você delega, delarga ou centraliza?
5. Justiça. Uma das atitudes que mais depõe contra um gestor é agir de modo parcial, ou seja, proteger alguns e "pegar no pé" de outros. A imparcialidade, ou o senso de justiça, é uma atitude extremamente valorizada pela equipe. Ninguém gosta de se sentir deixado de lado ou trabalhar em um grupo onde alguns são "os escolhidos". Um erro comum, e difícil de ser corrigido, é quando o gestor atribui mais tarefas (ou as mais complexas) para um ou outro membro da equipe, geralmente os mais produtivos, enquanto os outros ficam com menos atividades. Com o tempo esta ação irá desencadear desmotivação e até a perda destes talentos. Portanto, agir com justiça é tratar as singularidades, as diferenças, porém sem perder a equanimidade. Simples? Nem um pouco, pois exige mais do próximo item.
6. Auto-conhecimento. A célebre citação do Oráculo de Delfos - "conhece-te a ti mesmo" - reforça a importância milenar do auto-conhecimento. Quanto mais conhecemos nossas forças e fraquezas, melhor podemos nos preparar para agir de modo eficaz. O auto-conhecimento pode ser adquirido de diversas formas, mas o simples ato de avaliar seu dia a dia, analisando as decisões tomadas, a forma como lidou com cada situação e assim por diante, já garante um mínimo e auto-conhecimento. É fato que a ajuda de um profissional especializado (Psicólogo, Coach de Carreira, Psicoterapeuta, Mentor, etc.) tornará a tarefa mais fácil de efetiva. Muitas leituras sobre comportamento, liderança, gestão de equipes e assuntos afins também ajudam. Participar de eventos e fazer uma auto-crítica entre o que é apresentado e suas atitudes também constitui um modo de aprimorar o auto-conhecimento. Portanto, sobram formas de colocar esta atitude em prática, mas o fazer continua por sua conta.
7. Liderar. Fecho a lista de atitudes com uma que engloba diversas outras: liderar. A atitude de liderar compõe ensinar (instruir), comandar (sem centralizar), ter controle (sem exageros), assumir os riscos (tomar as decisões necessárias), tomar a dianteira (mostrar os caminhos), unir a equipe (extrair o melhor de cada um), criar inspiração (fazer com que todos se sintam importantes). Tem mais? Liderar é a própria atitude de liderança.
Diante disso deixo uma reflexão: você pratica estas atitudes no seu dia dia? Elas fazem parte do seu cotidiano? Deixe seu comentário, sua sugestão, sua opinião, sua crítica ou aquela atitude que você acredita deveria estar nesta lista. Grande abraço!



sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Entre mortos, porcos e demônios

Entre mortos, porcos e demônios


Vamos, preguemos o Evangelho em todos os valados.



por Armando Taranto Neto



Eles atravessaram o mar e foram para a região dos gerasenos. Quando Jesus desembarcou, um homem com um espírito imundo veio dos sepulcros ao seu encontro. Esse homem vivia nos sepulcros, e ninguém conseguia prendê-lo, nem mesmo com correntes; pois muitas vezes lhe haviam sido acorrentados pés e mãos, mas ele arrebentara as correntes e quebrara os ferros de seus pés. Ninguém era suficientemente forte para dominá-lo. Noite e dia ele andava gritando e cortando-se com pedras entre os sepulcros e nas colinas. Quando ele viu Jesus de longe, correu e prostrou-se diante dele, e gritou em alta voz: “Que queres comigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Rogo-te por Deus que não me atormentes!” Pois Jesus lhe tinha dito: “Saia deste homem, espírito imundo! “Então Jesus lhe perguntou: “Qual é o seu nome? ” “Meu nome é Legião”, respondeu ele, “porque somos muitos”.E implorava a Jesus, com insistência, que não os mandasse sair daquela região. Uma grande manada de porcos estava pastando numa colina próxima. Os demônios imploraram a Jesus: “Manda-nos para os porcos, para que entremos neles”.Ele lhes deu permissão, e os espíritos imundos saíram e entraram nos porcos. A manada de cerca de dois mil porcos atirou-se precipício abaixo, em direção ao mar, e nele se afogou. Os que cuidavam dos porcos fugiram e contaram esses fatos na cidade e nos campos, e o povo foi ver o que havia acontecido. Quando se aproximaram de Jesus, viram ali o homem que fora possesso da legião de demônios, assentado, vestido e em perfeito juízo; e ficaram com medo.
 (Mc 5.1-15)
Este é, de todos os Evangelhos, o texto mais explícito a respeito de uma possessão maligna. Entretanto, muito mais do que isto, nos ensina importantes lições.
A primeira delas é a facilidade com que o nosso amado Jesus, mesmo sendo judeu, transita por terrenos espiritualmente contaminados, para resgatar uma alma agonizante que fora feita prisioneira por milhares de demônios.
Um israelita não deveria se descuidar com a questão de tocar em coisas ou pessoas imundas, para não se contaminar, segundo a lei, e ficar impossibilitado de uma comunhão mais íntima com Jeová. Jesus, entende que, muito mais importante do que tomar a atitude correta de se afastar de um local potencialmente imundo, um cemitério, existe uma força descomunalmente maior em Seu ser que é praticar o “Bem”.
Ele, então, vai em resgate de um jovem homem que, possuído por espíritos imundos, vive nú, gritando e ferindo-se, completamente fora de sua razão, em meio aos sepulcros. A sociedade, como não tem uma solução libertadora para o homem atormentado lhe aplica um “remédio” atenuador, lhe acorrenta os pés e as mãos.
Infelizmente a casta maligna nele alojada desfaz seus grilhões ferindo-o ainda mais. Porém, ao perceberem a presença do Filho do Altíssimo os demônios caem de joelhos reconhecendo sua derrota.
Outra vez o Mestre de Nazaré transita pela dimensão espiritual maligna sem se contaminar e liberta o moribundo endemoniado. Jesus está dentro de um cemitério, rodeado de defuntos imundos, diante de milhares de espíritos imundos e para completar, segundo o texto, está rodeado de milhares de porcos, o animal mais imundo para os judeus. Estes, agora possuídos pelos demônios que saíram do rapaz se precipitam do abismo e morrem. Uma clara lição que, para o diabo, seres humanos feitos a imagem e semelhança de Deus e porcos estão no mesmo nível de consideração.
Olhando de fora deste episódio, percebemos como Nosso Senhor é capaz de ir mergulhando cada vez mais para nos resgatar no fundo do poço. Quando parece não haver mais esperança, e nos encontramos em uma posição que a “religião” não poderá nos resgatar, aparece a figura do Bom Samaritano, que com um largo sorriso nos lábios e de braços abertos nos acalanta, cura nossas feridas e nos carrega no colo.
Um Doutor da Lei, Sumo Sacerdote ou Levita jamais entrariam neste cemitério para resgatar o Gadareno. Não há limitações para o Nosso Senhor Jesus resgatar uma alma, seja onde for e com quem for.
Finalmente, após a libertação do Gadareno, que agora está sentado, feliz, vestido, consciente e conversando com o Senhor, aqueles que o haviam visto atormentado agora ficaram aterrorizados.
Ora, deveriam ter ficado aterrorizados antes, não agora! Pior ainda, quando chegam os proprietários dos porcos que se precipitaram no abismo, mandam Jesus embora de suas terras. Este é o exato quadro do mundo em que vivemos: Preferem conviver com os porcos e todas as imundícias que lhe são peculiares do que com a presença libertadora e transformadora de Jesus.
Vamos, preguemos o Evangelho em todos os valados, pois não é o lugar que nos contaminará, mas a nossa presença transformará o ambiente em que estivermos em nome de Jesus.

Quais são as diferenças entre Febre Chikungunya e a Dengue?

A Infectologista do Hospital e Maternidade São Cristóvão, Andreia Maruzo Perejão, esclarece as principais dúvidas sobre o assunto.


FONTE: GUIAME

(Foto: MSN)
(Foto: MSN)
Você sabe o que é a Febre Chikungunya? Facilmente confundida com a dengue, por ter sintomas muito parecidos, a doença é causada por um Arbovirus e teve seu primeiro registro em 1952 na África. Desde então, a patologia tem se proliferado por países da América Latina.
Para orientar a população e esclarecer as principais dúvidas sobre o assunto, a Infectologista do Hospital e Maternidade São Cristóvão, Andreia Maruzo Perejão, explica que a transmissão das duas doenças ocorrem pela picada dos mosquitos Aedes aegypti ou Aedes albopictus.
Segundo a profissional, entre 72% a 95% das pessoas infectadas apresentam febre alta repentina. “Além desse sintoma clássico, o paciente com Chikungunya também apresenta cefaleia, mialgia, manchas pelo corpo (exantema), conjuntivite, náuseas e vômitos e dores articulares debilitantes (poliartrite), sendo esse último sintoma o que mais a diferencia da dengue”, afirma a Dra. Andreia.
“Seu nome vem da língua Kinchonde e significa ‘homem que anda arqueado’ devido às fortes dores articulares” explica a infectologista. “Essa artrite ocorre mais em mãos e pés e pode persistir por meses ou anos, mas, raramente há complicações ou mortes”.
A médica explica que o diagnóstico se dá pela suspeita clínica e exames de sangue como sorologias, cultura viral ou RT PCR. A infectologista adverte: “O tratamento é sintomático, pois não há medicação especifica para o vírus, ou seja, tratamos os sintomas e orientamos o paciente a repousar, se alimentar e se hidratar bem para melhorar sua imunidade durante o ciclo do vírus”.
Para a prevenção da Chikungunya, deve-se manter os mesmos cuidados que se tem com a dengue. “É extremamente importante eliminar qualquer objeto que acumule água principalmente da chuva, pois podem ser criadouros do mosquito. Durante as epidemias também oriento o uso de repelentes”, diz a médica.
“O período de incubação do vírus leva de 2 a 10 dias, e na dengue o risco de evoluir para um quadro hemorrágico é maior”, finaliza.

Entenda porque São Paulo é um destino que supera as expectativas dos turistas

Pesquisa do MTur/Fipe mostra que a capital supera ou atende as expectativas de mais de 80% dos visitantes.


FONTE: GUIAME

A metrópole possui uma vasta rede gastronômica, com 15 mil restaurantes e 60 tipos de cozinhas diferentes. (Foto: Veja/ Raul Junior)
A metrópole possui uma vasta rede gastronômica, com 15 mil restaurantes e 60 tipos de cozinhas diferentes. (Foto: Veja/ Raul Junior)
A cidade de São Paulo é um destino que até mesmo supera as expectativas dos turistas. Foi o que disseram 81,7% dos visitantes da capital no ano de 2014, segundo o Estudo da Demanda Turística Internacional realizado pelo Ministério do Turismo (MTur), em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE).

Na avaliação dos visitantes, os itens que mais se destacam são a hospitalidade da cidade, que recebe 97,5% de aprovação, seguida da gastronomia e dos restaurantes (96,3%), da diversão noturna (95,9%) e do alojamento da capital (93,1%). 

De acordo com levantamento realizado pelo Observatório de Turismo e Eventos, núcleo de pesquisas e inteligência de mercado da São Paulo Turismo (SPTuris, empresa municipal de turismo e eventos), a metrópole possui uma vasta rede gastronômica, com 15 mil restaurantes e 60 tipos de cozinhas diferentes, incluindo pratos internacionais.

É na capital também que os visitantes encontram a melhor chefe de cozinha do mundo, Helena Rizzo, e o sétimo melhor restaurante do mundo, D.O.M, de acordo com publicação de 2014 da revista inglesa The Restaurant.

Já no quesito diversão noturna, a capital mantém serviços como, farmácias, restaurantes, padarias, cafés, supermercados, postos de gasolina, entre outros, funcionando 24 horas para atender às pessoas na madrugada.

Para aproveitar toda a cadeia de lazer, cultura e entretenimento, São Paulo oferece uma diversidade de alojamentos, expandindo a rede para meios alternativos, como o hostel. Dona do maior número de leitos do Brasil, a cidade possui, segundo o Observatório, 410 hotéis e 70 hostels disponíveis para os turistas. 

BOAS FESTAS Á TODOS !!


Nova regra da meia-entrada passa a valer a partir desta terça-feira

Uma das principais mudanças é que as empresas terão de colocar à venda, obrigatoriamente, um mínimo de 40% dos ingressos para estudantes, pessoas com deficiência e jovens cuja família tenha renda de até dois salários mínimos (R$ 1.576,00)...Fonte Guiame


A antiga carteirinha estudantil também sofrerá mudanças. (Foto: Reprodução)


A antiga carteirinha estudantil também sofrerá mudanças. (Foto: Reprodução)
A partir desta terça-feira, 1º de dezembro, entra em vigor a nova regulamentação da lei de desconto nas entradas, dois anos após ser sancionada. E agora, o que vai acontecer com os ingressos?
Uma das principais mudanças é que as empresas terão de colocar à venda, obrigatoriamente, um mínimo de 40% dos ingressos para estudantes, pessoas com deficiência e jovens cuja família tenha renda de até dois salários mínimos (R$ 1.576,00).
Além disso, os estabelecimentos deverão avisar, "de forma clara, precisa e ostensiva", o total de ingressos disponíveis para meia-entrada, tudo sob normas do Decreto nº 8.537.
Se essa informação não estiver clara, o beneficiário poderá exigir o pagamento da metade do preço, mesmo que a quantidade de 40% já tenha sido alcançada.
O Procon de São Paulo esclareceu ao UOL que a regra vale para todos os postos de vendas físicos ou virtuais, e a informação deve ser disponibilizada durante todo o período de venda. A fiscalização fica por conta do próprio Procon por todo o Brasil.
Carteirinha
A antiga carteirinha estudantil também sofrerá mudanças. A partir desta terça será aceita apenas a identificação emitida pela UNE (União Nacional dos Estudantes), Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas), entidades estaduais e municipais filiadas à UNE e à Ubes, DCEs (Diretórios Centrais dos Estudantes) e centros e diretórios acadêmicos de níveis médio e superior.
A tendência é que as carteirinhas se tornem um documento oficial e padronizado, com segurança física e digital.
Aqueles que compraram ingressos para eventos futuros e usou algum comprovante não válido dentro da nova regra, não deverá ter problemas.
Segundo o Procon-SP, "os meios de comprovação aceitos antes da vigência do decreto não podem ser recusados para acessos aos eventos". Quem tiver dificuldade na entrada, deve ligar 151 (Rio e SP) ou procurar órgãos de defesa do consumidor em seu estado. Veja lista dos telefones do Procon em todo o Brasil.

CGADB - Abertas as inscrições para a 7ª AGE em São Paulo


sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Número de demissões cai, mas taxa de desemprego continua crescendo

Isso acontece porque os empresários não estão contratando no Brasil. Em 12 meses, quase 20 milhões de trabalhadores perderam emprego


O número de demissões vem caindo nos últimos meses, mas a taxa de desemprego continua crescendo. Segundo os economistas, a explicação é que hoje as empresas não estão abrindo novas vagas como no passado.
Com a economia está muito menos dinâmica e os empresários não repõem os empregados que saem, nem abrem novas vagas e o ritmo das contratações diminuí ainda mais do que as demissões. É isso que explica o aumento no índice de desemprego.

“O empregador, primeiro ajusta que ele faz costuma ser reduzir as contratações, por dois motivos: ele quer manter a mão de obra treinada que ele investiu na empresa e ele tem um custo de demissão, dado que o mercado de trabalho hoje é bastante formal, comparativamente ao passado. Então, ele quer manter a mão de obra treinada e não quer incorrer nos custos trabalhistas das demissões”, diz o economista Fábio Romão.
Na época do pleno emprego, os trabalhadores eram disputados no mercado. O que estimulava a rotatividade. As demissões giravam na casa de 20 milhões ao ano, mas as contratações eram ainda maiores, reintegrando demitidos e criando vagas para quem entrava no mercado. Em fevereiro as curvas se cruzaram e o saldo de vagas ficou negativo.
Nos últimos 12 meses, quase 20 milhões de trabalhadores perderam o emprego, mas só 18,4 milhões foram contratados. Quase 1,4 milhão de vagas a menos.
“A percepção do empregado hoje é que existe uma oferta muito grande de pessoas no mercado, por isso eles próprios buscam se manter no emprego de uma maneira muito mais forte do que um ano atrás”, fala o diretor comercial Eduardo Varela.

Jogos de 2016 terão estrutura antiterror em todos locais de provas, diz general


Nas cidades-sede onde ocorrerão as partidas de futebol e nas áreas de provas olímpicas no Rio de Janeiro existirão os chamados Centros de Controle Tático Integrado (CCTI)


O chefe do Comando de Operações Especiais do Exército, general Mauro Sinott, apresentou nesta quinta-feira, 26, na Escola de Guerra Naval (EGN), no Rio, o planejamento de ações antiterror que será executado durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. O militar disse que em todos os locais de competições haverá uma estrutura especifica antiterror. Ele explicou que a distribuição de centros de enfrentamento ao terrorismo se dará a partir do Comando Conjunto de Prevenção e Combate ao Terrorismo, ligado ao Comando Militar do Leste, no Rio de Janeiro.
Nas cidades-sede onde ocorrerão as partidas de futebol e nas áreas de provas olímpicas no Rio de Janeiro existirão os chamados Centros de Controle Tático Integrado (CCTI). De acordo com o general Sinott, “toda a estrutura de força do Ministério da Defesa estará fracionada em cada local de competição, com condições para agir junto das forças de segurança pública em caráter de pronta resposta, o que é fundamental”.
 O militar disse ainda que a partir dessa estratégia todo o trabalho das Forças Armadas, especialmente no setor de Defesa Química, Bacteriológica, Radiológica e Nuclear, poderá ser aliada ao trabalho de segurança pública. O general Sinott ressaltou a importância do trabalho integrado que vem sendo desenvolvido pelos diversos órgãos de segurança.

“Conseguimos construir um ambiente de interação com todas as forças de segurança pública, num formato de integração total para podermos ter agilidade, não só nas ações de inteligência como também para o emprego da força, caso seja preciso”, afirmou.

O comandante de Operações Especiais do Exército falou também sobre o plano que será executado pelo Ministério da Defesa, em parceria com a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e o Ministério da Justiça, com a finalidade de capacitar pessoas envolvidas em diversas atividades durante os Jogos para que estejam alertas a situações suspeitas e denunciem.

“Nosso objetivo é atingir o máximo de pessoas para que elas estejam atentas ao papel preventivo de suma importância, que elas também terão nesse processo”. O general Sinott disse que nos próximos meses será iniciado o processo de sensibilização, que terá como foco pessoas que trabalharão nas Olimpíadas e que estarão em espaços com grande presença de público, como hotéis, bares, além daqueles que cuidam da parte de serviço, como taxistas e motoristas de ônibus.

As ações de enfrentamento ao terrorismo do Ministério da Defesa para os Jogos Rio 2016 foram apresentados durante um encontro internacional promovido pela Secretaria Extraordinária de Grandes Eventos do Ministério da Justiça, que reuniu durante três dias, na Escola de Guerra Naval, no Rio, representantes de mais de 70 países que participarão das competições no ano que vem.

Em visita à África, papa pede diálogo entre religiões


Após o encontro ecumênico, o papa Francisco celebrou uma missa no campus da Universidade de Nairóbi acompanhada por entre 200 mil pessoas
No segundo dia de sua viagem à África, o papa Francisco chamou a atenção para “as consequências catastróficas” de um fracasso nas negociações sobre o clima e defendeu o diálogo ecumênico como antídoto à intolerância.

Francisco fez as declarações em Nairóbi, capital do Quênia, país duramente atingido por ataques de milícias extremistas islâmicas.

Ontem, ele reuniu-se com dirigentes de outras religiões, incluindo vários representantes muçulmanos. “Com frequência, jovens são radicalizados, em nome da religião, para semear a discórdia e o medo e rasgar o tecido das nossas sociedades”, advertiu.

“Por isso, o diálogo ecumênico e inter-religioso não é algo adicional ou opcional, mas, sim, uma atitude essencial em um mundo ferido por conflitos e por divisões”, acrescentou.

Nos últimos dois anos, ao menos 400 pessoas morreram no Quênia em ataques da milícia radical Al Shabaab, ligada à Al Qaeda.

Missa
Após o encontro ecumênico, Francisco celebrou uma missa no campus da Universidade de Nairóbi que foi acompanhada por entre 200 mil e 300 mil pessoas, segundo estimativas feitas pela imprensa local.

Os fiéis, muitos dos quais chegaram ao local às 2 horas, apesar da chuva torrencial, receberam com danças e cantos o papa, que chegou à universidade no papamóvel. “Eles dançam com todos os músculos de seu corpo”, comentou o pontífice com seus assessores.

Dezenas de milhares de pessoas acompanharam a missa em telões gigantes instalados no parque Uhuru. Com aparência cansada, Francisco usava na cabeça uma mitra com motivos da etnia maasai bordada por religiosas da favela Kangemi.

No sermão, ele pediu que se lute contra práticas que favorecem a arrogância de homens que ferem ou desprezam as mulheres, que não se importam com os idosos e que “ameaçam a vida do inocente que ainda não nasceu”.

Francisco ressaltou ainda o papel da família, “especialmente importante hoje, quando testemunhamos o avanço de novos desertos criados por uma cultura de materialismo, egoísmo e indiferença”.

À tarde, o papa foi para a sede regional da ONU, onde fez, a três dias da Conferência de Paris sobre o Clima (COP21), um apelo vibrante pela luta contra o aquecimento global.

“Espero que a COP-21 leve à conclusão de um acordo global e transformador, com base nos princípios da solidariedade, da justiça, da equidade e da participação”, afirmou, diante dos funcionários dos programas das Nações Unidas para o Ambiente (Pnuma) e para os Assentamentos Humanos
(ONU-Habitat). 

ONU ataca governo e empresas por desastre ambiental


A ministra Izabella Teixeira (Meio Ambiente) afirmou que haverá monitoramento diário no rio Doce diante da chegada do período de chuvas

A ONU (Organização das Nações Unidas) classificou ontem como “claramente insuficientes” as medidas tomadas pelo governo brasileiro, a Vale e a anglo-australiana BHP para evitar os danos do rompimento da barragem em Mariana (MG).
“Não é aceitável que tenha demorado três semanas para que informações sobre os riscos tóxicos da catástrofe mineira tenham chegado à tona”, diz trecho do comunicado com declarações de dois relatores especiais da ONU, John Knox e Baskut Tuncak.

O rompimento da barragem da Samarco (presidida por Ricardo Vescovi e controlada por Vale e BHP) no dia 5 provocou um “tsunami de lama” - que também tinha rejeitos de uma mina da Vale (presidida por Murilo Ferreira).

Além da morte de peixes, os rejeitos levaram à interrupção do abastecimento de água em algumas cidades.

A mineradora foi obrigada pela Justiça a tomar medidas para atenuar os danos ambientais, como a instalação de boias de contenção.

No comunicado, os relatores da ONU citam a ameaça de a lama chegar ao parque de Abrolhos, no litoral da Bahia.

A ministra Izabella Teixeira (Meio Ambiente) afirmou que haverá monitoramento diário no rio Doce diante da chegada do período de chuvas. O trabalho será feito por embarcação da Marinha, que chega hoje à região.

“O acidente não terminou, está vivo ainda. Mariana é o desastre ambiental mais grave que o Brasil já teve e de impacto regional de proporções inimagináveis.” Para a ministra, é possível a recuperação do rio Doce, mas em um “compromisso de longo prazo”.

Licença
Ontem, um controverso projeto de lei proposto pelo governador de Minas, Fernando Pimentel (PT), que acelera a concessão de licenças ambientais a empresas de mineração, foi aprovado na Assembleia Legislativa.

A proposta dará, por exemplo, poderes ao secretário de Meio Ambiente para conceder licenças em casos “prioritários”. Ela também obrigará a instalação de alertas sonoros em comunidades que podem ser atingidas por barragens - a falta desses avisos foi alvo de críticas depois do desastre em Mariana.

Hoje, as licenças são concedidas por um conselho formado por representantes do governo e da sociedade civil. O projeto foi aprovado com 57 votos. Nove deputados votaram contra. Ele seguirá para sanção do governador. (Folhapress)

Números

57 foi o número de votos a favor do projeto que acelera licenças

5/9 foi o dia em que as barragens se romperam em Bento Rodrigues

Saiba mais


Técnica de ultrafiltragem
Uma tecnologia empregada em cenários de guerra pode ser a saída para restabelecer de maneira segura o abastecimento de água ao longo da bacia do rio Doce. Segundo especialistas, para que os municípios possam voltar a captar água sem preocupações com eventual contaminação pela lama, as técnicas de ultrafiltração e a uma conhecida como “superfiltros” podem ser a chave. No último dia 5, cerca de 40 bilhões de litros de lama foram derramadas após o rompimento de uma barragem com rejeitos da mineradora.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Quando bons líderes não agradam a Deus




Há ótimos líderes que unem o grupo, organizam muito bem as tarefas, animam seus liderados, são cativantes e até colocam-se como exemplo daquilo que querem que os outros façam, mas, preste atenção, nem sempre bons líderes agradam a Deus.
Não há dúvida, por exemplo, que havia liderança competente na enorme empreitada para a construção da Torre de Babel. Homens que souberam convencer o grupo a abandonar seu estilo de vida nômade e fixarem-se numa planície da terra de Sinar à revelia das ordens de Deus.
Deus já havia ordenado duas vezes que o gênero humano se espalhasse por toda a terra (Gn 1: 28 e Gn 9:7). A história está repleta de homens que se revelaram ótimos líderes, mas que usaram a liderança para sua autoglorificação: “Vamos! Tornemos nosso nome famoso”!
A Igreja também conheceu líderes que carregaram as ovelhas para trágicas armadilhas. Portanto, um líder ou um grupo de homens personalistas por detrás dos púlpitos e administrações eclesiásticas são a última coisa que poderíamos desejar de nossas lideranças.
Embora a palavra “motivação” nos dê a ideia daquilo que nos fundamenta, remetendo-nos à causa, à origem, à razão do que determina a direção e a intensidade de nossas atitudes, prefiro a palavra “entusiasmo” para tratar especificadamente do líder.
Na etimologia grega de “entusiasmo”, revela-se o radical “Teos”, “o transporte de Deus” para ser mais exato. Assim, uma pessoa entusiasmada é aquela em que Deus age dentro dela para leva-la a determinado fim.
Precisamos de líderes cristãos que sejam entusiasmados nesse sentido da palavra, pois líderes entusiasmados, isto é, carregados por Deus, motivam seus liderados!
Podemos, contudo, ser ótimos líderes, mas estarmos entusiasmados pelo “deus” errado: fama, dinheiro, sexo, poder, etc. Evidentemente, líderes idólatras motivarão erroneamente a Igreja, a família e o Governo.
Eu não quero ser um líder dentro da minha casa que ensine aos filhos o sucesso da autoglorificação. Nossas igrejas já estão cheias de pessoas assim e, por consequência, é esse tipo de líder que temos oferecido à vida pública do país.
Cabe aqui que nos questionemos sinceramente: “Qual é o “Deus” que me entusiasma”? A rebeldia e a autopromoção eram os deuses dos líderes na Torre de Babel. E é muito fácil nos enganarmos e enganarmos a Igreja repetindo chavões como “é para a glória de Deus”. Mas qual Deus?
Ensino 2: O líder que agrada a Deus é aquele que motiva as pessoas para que elas façam o que é certo!
Leia também o segundo artigo desta série: “Jesus é o líder perfeito”.

Abraão, um líder de fé




Um dos momentos mais difíceis para nós na aldeia foi quando nossa filha passou mal. Não havia barco para retornarmos à cidade e nem havia enfermeiro na aldeia. Foi uma noite apenas, mas foi tempo suficiente para que eu fosse moído por Deus.
Na época, minha filha tinha seis anos de idade. Era nossa primogênita. Teve febre alta e vomitou por várias vezes de madrugada. O que fazer nessas horas? Confiar. Crer que Deus dará algum jeito. O carinho e a preocupação do povo se expressavam na oferta deles em querer trazer o pajé para cuidar dela.
“Nós voltaremos”, disse Abraão aos seus servos. Subiram à montanha indicada por Deus na terra de Moriá, apenas ele e Isaque. A verdade é que ele não pedira a Deus por um filho. Por que, então, Deus estaria querendo toma-lo depois de tantos anos?
O chamado à salvação é individual, mas as bênçãos que procedem disso atingem as pessoas que vivem ao nosso redor. Da mesma forma, a direção dada pelo Espírito Santo ao Campo Missionário (se transcultural ou não) atingirá a família do missionário. O mesmo ocorrerá com qualquer um que almeja o “episcopado” ou um cargo público.
O fato é que absorvemos bem as lutas que enfrentamos, enquanto elas dizem respeito apenas a nós. Todavia, quando nossos filhos sofrem por causa da liderança que assumimos, aí nos é trazido à memória o fato de que somos feitos de um material muito frágil chamado barro.
Tento imaginar os pensamentos, as indagações, as lutas de Abraão naquela madrugada antes da viagem à terra de Moriá, diante do pedido de Deus de que seu filho, o herdeiro das promessas, fosse entregue em sacrifício.
Estar à frente e permanecer fiel a Deus quando não O compreendemos é uma obra que o ES faz em nosso caráter visando a dependência que precisamos ter de Deus.
Nem sempre Deus será claro em seus planos conosco. Nem sempre nossas orações serão prontamente atendidas. Nem sempre Deus responderá da maneira como gostaríamos de ser respondidos.
Líder não é aquele que se torna onisciente dos propósitos de Deus. Não carecemos de líderes que tenham todas as respostas. Não necessitamos de super-crentes. Não devemos correr atrás de projetos messiânicos e personalistas de poder e controle humanos.
Minha mãe foi quem me criou na ausência do meu pai, que falecera quando eu tinha apenas 9 anos. Ela não sabia de todas as coisas, mas ela sempre estava lá ao meu lado. Eu também não sabia o que poderia acontecer com minha filha, mas, quando ela abria os seus olhinhos, ela também sabia que eu estava ali ao lado dela.
Abraão não sabia como, mas sabia Quem! Deus havia feito uma promessa que, de alguma maneira, seria realizada. Abraão abria os olhos inundados de muitas lágrimas e, vendo a areia do deserto e as estrelas do céu, lembrava-se da promessa de uma numerosa descendência feita a ele, já há tantos anos, pelo próprio Deus.
Naquela noite, eu aprendi, junto com Abraão, uma dura lição que, até hoje, reaprendo-a diariamente. Ainda que eu não entenda o porquê das dores planejadas por Deus na minha vida; ainda que o apelo às minhas orações pareça falhar; mesmo que, depois de tudo, a alvorada não venha, eu sei que Deus é poderoso para nos ressuscitar na volta de Jesus!
Então creiamos que, ao final, retornaremos juntos das terras de Moriá.
Ensino 3: O líder é aquele que obedece a Deus, mesmo quando não entende os planos dEle.
Leia também o terceiro artigo desta série: “Quando bons líderes não agradam a Deus“.

4 dicas jurídicas preciosas para líderes eclesiásticos




Os tópicos a seguir abordam temas de legislação em relação às instituições religiosas.

I – BARULHO NO TEMPLO (LIMITE DO RUÍDO)

Inúmeras ações são ajuizadas contra instituições religiosas, sob a alegação de excesso de barulho, com perturbação do sossego público. Muitas dessas ações resultam em interdição dos templos, inquéritos policiais, ‘pesadas multas’ e, ainda, indenizações aos vizinhos.
Assim, deve-se saber qual o limite de ruído (som/volume) permitido. Isso porque, a fiscalização pode constatar eventual excesso de ruído por meio de aparelhos específicos, como o “Medidor de Nível de Pressão Sonora (MNPS)”, também chamado de decibelímetro.
Na cidade de São Paulo, para o período compreendido entre as 07h e 22h, o limite de ruído é de 80 dB (decibéis) (Lei Municipal de São Paulo, nº 2651/2007, artigo 64, parágrafo único, inciso II). Cada cidade possui sua respectiva legislação, como um limite previsto.
No entanto, a NBR 10.151 (Associação Brasileira de Normas Técnicas) fixa o limite de 55dB (entre 07h e 22h). Como se vê, é abaixo daquele limite determinado pela legislação da Cidade de São Paulo (80dB).
Em tais casos, quando o limite da legislação municipal é maior, recomenda-se que as instituições aleguem, como defesa, que a Resolução nº 1/90, item V, do Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA, determina que cabe ao Município legislar sobre as condições de sossego e bem-estar público, no que tange à emissão de níveis sonoros.
Assim, não estaria o templo religioso limitado à NBR 10.151 e, sim, ao limite imposto pelo município.
Cumpre alertar que, o ruído excessivo é tratado na “Lei de Contravenções Penais”, no “Código de Trânsito Brasileiro” e em normas municipais, como o “Programa de Silêncio Urbano – PSIU, em São Paulo/SP”. Além disso, o excesso de ruído pode se enquadrar na “Lei de crimes Ambientais”, gerando autos de infração de grande monta.

II – REDES SOCIAIS E CONSEQUÊNCIAS JURÍDICAS

A rede social tem sido uma ferramenta importante para a divulgação das mensagens religiosas. Contudo, recomenda-se cautela quanto ao teor do que se compartilha.
O Código Civil, em seu artigo 927, estabelece que aquele que causar dano a outrem, por ato ilícito, deve repara o dano, ou seja, indenizar a vítima.
O que vem a ser dano? Dano é uma expressão extremamente vaga. Sendo dano material, basta comprovar o fato. Por outro lado, o dano moral é subjetivo, exigindo a interpretação do judiciário. Em muitos casos, pessoas hipersensíveis utilizam-se de ação judicial, requerendo indenização, por meros aborrecimentos, não conseguindo alcançar êxito.
De qualquer forma, recomenda-se que se evite ofender a honra e a imagem das pessoas. Além disso, até mesmo compartilhar informações ou notícias pode comprometer o internauta.
Vale lembra que calúnia, injúria e difamação constituem crime, previsto no código penal.

III – IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DAS INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS

A Constituição Federal proíbe que o Poder Público institua impostos sobre templos de qualquer culto (artigo 150, VI, a e b). Havendo cobrança, pode a instituição apresentar defesa.
São exemplos de cobranças tributárias que, frequentemente, são julgadas ilegais: a) renda proveniente de aluguéis de propriedade das entidades, sendo o valor destinado às finalidades sociais; b) cobrança de IPTU sobre os imóveis das entidades que são imunes por lei; c) cobrança de ICMS sobre mercadorias destinadas ao trabalho assistencial, religioso ou filantrópico; e d) cobrança de impostos aduaneiros sobre equipamentos destinados à finalidade social das entidades.
Para tanto, a instituição deve estar regularizada, inclusive, quanto a todos os seus documentos contábeis.

IV – RELIGIÃO E PODER JUDICIÁRIO

O conselho dos mais experientes é que, se possível, prefira a via amigável para resolver conflitos. Evite utilizar-se do Judiciário por caprichos e mesquinharias. Tenha certeza de que os juízes têm milhões de casos gravíssimos e urgentes para resolver.
Enfatize-que, não se está falando de obrigações contratuais ou trabalhistas entre religiosos. Tais relações fogem do assunto religioso. O que não se recomenda é levar ao Judiciário problemas oriundos da convivência entre fiéis. Fique bem claro!
Aliás, a ordem bíblia parece ser bastante contrária a acionar o Judiciário por questões entre religiosos. Transcreve-se abaixo o trecho da Primeira Carta do Apóstolo São Paulo aos Coríntios (capítulo 6):
(…) “Quando algum de vocês tem uma queixa contra um irmão na fé, como se atreve a pedir justiça a juízes pagãos, em vez de pedir ao povo de Deus que resolva o caso? Será que vocês não sabem que o povo de Deus julgará o mundo? Então, se vocês vão julgar o mundo, será que não são capazes de julgar essas coisas pequenas?”.
Por fim, trata-se, apenas, de um resumo, haja vista que há outras legislações pertinentes, abordadas em palestras e seminários específicos.