domingo, 27 de setembro de 2020

Ator Orlando Brown diz que igreja o ajudou a se recuperar do vício em drogas

A estrela de ‘That’s So Raven’ do Disney Channel testemunhou na Igreja Rise como encontrou esperança após lutar contra o vício.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO GOD TV

O ator Orlando Brown na série Disney Channel, "That’s So Raven". (Foto: Reprodução / GOD TV)

O ator e rapper Orlando Brown, popularmente conhecido por seu papel como Eddie Thomas na série do Disney Channel "That’s So Raven", teve uma luta pública contra o vício em drogas e a saúde mental.

A batalha de Brown contra as drogas chegou às manchetes em fevereiro de 2016, quando ele foi preso em Torrance, Califórnia.

“Eu passei por muitas [substâncias]. Experimentei metanfetamina cristal, erva daninha. Eu não sabia o que estava fazendo. Eu era viciado em internet. Todos os tipos de coisas”, disse ele sobre sua batalha contra o vício.

Foram alguns anos difíceis para a estrela de 32 anos. Recentemente, Deus providenciou um meio para sua cura por meio da Igreja Rise em Abilene, Texas.

“Minha noiva me contou sobre este lugar e quando eu vim foi incrível”, disse ele. “Eu tive uma explosão. Esses irmãos me aceitaram como eu sou.”


Orlando Brown durante seu testemunho na Igreja Rise, no Texas. (Foto: Reprodução / Twitter)

Na segunda-feira (21), ele revelou que está ansioso para se formar no Rise Discipleship, um programa de recuperação hospitalar gratuito de 6 meses para homens que lutam contra o vício e outros problemas de controle de vida.

“Ajudamos não apenas aqueles que lutam contra as drogas e o álcool, mas também aqueles que lutam contra a depressão, a ansiedade e os pensamentos suicidas. Cada aluno do RISE receberá uma base bíblica que ajudará na construção do caráter e no desenvolvimento da liderança para abordar a vida sob uma nova luz”, explica o site Rise Discipleship.

Testemunho

Em um recente evento de arrecadação de fundos transmitido no Facebook Live, Brown testemunhou sobre sua atual jornada de recuperação. Jubal Elrod, um líder da igreja, disse durante o evento que o ator foi um líder enquanto esteve nas instalações.

"Ele está completamente mudado. Ele começou assim na terceira semana, acertou como um homem. Agora ele está liderando as aulas. Ele está realmente supervisionando a disciplina e ensinando outros irmãos como superá-la. Estou muito orgulhoso de você, cara, orgulhoso de você Orlando”, disse Jubal.

“Este é apenas o começo para Orlando Brown. Deus tem grandes planos para ele. Só Jesus pode fazer algo assim”, disse seu discipulador, Pr. Rey Sandoval.

Oração


O ator de "That’s So Raven" também enfatizou que a oração era uma parte importante de sua jornada para a cura.

“A oração é tão essencial, especialmente em casos como esses, em que temos um monte de homens saindo da rua e estão fazendo seu trabalho para mudar”, disse Brown.

Brown disse ao The Christian Post que, embora não esteja pronto para fazer entrevistas extensas sobre o assunto, ele se forma no programa em novembro.

“Foi definitivamente um ótimo processo.” ele disse: "Posso dizer que estou bem. Eu estou vivo. Eu estava em uma posição insegura e tem sido instável, mas no final do dia tudo que posso dizer é que estou bem, estou me formando e vou me casar.”

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Alexandre Garcia defende termo ‘cristofobia’ e cita 260 milhões de cristãos perseguidos

Jornalista explicou o termo ‘cristofobia’ usado pelo presidente Jair Bolsonaro em seu discurso virtual na ONU.


FONTE: GUIAME

Alexandre Garcia, no quadro “Liberdade de Opinião” da CNN Brasil. (Foto: Reprodução / YouTube)

O jornalista Alexandre Garcia disse, no quadro “Liberdade de opinião” da CNN Brasil, que discorda da imprensa que rechaça o termo ‘cristofobia’ utilizado pelo presidente Jair Bolsonaro em seu discurso virtual na 75ª Assembleia-Geral das Nações Unidas feito na manhã desta terça-feira (22).

O comentarista disse que Bolsonaro, ao citar o termo ‘cristofobia’, não falou do Brasil, e leu o trecho do discurso: “Faço um apelo a toda comunidade internacional pela liberdade religiosa e pelo combate à cristofobia”.

Garcia disse que Bolsonaro se referiu ao mundo e citou casos recentes de ataques a cristãos e a seus objetos religiosos e de cultos. “A gente lembra ali no Chile estavam queimando igrejas, faz pouco tempo”, apontou.

“A gente vê ataques em escolas na Nigéria, e em outros países africanos, aqueles grupos jihad e islâmicos”, disse.

O jornalista lembrou que também existem outros preconceitos, como contra os muçulmanos e religiões de matriz africana: “Tem ‘islamofobia’ também, tem na França, no Reino Unido, na Alemanha. Aqui no Brasil, há preconceito contra religiões de matriz africana”.

Ele disse que no Brasil tem também outro tipo de ataque, feito a símbolos religiosos, que são inclusive protegidos pela Constituição. Ele falou sobre casos de pessoas fazendo “coisas horríveis com crucifixo” e com imagens da fé católica nas ruas.

260 milhões de perseguições no mundo

Citando a ONG Portas Abertas, o jornalista mostrou dados que apontam 260 milhões de perseguições a religiões cristãs em 2019 em todo o mundo: “[Cristãos] severamente perseguidos em 50 países – católicos, ortodoxos, batistas, protestantes, evangélicos, pentecostais”.

Garcia citou amigos sírios cristãos que torcem pelo Bashar [Al-Assad, presidente da Síria] porque dá a eles liberdade religiosa, pois caso entre um “regime muçulmano eles vão ser destruídos”.

“A gente vê proibição na China, na Coreia do Norte, na Índia, no Paquistão, no Irã, no Afeganistão. Olha quantas igrejas, templos e escolas foram atacados no ano passado: 9.488. Escolas de missionários na África, em que entram com facão, cortando a mão, cortando o braço, pegando mulheres, crianças por serem cristãos”, disse.

O jornalista citou países africanos onde a perseguição é mais intensa, como Líbia, Nigéria, Eritreia, Sudão, Iêmen e Somália. “Por isso que o presidente do Brasil se preocupou”, concluiu.

terça-feira, 22 de setembro de 2020

Igreja arrecada frutas e verduras para salvar animais do Pantanal

Membros de uma Igreja Adventista em Cuiabá arrecadaram mais de 400 quilos de frutas e verduras para alimentar animais atingidos pelas queimadas no Pantanal.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DAS NOTÍCIAS ADVENTISTAS

Voluntários da Igreja Adventista exibem itens arrecadados. (Foto: Divulgação)

As queimadas que já consumiram mais de 2,9 milhões de hectares no Pantanal podem também destruir a vida de milhares de animais na região. Pelo menos 500 espécies de aves, mais de 100 espécies de répteis, 132 espécies de mamíferos e 20 mil onças-pintadas vivem no bioma.

Segundo o Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo), mais de 15% do Pantanal foi consumido pelas chamas, o equivalente a quase 10 vezes as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro juntas.

Diante da extensão da destruição, uma igreja de Cuiabá, no Mato Grosso, decidiu agir em favor dos animais. A Igreja Adventista do Porto arrecadou mais de 400 quilos de frutas e verduras no sábado passado, 12 de setembro.

“Através de parcerias, coletamos frutas e verduras que seriam descartadas por estarem impróprias para o consumo humano, e doamos para o É o Bicho MT, um grupo de protetores voluntários e defensores da causa animal que está atuando no Pantanal”, explica Paulo de Tarso, coordenador do clube de Desbravadores e Aventureiros, um programa voltado para crianças.

Para a bióloga Andréia Franceschetto, a doação revela o envolvimento da igreja nas ações em prol do Pantanal. “Quanto mais alimentos conseguirmos, mais animais serão ajudados. Ter o apoio dos Desbravadores nos mostra que estamos no caminho certo”, afirma.

Frutas e verduras ajudam serão utilizadas em locais estratégicos para atender aos animais (Foto: Divulgação)

As doações foram levadas para o Pantanal ainda no sábado. “Entregamos uma parte dos alimentos no Posto de Atendimento a Animais Silvestres do Pantanal (PAEAS Pantanal) e distribuímos a outra parte pela Rodovia Transpantaneira”, explica a bióloga.

A campanha continua ativa e as contribuições acontecem de diversas formas. “Com a previsão de estiagem até outubro, continuaremos precisando de doações e da mobilização social, seja através da localização de parceiros que queiram contribuir – como o mercado do bairro, feiras e feirantes que possam doar frutas e verduras, ou apenas divulgando as ações para que mais pessoas conheçam. Além, claro, de se informar sobre tudo o que está acontecendo aqui. Afinal, o Pantanal é um bioma muito importante, não apenas para Mato Grosso”, orienta Andréia.

Tarso também incentiva a população a apoiar o resgate dos animais doando utensílios e medicamentos veterinários, conforme a lista disponível no site do Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV-MT) ou pela vaquinha virtual organizada pela ONG Ampara Silvestre.

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Homem coloca Bíblia em sua porta e furação não atinge casa: ‘Deus abriu o mar e abençoou’

A casa de John Rabur estava à beira de uma inundação, quando ele decidiu pegar a Bíblia e clamar a Deus.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA FOX NEWS

John Rabur é morador do Alabama, uma das regiões afetadas pelo furacão Sally nos EUA. (Foto: FOX10 News)

A passagem do furacão Sally nos Estados Unidos provocou mortes e destruição nesta quarta-feira (16) no Alabama, onde casas foram atingidas por fortes inundações.

Na região de Fish River, um rio localizado no sudoeste do Condado de Baldwin, um morador testemunhou a proteção de Deus através de um ato de fé.

A casa de John Rabur estava à beira de uma inundação, quando o Fish River começou a encher. “Em cerca de cinco horas, subiu 1 metro e meio e foi quando começamos a ficar preocupados com o que estava acontecendo”, disse John à FOX10 News

John achou que a pior parte do furacão Sally já havia passado, mas a tempestade ainda não tinha acabado. Depois de proteger sua casa, a oração se tornou sua próxima linha de defesa.

“Enquanto eu estava sentado, pensei 'o Senhor foi capaz de abrir o Mar Vermelho'. Então peguei minha Bíblia e coloquei na parte debaixo, na base da minha porta. Eu pensei que Ele poderia parar o Mar Vermelho, se Ele escolhesse, e Ele nos abençoou”, disse John.

Em imagens captadas pelo drone da FOX10 News, é possível ver a piscina da casa de John tomada por lama. A água da enchente subiu e alcançou a área externa da residência, mas o morador afirma que Deus estava olhando por sua casa. Nenhuma gota de água entrou nela.

Imagem aérea da casa de John Rabur em uma das regiões afetadas pelo furacão Sally nos EUA. (Foto: FOX10 News)

“Ficamos completamente gratos e abençoados, obrigado Jesus por aquele dia”, destaca John.

sábado, 19 de setembro de 2020

“Por que você está matando cristãos?”, perguntou Trump ao presidente da Nigéria

Muhammadu Buhari revelou a repórteres no início do mês que o presidente americano o questionou sobre a crescente morte de cristãos nigerianos.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO ETERNITY NEWS

O presidente Donald Trump com o presidente da Nigéria Muhammadu Buhari no Salão Oval da Casa Branca em Washington, em 30 de abril de 2018. (Foto: Kevin Lamarque / Reuters)

Em entrevista concedida em 8 de setembro em Abuja, capital da Nigéria, no Retiro de Avaliação de Desempenho Ministerial do primeiro ano de seu segundo mandato, o presidente Muhammadu Buhari disse que durante sua visita à Casa Branca em abril de 2018 o presidente Trump perguntou em particular por que ele estava matando cristãos.

"Quando eu estava em seu escritório, apenas eu e ele, apenas Deus é minha testemunha, ele me olhou na cara, perguntou: 'por que você está matando cristãos?'"

O presidente Buhari disse que ficou perplexo com a pergunta, informou o jornal Punch. “Eu me pergunto, se fosse com você, como você reagiria? Espero que o que eu estava sentindo por dentro não tenha traído minha emoção, então disse a ele que o problema era entre os pecuaristas e os fazendeiros estagnados...”.

Em uma chamada à imprensa em junho patrocinada pela ONG In Defense of Christians, com sede em Washington, o ex-congressista americano Frank Wolf chamou a campanha contra os cristãos no Cinturão Médio da Nigéria como um "genocídio" deliberado. A Nigéria estava se tornando o "maior campo de matança de cristãos no mundo".

Um relatório divulgado no mês passado pela Organização Internacional para a Construção da Paz e Justiça Social, o Comitê Internacional da Nigéria e o Grupo Parlamentar de Todos os Partidos para a Liberdade Religiosa Internacional ou Crença afirma que Boko Haram, Al Qaeda, pastores Fulani e outros grupos islâmicos são os responsáveis pelas mortes de mais de 96.000 cristãos em 21.000 ataques separados.

Eles descobriram que 43.242 cristãos foram mortos por Boko Haram, Estado Islâmico e Al Qaeda; 18.834 morreram em ataques Fulani e 34.233 de outros grupos armados.

O arcebispo Benjamin Kwashi de Jos, secretário-geral do GAFCON (uma rede conservadora de anglicanos) disse na imprensa de junho que as mortes foram “sistemáticas; é planejado; é calculado. "

Ele disse que o objetivo do Boko Haram era expulsar os cristãos do Cinturão do Norte e do Meio e "islamizar a Nigéria".

No entanto, o governo do presidente Buhari estava ignorando o problema, disse o arcebispo Kwashi.

“Cada vez que levantamos nossas vozes para dizer aos governos que isso está acontecendo, eles sempre produziram uma narrativa política para dizer que são confrontos de agricultores e pastores. Essa narrativa é uma narrativa maligna de encobrimento porque pessoas honestas estarão dormindo em suas casas à noite que serão massacradas, mas será dito que será um confronto. Isso está longe de ser verdade”, disse o arcebispo. "Essas mortes ocorrem especificamente em aldeias cristãs."

Presidente nega genocídio

O presidente Buhari negou na terça-feira (8/09) que houvesse qualquer campanha deliberada de assassinato ou limpeza religiosa do Norte. O problema era a mudança climática.

“Com a mudança climática e o crescimento populacional e a cultura dos pecuaristas, se você tem 50 vacas e elas comem capim, qualquer raiz, até o seu ponto de água, então eles vão seguir. Não importa de quem seja a fazenda."

“O conjunto de liderança da Primeira República foi a liderança mais responsável que já tivemos. Pedi ao Ministro da Agricultura para obter um diário do início dos anos 60 que delineava a rota do gado, onde eles usavam os escassos recursos para construir represas de terra, moinhos de vento e até mesmo departamentos sanitários."

“Então, qualquer criador de gado que permitisse que seu gado fosse para a fazenda de alguém seria preso e levado ao tribunal. O fazendeiro seria chamado para apresentar sua conta e se não pudesse pagar, o gado seria vendido, mas os líderes subsequentes, as (pessoas muito importantes) invadiram as rotas do gado. Eles ocuparam as áreas de criação de gado."

“Então, eu tentei e expliquei ao (presidente Trump) que isso não tem nada a ver com etnia ou religião. É uma coisa cultural."

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Igreja evangélica de Anápolis processa o Instagram e consegue vitória na justiça

O perfil @ipbanapolis foi banido após, supostamente, descumprir regra de utilização da rede social.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CONTEXTO E PORTAL6

Fachada da Igreja Presbiteriana Central de Anápolis. (Foto: Reprodução / Portal6)

A Igreja Presbiteriana Central de Anápolis conseguiu que o Instagram devolvesse e republicasse o conteúdo do perfil, excluído após ser denunciado por violação das políticas de uso da plataforma.

A decisão liminar, datada de 13 de setembro, é da juíza Laryssa de Moraes Camargos, da 6ª Vara Cível, que deu prazo de 48h para rede social e fixou multa diária de R$ 5 mil em caso de descumprimento.

Segundo a petição, o perfil @ipbanapolis foi banido após, supostamente, descumprir regra de utilização, apesar de a violação não ser informada aos administradores da página.

Na decisão, a juíza destacou que os serviços prestados pelo Instagram são de interesse coletivo e que a rede social não pode banir usuários sem um devido procedimento e explicação.

A titular da 6ª Vara Cível também ponderou que o fato de o Instagram ser uma empresa estrangeira, pertencente ao Facebook, com sede nos Estados Unidos, não interfere na decisão.

“A requerida deve obedecer a Constituição Brasileira, que assegura o livre exercício dos cultos religiosos, que atualmente não são realizados apenas presencialmente, mas também pelas redes sociais, bem como assegura a liberdade de expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”.

Segundo Arinilson Gonçalves Mariano, advogado da Igreja Presbiteriana Central de Anápolis, “na decisão a juíza ressalta a importância da igreja, que é tradicional na cidade”. E usa um termo legal: “que o bloqueio significa a ‘morte virtual’ da instituição”.

terça-feira, 15 de setembro de 2020

Ateus entram com ação para suspender construção de Museu da Bíblia em Brasília

A ação civil foi em parte acolhida pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal, que agora exige explicações do governo do DF sobre a construção do Museu.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO METRÓPOLES / GAZETA DO POVO

Com coautoria de Oscar Niemeyer e seu bisneto, Paulo Sérgio Niemeyer, o projeto arquitetônico do Museu da Bíblia expõe a aparência do local que deve receber cerca de 100 mil visitantes anualmente, em Brasília. (Imagem: reprodução / Instituto Niemeyer)

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) acolheu em parte a ação civil pública impetrada pela Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (Atea) e agora está exigindo que o Governo do Distrito Federal (GDF) justifique a decisão de construir o Museu da Bíblia no canteiro central do Eixo Monumental, próximo ao Setor Sudoeste de Brasília.

A ação da Atea questiona o uso de recursos públicos e ainda a doação de um terreno de 10 mil metros quadrados para o monumento.

“É uma afronta ao povo do Distrito Federal e ao povo brasileiro que sejam destinadas vultuosas quantias de dinheiro público, além de um terreno, para atender interesses privados de segmentos religiosos e que possui poder e influência junto ao GDF e ao Congresso Nacional”, diz o texto da ação apresentada pela Atea.

“Com R$ 80 milhões [total de emendas parlamentares que estimam-se serem destinadas à obra], o GDF poderia construir milhares de casas populares, postos de saúde, hospitais, creches e etc, atendendo toda a população, não apenas os ‘fiéis’ de determinadas crenças religiosas, ainda que majoritárias no espectro brasileiro, ressaltando que não é papel do Estado construir monumentos religiosos, em razão de manifesta vedação constitucional”, acrescentou o texto da ação.

Suspensão das obras

A Atea está solicitando uma liminar que suspenda as obras de construção do Museu e todos os procedimentos administrativos e licitatórios da construção do Museu da Bíblia. A ação ainda pede que seja aplicada uma uma multa diária de R$ 80 mil, o equivalente a 0,1% do valor estimado da obra.

Segundo o juiz Paulo Afonso Cavichioli Carmona, da 7ª Vara de Fazenda Pública de Brasília, que acolheu em parte a ação da Atea, antes de atender a todas as exigências da Associação, ele quer ouvir os acusados.

“Tendo em vista a natureza e importância da controvérsia posta nesta ação civil pública, tenho por bem ouvir os réus antes de apreciar a providência liminar requerida pela parte autora. Desse modo, notifiquem-se os réus para que tomem ciência desta decisão e prestem as informações pertinentes, no prazo de 05 (cinco) dias”, escreveu.

Cavichioli também pediu que o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) se manifeste no mesmo prazo.

“Com ou sem as informações, venham os autos imediatamente conclusos para análise do pedido de tutela de urgência”, acrescentou.

A Procuradoria-Geral do Distrito Federal (PGDF) confirmou que já foi notificada pela Justiça sobre o pedido.

Contexto


A arquitetura do Museu da Bíblia se inspira em uma ideia de 1987, desenvolvida por Oscar Niemeyer. O renomado arquiteto que desenhou a cidade de Brasília, elaborou ao final dos anos 80, croquis e um estudo preliminar para o projeto chamado “Memorial da Bíblia”, destinado à cidade. Sendo assim, o projeto ganhou, através da lei nº 900/1995, o direito a um terreno de 15 mil m² no Eixo Monumental.

Os croquis de Niemeyer ganharam mais corpo pelas mãos de seu bisneto, o arquiteto Paulo Sérgio Niemeyer, que é presidente do Instituto Niemeyer e coautor do projeto. Ele é o responsável pelo detalhamento dos projetos básico e executivo, que possibilitam a execução da obra.

“O Museu da Bíblia é uma síntese de um trabalho do Oscar Niemeyer em termos de arquitetura e de estrutura”, disse Paulo Niemeyer, em entrevista exclusiva à HAUS. “Como ele mesmo descreve no croqui original, ele queria que [a construção] surgisse do chão como algo que viesse da natureza”.

Em 2019, o governador Ibaneis Rocha retomou a ideia do projeto e assinou, em outubro, um termo de compromisso para aplicar recursos de emendas parlamentares na construção do memorial.

Sendo esta uma das questões levantadas pela ação da Atea, os recursos parlamentares a serem destinados à obra foram negociados pelo presidente da Frente Parlamentar Evangélica, deputado federal Silas Câmara (PRB), com a ajuda do deputado Julio César (PRB). A Sociedade Bíblica do Brasil assumirá a gestão do museu após a inauguração.

“Essa é uma obra direcionada para os cristãos”, assinalou Câmara.

De acordo com o governo do DF, cada parlamentar deve destinar, aproximadamente, R$ 500 mil por ano ao longo do projeto. A estimativa é que o edifício custe até R$ 60 milhões e fique pronto em 2022.

Após sua inauguração, o museu deve receber 100 mil visitantes ao ano. O projeto de criação e a autorização do uso do terreno foi recebido pela Câmara Legislativa em junho de 1995.

sábado, 12 de setembro de 2020

Luiz Fux é o primeiro judeu a ocupar a presidência do STF

 O ministro desempenhará o papel de chefe do Poder Judiciário no biênio 2020-2022.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO R7 E STF

O ministro Luiz Fux assume a presidência do Supremo Tribunal Federal. (Foto: Reprodução / Nelson Jr./SCO/STF)

Luiz Fux é o primeiro ministro com ascendência judaica a assumir a presidência do Supremo Tribunal Federal (STF). Na corte desde 2011, ele desempenhará o papel de chefe do Poder Judiciário no biênio 2020-2022. A ministra Rosa Weber assumiu a vice-presidência.

Filho de judeus exilados pela perseguição nazista, Fux está com 67 anos, e assume como o 48º presidente da Suprema Corte brasileira.

Na posse, que aconteceu na tarde desta quinta-feira (10), estiveram presentes as principais autoridades dos três Poderes. Os presidentes da Câmara dos deputados, Rodrigo Maia e do Senado, Davi Alcolumbre.

O presidente da República, Jair Bolsonaro também esteve na posse.

Fux lembrou que “nós juízes do STF somos os guardiões da Constituição Federal”. O presidente empossado disse que a Corte deve “assegurar aos brasileiros o exercício de suas liberdades e igualdade, valores fundamentais de uma sociedade fraterna, pluralista e despida de preconceitos”.

Em seu discurso, o ministro lembrou seus antepassados" dizimados no campo de concentração".

O procurador-geral da República, Augusto Aras, cumprimentou Fux com expressão judaica “Shalom alechem”, que significa “paz sobre vós”.

Fux se comprometeu com a proteção dos direitos humanos, com a segurança jurídica e com o combate à corrupção e ao crime organizado, entre outras ações. O ministro criticou a judicialização excessiva, dizendo que julgar muito não significa julgar bem.

quinta-feira, 10 de setembro de 2020

Número de cristãos mortos na Nigéria é preocupante

Personalidades do país se unem em campanha para que o governo se mobilize pelo fim da violência


Rose e seus filhos, perderam o marido - e pai - após ataque de Fulanis, que aproveitam o lockdown no país para atacar, 
saquear e matar cristãos nigerianos (portas abertas)

As mortes no estado de Kaduna, na Nigéria, precisam de uma resolução do governo. Um número de nigerianos importantes na mídia e indústria das artes pediu pelo fim da violência. A campanha “Parem com as mortes no Sudeste de Kaduna” compreende uma série de vídeos curtos, estrelando atrizes, músicos e cineastas.

Um dos artistas, o cantor nigeriano Joel Amadi, perdeu o pai em um ataque na vila de Zikpak, em 24 de julho, que presume-se ser de responsabilidade de militantes fulanis. Ao menos 10 pessoas foram mortas, incluindo um pastor, além de tentarem incendiar uma igreja. “Eu sou vítima das mortes em Kaduna. Quero que o mundo todo ouça a minha voz. Desejo paz e que a unidade reine”, disse Amadi em um vídeo.

No dia 9 de agosto, cristãos vestidos de preto de diferentes denominações se reuniram em uma igreja em Kaduna, capital do estado, para protestar contra a violência permanente. De acordo com números da Portas Abertas, os ataques fulanis no Cinturão Médio, na Nigéria, já tiraram a vida de pelo menos 3.507 cristãos entre janeiro de 2016 e junho de 2020.

A causa da crise

A crise é parcialmente causada por fatores socioeconômicos. O aumento da desertificação tem levado os pastores de cabra fulanis, que são nômades étnicos, para o Sul, intensificando a pressão por recursos já escassos. O conflito, entretanto, também é usado por radicais fulanis para o avanço do islamismo, preenchido por um fluxo de professores extremistas islâmicos da Arábia Saudita e Irã. O grupo experimenta ondas de radicalização nas quais a conquista da terra é justificada pela expansão da religião.

Grupos islâmicos encontram oportunidade nessas condições. Nas últimas semanas, um grupo afiliado da Al-Qaeda, chamado Vanguarda para a Proteção dos Muçulmanos na África Negra (Ansaru, da sigla em inglês), alegou estar por trás de um ataque recente no estado de Kaduna. “Enquanto a violência étnica e a bandidagem continuarem a se expandir pela Nigéria, é provável que o Ansaru tente explorar o caos para ressurgir”, afirmou o Long War Journal.

Leve ajuda a cristãos nigerianos
“Há muitos relatos preocupantes de negligência deliberada, ou pior, cumplicidade, das Forças Armadas Nigerianas nesses ataques mortais contra comunidades agrícolas cristãs. Sua inércia permite que a violência continue impune e também que agressores tirem as vidas dos mais vulneráveis na comunidade, como idosos, mulheres e crianças”, disse Jo Newhouse, porta-voz da Portas Abertas na África Subsaariana.

Por meio de parceiros locais, a Portas Abertas leva ajuda emergencial em forma de alimentos, roupas, cobertores e suporte médico a cristãos em nove locais na Nigéria e na África Subsaariana. Para saber mais sobre este projeto e ser a resposta a estes cristãos acesse a Campanha Assistência para Salvar Vidas na Nigéria.

terça-feira, 8 de setembro de 2020

“Somos uma nação temente a Deus e que respeita a família”, diz Bolsonaro no 7 de Setembro

Em um pronunciamento oficial de 7 de Setembro, o presidente Jair Bolsonaro destacou as lutas do Brasil para conquistar e também para manter sua independência.


FONTE: GUIAME

Jair Bolsonaro fez pronunciamento oficial pela TV, celebrando o Dia da Independência do Brasil. (Imagem: TV Brasil / Reprodução)

Na última segunda-feira, 7 de Setembro, o presidente Jair Bolsonaro fez um breve pronunciamento, celebrando o Dia da Independência do Brasil e destacando as lutas que o país travou contra o nazismo e fascismo na Europa, mas também contra o comunismo em seu próprio território.

“No século XX, durante a II Guerra Mundial, a Força Expedicionária Brasileira foi à Europa para ajudar o mundo a derrotar o nazismo e o fascismo”, comentou.

“Nos anos 60, quando a sombra do comunismo nos ameaçou, milhões de brasileiros, identificados com os anseios nacionais de preservação das instituições democráticas, foram às ruas contra um país tomado pela radicalização ideológica, greves, desordem social e corrupção generalizada”, acrescentou.

Em suas palavras proferidas em cerca de quatro minutos, Bolsonaro destacou a riqueza cultural do país — fruto da grande miscigenação entre raças ao longo de seus mais de 500 anos.

“A identidade nacional começou a ser desenhada com a miscigenação entre índios, brancos e negros. Posteriormente, ondas de imigrantes se sucederam, trazendo esperanças que em suas terras haviam perdido. Religiões, crenças, comportamentos e visões eram assimilados e respeitados”, disse ele.

O presidente celebrou o crescimento do país, não apenas em território, mas também seu avanço em caráter diplomático.

“Passados quase dois séculos da Independência, nos quais enfrentou e superou inúmeros desafios, o Brasil consolidou sua posição no concerto das nações”, acrescentou.

País temente a Deus

Ao final de seu discurso o presidente destacou como positivo a fé do povo brasileiro em Deus, seu patriotismo e seu desejo expresso de defender os Direitos da Família.

“Somos uma Nação temente a Deus, que respeita a família e que ama a sua Pátria. Orgulho de ser brasileiro”, finalizou.

Clique no vídeo acima para conferir o pronunciamento de Bolsonaro na íntegra:

Desfile

O presidente Jair Bolsonaro participou junto à sua esposa, Michelle Bolsonaro, do desfile oficial de 7 Setembro, em Brasília (DF), acompanhando a solenidades, como o hasteamento da bandeira nacional, o hino nacional entoado e também à apresentação da Esquadrilha da Fumaça.

Assim como o presidente, os ministros do Governo Federal, enviaram mensagens oficiais em vídeo, que foram também veiculadas durante o desfile pela TV Brasil.

sábado, 5 de setembro de 2020

“Só Jesus poderia mudar o terrível pecador que fui”, diz um dos mais ricos das Filipinas

O bilionário filipino Henry Sy Jr. foi tocado por Deus e deixou para trás uma vida de pecado. Hoje ele reconhece que as riquezas não podem salvá-lo, somente Jesus.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO GOD TV

O bilionário Henry Sy Jr. contou testemunho na igreja Christ's Commission Fellowship. (Foto: CCF Center)

O bilionário Henry Sy Jr., de 67 anos, contou seu testemunho de conversão ao cristianismo no último domingo (30) durante a celebração online do aniversário da Christ's Commission Fellowship, igreja na qual é membro nas Filipinas.

Henry Sy Jr. é co-vice-presidente da SM Investments, um grande conglomerado fundado por seu falecido pai, Henry Sy — que foi considerado o mais rico das Filipinas por 11 anos consecutivos e 52º colocado na lista dos Bilionários do Mundo pela Forbes, em 2018.

Em um vídeo de quatro minutos, Sy disse que a busca desenfreada pelo aumento dos negócios o levou para uma vida de pecado, mas a pandemia da Covid-19 o fez refletir sobre algumas questões e o aproximou de Deus.

“Fomos treinados desde cedo para ganhar dinheiro e ser os melhores nos negócios”, disse Sy. “Eventualmente, nossa empresa familiar cresceu mais e mais, até se tornar um dos maiores conglomerados nas Filipinas. Junto com esses sucessos vieram todos os vícios e estilos de vida pecaminosos que eu achava que eram normais para um cara como eu”.

Sy tentava justificar seu comportamento, pensando que desde que não cometesse “pecados graves”, como assassinato ou estupro, ainda seria salvo e aceito no Reino de Deus.

“Eu não tinha nem me dado conta do conceito de inferno e julgamento eterno, pois eu pensava que enquanto eu não estuprar, matar ou cometer pecados graves, enquanto eu achar que sou uma pessoa boa, Deus vai entender e me deixar entrar em Seu Reino”, disse.

No entanto, um versículo da Bíblia fez o bilionário perceber que seu patrimônio líquido de US$ 2,2 bilhões não poderia salvá-lo, somente Deus. O texto que o fez refletir está em Marcos 8:36, que diz: “Que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?”

“Só Jesus poderia mudar minha vida do terrível pecador que eu fui”, acrescentou. “Por meio dos estudos bíblicos semanais, eu aprendi que só posso salvar a minha alma pela graça de Deus. Isso não pode ser conquistado ou merecido”.

O bilionário se arrependeu de seus pecados e entregou sua vida a Cristo. Sua mudança atraiu sua família a um relacionamento mais profundo com Deus e hoje ele encoraja outras pessoas a caminharem com Jesus.

“Eu percebi que meu estilo de vida pecaminoso só pode ser perdoado e curado por Cristo, nosso Salvador, por meio de Sua morte e pelo derramamento de Seu sangue. Deus me ajudou a me arrepender e aceitar Seu precioso presente de perdão, e eu entreguei minha vida a Jesus”, disse Sy.

quinta-feira, 3 de setembro de 2020

Igreja é multada em mais de US$ 50 mil por cultos e pastor responde: “Não vamos fechar”

O pastor Jack Trieber afirmou que não há motivo para sua igreja ser multada, pois todos os fiéis respeitam as medidas de segurança contra a pandemia.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN HEAD LINES

Pastor Jack Trieber lidera a North Valley Baptist Church, na Califórnia, que foi multada após cristãos cantarem em culto. (Imagem: Youtube / Reprodução)

O pastor de uma grande igreja da Califórnia disse na última terça-feira (1º), que sua congregação não vai parar de se reunir para cultos presenciais, apesar das multas aplicadas à comunidade, que ultrapassam 50.000 dólares

Jack Trieber, pastor da Igreja Batista North Valley em Santa Clara, Califórnia, disse em um novo vídeo na página da igreja no Facebook que o condado de Santa Clara postou um pedido adicional nas portas da igreja esta semana e está multando a congregação em US $ 5.000 por cada serviço. O vídeo inclui uma captura de tela do pedido.

“Eles aumentaram essa coisa”, disse Trieber.

Os regulamentos de saúde da cidade e do condado proíbem a igreja de se reunir ou até mesmo cantar dentro do templo ou das casas (estudos bíblicos).

O condado anteriormente deu à igreja uma ordem de cessar e desistir dos cultos presenciais, alegando que a congregação não estava se distanciando socialmente durante as celebrações. Trieber, porém, disse que a congregação está seguindo o distanciamento social, conforme mostrou no vídeo.

No total, a congregação foi multada em US$ 52.750.

A ordem do condado chama de "reunião interna ilegal." Também diz que os participantes não usam máscaras.

Trieber implorou ao condado para suspender as multas. Ele também pediu orações e apoio aos americanos.

Ele leu na Declaração de Direitos: “O Congresso não fará nenhuma lei [respeitando] o estabelecimento da religião ou proibindo o seu livre exercício”, disse ele.

“Se não pararmos aqui, isso vai se espalhar por todos os Estados Unidos da América”, disse ele. “O governo não pode tirar nossa liberdade. Vocês não podem controlar o nosso direito de nos reunir”.

A ordem declara: “Se você não corrigir imediatamente as violações, o condado poderá tomar medidas legais adicionais contra você, incluindo processo civil ou criminal, com penalidades, taxas e custos adicionais resultantes”.

Trieber chamou as ações do condado de "assédio".

“Prestamos a César o que é de César e a Deus por meio de nossos dízimos e ofertas, que pertencem a Ele”, disse ele.

Dirigindo-se ao condado, Trieber disse: “Não vamos fechar esta igreja. Eu espero que vocês recebam esta mensagem. Não sei quais serão as consequências da sua parte. Eu sei que a América não quer que isso aconteça em seu país e nesta igreja. Deus abençoe a América. Obrigado por suas orações. Obrigado pelo seu encorajamento".

É a segunda vez que Trieber grava um vídeo para o público durante a pandemia. Em agosto, ele disse que o fechamento de igrejas pelo Estado teve um impacto negativo sobre a população.

“Estou encarregado da saúde espiritual das pessoas desta região”, disse ele no vídeo de agosto dentro do prédio da igreja. “... E embora a saúde [física] seja de extrema importância, a saúde espiritual é suprema. E porque fomos bloqueados como igrejas, o suicídio aumentou, a violência doméstica aumentou, o vício em drogas aumentou, o número de sem-teto aumentou, o alcoolismo aumentou. Precisamos voltar a adorar a Deus. Recebi a ordem de adorar a Deus”.

segunda-feira, 31 de agosto de 2020

FBI investiga possível conspiração turca para assassinar o pastor Andrew Brunson

Pastor americano Andrew Brunson foi preso na Turquia por dois anos sob falsas acusações de terrorismo.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN TODAY

Pastor Andrew Brunson falou sobre intolerância religiosa na Turquia no Capitólio dos EUA. (Foto: Christian Post)

O FBI está investigando um possível plano para assassinar o pastor americano Andrew Brunson, que foi preso na Turquia por dois anos sob acusações de terrorismo

Brunson foi libertado e autorizado a retornar aos Estados Unidos em outubro de 2018, depois que a Turquia sofreu intensa pressão diplomática do governo de Donald Trump. Ele servia como pastor de uma igreja em Esmirna no momento de sua prisão.

Um chefe da máfia turca, Serkan Kurtuluş, alegou que foi convidado pelo governo da Turquia para assassinar o pastor. Ele fez a surpreendente afirmação um mês após sua prisão na Argentina em junho, relata a organização International Christian Concern (ICC).

Kurtuluş alegou que membros do partido político AKP, vinculado ao presidente Recep Erdogan, o abordaram para assassinar Brunson com o objetivo de culpar o movimento Gülen, uma comunidade islâmica na Turquia.

Brunson foi acusado pela Turquia de ligações com o movimento Gülen, que leva o nome de seu líder, o clérigo Fethullah Gülen.

A Turquia está tentando fazer com que Kurtuluş seja extraditado da Argentina para ser julgado pelo suposto fornecimento de armas de fogo ilegais na Síria e pela morte de um piloto russo em 2015. 

Embora Kurtuluş tenha pedido asilo na Argentina, o FBI teria pedido ao país para questioná-lo sobre suas declarações a respeito de Brunson. A Argentina ainda não respondeu ao pedido da agência americana, segundo a ICC.

“Muitos consideram a prisão de Brunson como uma tentativa da Turquia de forçar os EUA a extraditar Gülen”, disse a ICC. “Sua prisão mostra como os cristãos na Turquia são frequentemente usados ​​para manobras políticas pelas autoridades, que não têm consideração pela liberdade religiosa.

A organização cristã concluiu: “Quer a afirmação de Kurtuluş seja verdadeira ou não, isso mostra como a abordagem das autoridades turcas em relação aos cristãos pode ser integrada à mentalidade social”.

sexta-feira, 28 de agosto de 2020

Furacão Laura causa mortes e destruição de igrejas nos EUA

A tempestade foi um dos furacões mais fortes que já atingiu o solo americano.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO K-8

Igreja destruída com a passagem do furacão Laura, em Lake City (EUA). (Foto: Reprodução / Twitter)

Alternando entre tempestade e depressão tropical, o furacão Laura deixou estragos em diversas áreas de estados americanos. Os meteorologistas avisam que fortes chuvas e tornados devem chegar à região do Vale do Tennessee nesta sexta-feira (28).

A tempestade, que foi um dos furacões mais fortes que já atingiu os Estados Unidos, causou a morte de seis pessoas e deixou uma grande destruição. “É claro que não sustentamos e nem sofremos os danos catastróficos que pensávamos serem prováveis”, disse o governador da Louisiana, John Bel Edwards, na quinta-feira (27). “Mas sofremos uma quantidade enorme de danos.”


Furacão Laura danifica igreja em Lake Charles (EUA). (Foto: Bill Feig / AP)

Laura deixou mais de 700.000 casas e empresas sem energia no Texas e na Louisiana, enquanto mais de 45.000 perderam eletricidade no Arkansas. A tempestade atingiu Lake Charles, Louisiana, de maneira particularmente forte, fazendo com que edifícios desabassem parcialmente, estourando janelas, dividindo árvores ao meio e derrubando aviões no aeroporto local.

IGREJAS DESTRUÍDAS 

Várias casas e a Igreja Batista Refúgio em Lake City foram danificadas pelo furacão Laura quando a tempestade atingiu o estado.

O telhado foi arrancado em alguns lugares. Uma van da Igreja está sob os destroços. O centro da vida familiar foi derrubado. O pastor, que mora ao lado da Igreja Batista Refúgio, afirmou que todos estão bem.

Os avisos de tornado para a área começaram por volta das 18h00 da quinta-feira (27) e passou bem na madrugada.

O resgate de Jonesboro também respondeu ao chamado na noite de quinta-feira, devido a uma árvore no topo de uma casa com pessoas dentro. Não houve informações sobre feridos.

Uma família disse ao Region 8 News que eles conseguiram chegar ao porão antes que a lateral e os fundos da casa fossem severamente danificados. A família conseguiu sair sem ferimentos.

Transformadores também explodiram, com linhas de força interrompidas em Sedgwick, disse o Serviço Meteorológico Nacional.

Danos menores também foram relatados nos condados de Woodruff e Jackson.

quarta-feira, 26 de agosto de 2020

Jogador glorifica a Deus em vitória na Champions League: “Minha força está em Jesus”

David Alaba, defesa do Bayern de Munique, celebrou o título da Champions League expressando a sua fé cristã.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO EVANGELICAL FOCUS

David Alaba festeja o título da Champions League com uma camisa com a mensagem. (Foto: Reprodução / Twitter David Alaba)

O jogador austríaco-nigeriano David Alaba, do Bayern de Munique, expressou abertamente sua confiança em Cristo ao comemorar o título da da Champions League.

O clube alemão de futebol acaba de ganhar a final do mais importante campeonato europeu frente ao francês Paris Saint-Germain (0-1). A final foi na noite de 23 de agosto de 2020, em Lisboa.

Enquanto os jogadores comemoravam em campo e na frente de milhões de telespectadores (o estádio estava vazio devido às restrições de segurança da Covid-19), Alaba tirou a camisa oficial de seu time e vestiu uma camiseta branca com a mensagem “Minha força está em Jesus”, escrito em grandes letras pretas.


Equipe do Bayern de Munique comemora vitória na Champions League, Lisboa. (Foto: Reprodução / Twitter Champions of Europe)

Atrás, outra mensagem dizia “A vida dos negros ainda importa”. No final da noite, ele postou uma mensagem em seus perfis de mídia social, dizendo: “Tudo é possível pelo poder do Espírito Santo! Campeões da Europa!”

Alaba joga pelo Bayern de Munique há mais de uma década e venceu neste período duas edições da Champions League, nove Ligas Alemãs e 1 Copa do Mundo de Clubes.

David nasceu na Áustria e joga pela seleção nacional, mas seu pai é nigeriano e sua mãe, filipina.

Ele sempre expressou sua fé cristã em público. “Minha força está em Jesus” é um lema que ele usou em várias ocasiões, um exemplo é este tuíte durante o campeonato Euro 2016, onde citou Filipenses 2:4 – “Que cada um de vocês não olhe apenas para os seus próprios interesses, mas também para os interesses de outros”.

Após o jogo final no domingo, Alaba foi visto confortando a estrela do Paris Saint-Germain Neymar, que também se identifica como um cristão.

segunda-feira, 24 de agosto de 2020

O que fazem aos cristãos no Oriente Médio é “criminoso”, diz Donald Trump

O presidente dos EUA condenou a perseguição aos cristãos no Oriente Médio e disse que o acordo entre Israel e Emirados Árabes pode ajudar a mudar o contexto.

FONTE: GUIAME

Presidente dos EUA, Donald Trump, em coletiva de imprensa na Casa Branca. (Foto: Evan Vucci/AP)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que irá ajudar os cristãos perseguidos no Oriente Médio ao ser questionado sobre o acordo de paz histórico entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, durante uma coletiva de imprensa na semana passada.

Trump disse que o acordo entre os dois países “é um grande começo” pelo avanço da liberdade religiosa no Oriente Médio.

“Os cristãos foram perseguidos por alguns países, em particular no Oriente Médio. E acho que é um grande começo. Vai ser um começo muito forte, um começo muito poderoso”, disse o presidente em 13 de agosto.

Trump disse que conversou sobre a situação dos cristãos perseguidos com o embaixador dos EUA em Israel, David Friedman, e outros diplomatas envolvidos no acordo. “Se você olhar para a forma como os cristãos têm sido tratados em alguns países, vai além do vergonhoso”, disse.

O presidente americano afirmou ainda que, se tivesse “informações e provas absolutas”, ele iria punir estes países. “Algumas das histórias que ouvimos não são fáceis”, observou.

“O que eles fazem aos cristãos no Oriente Médio é vergonhoso. É uma vergonha”, destacou Trump.

Ele acrescentou que a liberdade religiosa é “uma parte importante da negociação geral” e elogiou os Emirados Árabes em relação ao tema.

“Por exemplo, os Emirados Árabes Unidos concordaram fortemente em nos representar. Acho que eles lidam muito bem no que diz respeito ao cristianismo, porque no Oriente Médio [o cristianismo] não é bem tratado. É tratado de forma horrível e muito injusta, é criminoso o que tem acontecido — e isso por muitos e muitos anos”, disse Trump. “Eu acho que é uma situação muito injusta”.

sexta-feira, 21 de agosto de 2020

Bíblia completa já foi traduzida em 700 idiomas

Agora cerca de 5,7 bilhões de pessoas têm a Bíblia inteira em sua língua materna.


Fonte: Guiame, Com informações do Evangelho Digital

Tradução da Bíblia completa chega a 700 idiomas. 
(Foto: United Bible Societies)

Entre pouco mais de 7.000 línguas que existem no mundo, a tradução completa da Bíblia atingiu 700 idiomas pela primeira vez. Pouco mais de 5,7 bilhões de pessoas (cerca de 80% da população mundial) agora têm a Bíblia inteira em sua língua materna.

Esse marco foi divulgado em agosto de 2020 pelo site Progress.Bible, que coleta dados de agências de tradução da Bíblia em todo o mundo, incluindo as Sociedades Bíblicas Unidas (SBU), que forneceram três quartos das traduções da Bíblia em todo o mundo.

Somente nos últimos cinco anos, a SBU completou as primeiras traduções da Bíblia completa em 50 idiomas. Isso significa que mais de 57 milhões de pessoas podem acessar toda a Palavra de Deus em sua língua materna.

De acordo com dados do Progress.Bible, o número de línguas que possuem a Bíblia completa quase dobrou nos últimos 30 anos (de 351 idiomas em 1990 para 700 idiomas em 2020). O marco de 600 idiomas foi alcançado há apenas 7 anos, em 2013, demonstrando o incrível avanço que está sendo feito na tradução da Bíblia atualmente.

“É muito encorajador ver 700 idiomas com a Bíblia completa”, afirma o CEO da SBU, Michael Perreau. “Este é o fruto de gerações de sacrifício e generosidade. Cada tradução da Bíblia leva anos de trabalho duro e dedicação. Agradecemos a Deus pelos homens e mulheres que passaram tanto tempo de suas vidas levando a Palavra de Deus às suas comunidades e àqueles que apoiaram e oraram por este trabalho”.

Perreau alerta, no entanto, que ainda há muito trabalho pela frente: 1,5 bilhão de pessoas ainda não têm acesso à Bíblia completa em seu idioma. “Nas próximas duas décadas, nosso objetivo nas Sociedades Bíblicas Unidas é completar 1.200 traduções, o que tornará as Escrituras acessíveis a 600 milhões de pessoas”.

Bíblias digitais

Além disso, a Biblioteca Bíblica Digital, criada para permitir que centenas de milhões de pessoas acessem as Escrituras por meio de sites e aplicativos, recentemente atingiu a marca de 2.500 textos em 1.622 idiomas, usados ​​por mais de 5,7 bilhões de pessoas.

“2020 acabou sendo um ano de grandes incertezas, no qual muitos estão buscando esperança e confiança”, disse Perreau. “É ainda mais importante que as pessoas possam acessar as Escrituras na língua que mais toca seu coração. Minha oração é que, em meio aos muitos desafios que o mundo enfrenta, este seja o ano em que outros milhões descobrirão as riquezas da Bíblia”.

quarta-feira, 19 de agosto de 2020

Após Emirados Árabes, Sudão também quer acordo de paz com Israel

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Sudão, Haidar Badawi Sadiq,                                                         confirmou que o Sudão está buscando um acordo com Israel.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA CBN NEWS

Sudaneses celebram a deposição do então presidente Omar al-Bashir em 2019, após 30 anos no poder. (Foto: Associated Press)
Sudaneses celebram a deposição do então presidente Omar al-Bashir em 2019, após 30 anos no poder. (Foto: Associated Press)

Poucos dias depois que os Emirados Árabes Unidos anunciaram seu tratado histórico com Israel, o Sudão também expressou interesse em assinar um acordo de paz com o Estado Judeu.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Sudão, Haidar Badawi Sadiq, disse na última terça-feira (18), que seu país está conduzindo negociações de paz com Israel e que "não há necessidade de que a inimizade continue".

"Israel e o Sudão vão ganhar com um acordo de paz", disse Sadiq à Sky News em árabe. Ele disse que o novo tratado de paz entre os Emirados Árabes Unidos e Israel abriu caminho para que mais países árabes estabeleçam relações diplomáticas com Israel.

“Analisamos um acordo desse tipo por meio dos interesses do Sudão, sem sacrificar nossos valores e princípios”, disse Sadiq.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, vem sugerindo relações com o Sudão há meses. Em fevereiro, o primeiro-ministro fez uma viagem histórica a Cartum (capital do país africano) para discutir a normalização dos laços.

Netanyahu disse na terça-feira que Israel dará as boas-vindas a um tratado de paz com o Sudão.

“Israel, Sudão e toda a região se beneficiarão do acordo de paz e serão capazes de construir juntos um futuro melhor para todos os povos da região. Faremos o que for necessário para transformar essa visão em realidade”, disse ele.

Um funcionário do governo sudanês disse à Associated Press que Jerusalém e Cartum realizaram deliberações nos últimos meses com a ajuda do Egito, dos Emirados Árabes Unidos e dos Estados Unidos.

"É uma questão de tempo. Estamos finalizando tudo. A ação dos Emirados Árabes nos encorajou e ajudou a acalmar algumas vozes dentro do governo que temiam uma reação do público sudanês”, disse ele, falando sob condição de anonimato.

Contexto

O Sudão, um país de maioria muçulmana, é historicamente inimigo de Israel e entrou em guerra contra o Estado Judeu durante a Guerra da Independência de Israel em 1948. O Sudão também se juntou aos exércitos árabes na luta contra Israel durante a Guerra dos Seis Dias em 1967.

Hoje, o frágil país está trabalhando para estabelecer a democracia depois que uma revolta popular levou os militares sudaneses a derrubarem o ex-presidente Omar al-Bashir em 2019. O país agora é governado por um governo militar-civil com possibilidade de eleições no final de 2022.

O ministro israelense das Relações Exteriores, Gabi Ashkenazi, disse que o anúncio do Sudão "destaca a mudança fundamental que está ocorrendo no Oriente Médio em geral, e no Sudão em particular."

“Em um futuro próximo, continuaremos discutindo a melhoria das relações até estarmos em condições de assinar um acordo de paz que respeite os interesses de ambos os países”, disse Ashkenazi.

Os líderes palestinos condenaram o Sudão por buscar a paz com Israel.

“Onde está o povo revolucionário do Sudão?”, perguntou o oficial sênior da Organização para a Libertação da Palestina, Hanan Ashrawi.

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, também pediu aos países árabes que não normalizem os laços com Israel.

"Consideramos isso uma apunhalada pelas costas e absolutamente repudiamos [esse acordo]", disse Abbas durante uma reunião com líderes palestinos na noite de terça-feira.

Onda de paz

Enquanto isso, muitos especulam que outros países do Oriente Médio, como Bahrein e Omã também seguirão o exemplo dos Emirados Árabes Unidos e farão acordos de paz com Israel. Na segunda-feira, Omã e Israel disseram que seus ministros das Relações Exteriores conversaram e concordaram em "manter contato direto e contínuo".

Israel espera que a Arábia Saudita, inimiga declarada do Irã, também concorde em manter relações com Israel. A Arábia Saudita ainda não comentou sobre o novo tratado de paz dos Emirados Árabes Unidos com Israel, mas o conselheiro sênior do presidente Trump, Jared Kushner, disse acreditar que o reino normalizará os laços com o Estado judeu.

“Acho que é inevitável que a Arábia Saudita e Israel tenham relações totalmente normalizadas e sejam capazes de fazer muitas coisas boas juntos”, disse Kushner à CNBC na semana passada.

segunda-feira, 17 de agosto de 2020

Após se recusar a entregar escola para islâmicos, cristão pode ser executado na Síria

Radwan Muhammad foi preso em sua casa na vila de Jaqmaq Kibir, na Síria, no final de julho.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CSW

Radwan Muhammad preso por radicais islâmicos. (Foto: Reprodução / CSW)

Um cristão sírio foi preso e acusado de apostasia pelo grupo islâmico Failaq Al-Sham, leal à Turquia, em 30 de julho. A apostasia é vista como um crime punível com a morte por alguns muçulmanos radicais.

Segundo fontes locais relatam os combatentes do grupo prenderam Radwan Muhammad em sua casa na vila de Jaqmaq Kibir, próximo de Rajo, uma pequena cidade no noroeste da Síria perto de Afrin.


Muhammad, que trabalha como professor e diretor de inglês, recusou as ordens do grupo de entregar o prédio de sua escola a eles para que pudessem transformá-lo em uma escola islâmica.

De acordo com fontes locais, Muhammad disse ao grupo: “Vou entregar-lhes o edifício em um caso apenas: quando Jesus Cristo descer à terra novamente.”

A esposa de Muhammed morreu recentemente, mas o grupo impediu a família de lavar e envolver seu corpo de acordo com os costumes da região. Ela havia se convertido do Islã ao cristianismo há algum tempo.

O pastor Nihad Hassan, que lidera uma igreja curda em Beirute, no Líbano, e que é originário de Afrin, disse à CSW que “estamos extremamente preocupados com a vida e o bem-estar de Radwan, ele está detido na sede [do Failaq Al-Sham] em Afrin e eles podem executá-lo”.

“Esses grupos islâmicos e seus mestres turcos estão seguindo os passos do Estado Islâmico. Na verdade, muitos de seus combatentes são ex-membros do EI e da Al Qaeda”, revelou o pastor.

Failaq Al-Sham é um grupo islâmico afiliado à Irmandade Muçulmana. Funciona no noroeste da Síria sob o Exército Nacional Sírio, um grupo guarda-chuva de diferentes facções islâmicas sob o comando direto da Turquia.

Cidade tomada

Em março de 2018, o exército turco capturou a cidade de Afrin com a ajuda de alguns grupos islâmicos sírios. A Anistia Internacional relata que, desde então, “residentes de Afrin [foram] detidos e torturados, com casas e negócios saqueados e confiscados e escolas destruídas ou tomadas.”

O presidente-executivo da CSW, Mervyn Thomas, emitiu nota sobre o caso: "Estamos profundamente preocupados com o bem-estar de Muhammad e instamos seus sequestradores a libertá-lo imediatamente e sem condições.

"Também pedimos às autoridades turcas que intervenham restringindo os vários grupos de milícias islâmicas que funcionam sob seu comando e que ponham fim imediatamente a todas as formas de violência e abusos dos direitos humanos nas áreas que controlam”, apelou.

"Apelamos à comunidade internacional para pressionar a Turquia a cumprir os direitos humanos internacionais e o direito humanitário, e a cessar todas as formas de perseguição às minorias religiosas em Afrin e arredores", disse Thomas.

sexta-feira, 14 de agosto de 2020

Jogador Patric e esposa falam sobre superação no futebol e cura do lúpus: “Deus fez a obra”

Patric, atacante do Gamba Osaka, no Japão, e sua esposa, a missionária Sônia Oliveira, contaram seu testemunho em live transmitida pelo Guiame.


FONTE: GUIAME, LUANA NOVAES

Patric, atacante do Gamba Osaka, no Japão, e sua esposa, a missionária Sônia Oliveira. (Foto: Reprodução/Guiame)


A vida do atacante Patric e de sua esposa, Sônia, é marcada por superação e fé. Eles compartilharam seu testemunho de vida com o pastor Rodrigo Salvitti nesta quinta-feira (13) na série “Ouça Minha História”, promovida pelo Guiame.

Hoje Patric é um dos destaques do Gamba Osaka, no Japão, e está sendo cotado pela seleção japonesa para a Copa do Mundo do Qatar em 2022. Mas sua trajetória foi marcada por um começo difícil na sua cidade natal, Macapá (AM).

“Sempre tive o sonho de ser jogador, mas trabalhei quase seis anos lavando carros. Eu estudava a noite, saia do colégio e ia direto para o lava jato. Eu dormia em cima de uma mesa de bilhar ou em cima de um papelão no chão e acordava na madrugada para lavar os carros, porque tinha que entregar os veículos limpos para os taxistas, no outro dia de manhã”, ele conta.

“Trabalhava das 3h às 7h da manhã direto e, mesmo cansado, eu ia treinar de manhã. Eu tinha o sonho de ser jogador, mas ao mesmo tempo eu tinha que ter o meu ganha pão”, relata o altera.

Muitas vezes, Patric chegou a oferecer serviços de capinagem aos vizinhos para complementar a renda — e destaca que não se envergonha disso. “Eu sempre busquei trabalhar e jogar, foi um início bem difícil. Até o momento em que Deus me colocou em um novo lugar”, disse. “Lembrar das minhas origens e de tudo o que eu passei me dá forças para prosseguir”.

Patric observa que muitos jogadores no Amapá não conseguem se profissionalizar. “Muita gente pensa que eu saí do Amapá e fui para o outro lado do mundo porque eu tive sorte. Mas não foi sorte, foi muita perseverança e, principalmente, foi Deus. Se não fosse Deus, eu não teria chegado onde estou hoje”, afirma.

Em sua passagem pelo Vasco, entre 2010 e 2011, Patric viveu uma crise no seu casamento que o levou a analisar suas prioridades. “Às vezes um jogador vai para um time grande e a fama sobe para a cabeça. Mas aquilo foi permissão de Deus para eu chegar no nível em que eu estou com Deus”, afirma.

“Eu só queria saber de festas, baladas, bebedeiras e acabei deixando um pouco o futebol de lado. Quando eu percebi, meu casamento estava sendo destruído. Nós quase nos separamos. A minha esposa tinha acabado de ter bebê e a minha direção estava começando a ser totalmente diferente”, ele lembra. “Deus me permitiu passar por aquele deserto para me tornar o que eu sou e dar valor a esposa que eu tenho”.


Unidos por Deus

Patric conheceu Sônia em Belém (PA), na época em que ela havia deixado um relacionamento abusivo. Os dois logo se apaixonaram, mas o atleta teve que lidar com uma bagagem emocional e psicológica que sua futura esposa trazia.

Sônia havia sido internada por diversas vezes em clínicas psiquiátricas e havia recebido o laudo de esquizofrenia e depressão. “Eu já estava em um processo de loucura e tinha surtos muito violentos”, ela conta.

Quinze dias depois de conhecer Patric, ela teve um surto que afetou sua memória. Ela já não reconhecia mais o jogador, sua mãe e nem sua filha, Yone, hoje com 24 anos.

Foram quase 4 meses com a memória afetada e surtos com tentativas de fugir de casa. “Mas o Patric não desistiu de mim. Ele chegou a parar de treinar para cuidar de mim”, ela lembra.

Sônia conta que, em sua cidade, era conhecida como louca, mas Deus mudou sua história. “Na porta da minha casa, enchia de gente para ver o show que o diabo fazia, porque ele tomava conta de mim. Até que o Patric resolveu buscar por mim na igreja. Ele resolveu convidar a minha filha para ir com ele aos cultos e começaram a lutar para me ajudar espiritualmente”, relata.

“Até que um dia eu me lembrei de Jesus, porque eu conheci Jesus com 13 anos de idade, depois que eu fugi de casa. Naquele processo todo eu fui para a igreja, fui libertada e minha família toda também foi”, completa.

Luta contra o lúpus

Com a estabilidade financeira e a ascensão no futebol, o casal começou a se afastar de Deus. “Aqui no Japão nós éramos crentes, mas quando voltávamos para o Brasil, éramos totalmente diferentes. No Japão não tínhamos contatos com baladas, e nas visitas ao Brasil íamos para muitas festas. Mas a Deus ninguém engana”, diz Sônia.

O processo de transformação do casal começou em 2016, quando Patric sofreu uma lesão no Japão e foi se tratar no Brasil. Sônia, que já havia sido hospitalizada algumas vezes em Osaka, sentiu Deus falar com ela no caminho para o Brasil. “Deus me disse que iria tratar ele (Patric) e eu”, conta.

Na época, uma série de dificuldades começaram a surgir. Sônia, que havia engravidado, sofreu um aborto espontâneo. Isso aconteceu no mesmo período em que um de seus irmãos faleceu. Enquanto isso, Patric havia perdido o contrato com o Gamba Osaka devido à lesão.

“Deus fez um processo muito forte em nós dois”, lembra Sônia.

Depois de voltar para o Japão, Sônia acordou imobilizada e foi levada para o hospital, onde recebeu o diagnóstico do lúpus. “Eu estava como uma morta-viva. Meus órgãos estavam parando e precisei fazer uma cirurgia de emergência, pois meu rim estava parado”, conta.

“Quando isso aconteceu, eu entendi que Deus estava fazendo a obra em mim, mas eu não achei que fosse ser tão difícil”, diz Sônia. “Foi ali que eu entendi que, ou eu ia para Jesus, ou eu morria. E ali eu fui para Jesus”.

Imagens de Sônia Oliveira no hospital, durante luta contra o lúpus. (Foto: Reprodução/Guiame)

Foi no quarto do hospital que ela começou a gravar vídeos e passar a mensagem que Deus estava gerando nela.

“Ali eu comecei a trabalhar na obra e Deus me dizia: ‘Não olhe para as circunstâncias, vai parecer impossível, mas a última palavra é Minha’. Eu fui inchando, fui deformando, fiquei paralítica por seis meses, perdi cabelo, perdi a fisionomia. Eu me olhava no espelho e eu sabia que aquilo ia passar”, Sônia conta. “Eu não tinha medo e sabia que a glória da segunda casa seria maior do que a primeira”.

Os médicos diziam que a doença de Sônia era irreversível, mas o diagnóstico de lúpus não existe mais. “Eles dizem que se não fossem meus médicos, me diriam que eu nunca tive lúpus”, disse ela, celebrando a cura. “É como se meus órgãos nunca tivessem sido lesionados, é como se tudo em mim fosse novo”.

Hoje Patric entende que os dois são testemunhos e exemplos para uma geração. “Meu trabalho também é uma forma de poder falar do que Deus fez nas nossas vidas. Quando eu faço gol sempre agradeço a Deus. Nas entrevistas eu sempre digo que não foi o homem, mas sim Deus que abriu as portas para mim no Japão. Hoje, como pessoas públicas, temos que ser exemplo na nossa casa e fora”, diz o jogador.

Sônia Oliveira tem mais de 72 mil seguidores no Instagram, 17 mil inscritos no YouTube e 18 mil seguidores no Facebook, que recebem orações e mensagens diárias. Além disso, ela ajuda mais de 300 mulheres em um grupo no WhatsApp.

“O dinheiro que a gente gastava com remédios hoje investimos para alcançar pessoas”, celebra Patric.

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Jovem sai ileso após peça de caminhão atingir seu carro: “Foi um milagre de Deus”

João Paulo Huttl seguia pela BR-280 quando a peça atingiu o para-brisa do veículo.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO NDMAIS

João Paulo Huttl e a peça que atingiu o para-brisa de seu carro. (Foto: Reprodução / Facebook)
João Paulo Huttl e a peça que atingiu o para-brisa de seu carro. (Foto: Reprodução / Facebook)

Um milagre. É assim que o jovem João Paulo Huttl, de 24 anos, define o acidente que ocorreu na manhã desta segunda-feira (10), na BR-280, em São Francisco do Sul, no litoral norte de Santa Catarina.

João, que é pintor, seguia pela rodovia quando a peça de um caminhão, que passava no sentido contrário, se soltou e atingiu o para-brisa do carro dele. Com o impacto, o vidro foi destruído e por pouco a peça não atingiu a cabeça do jovem.

“Ela atravessou o para-brisa e pegou o encosto do motorista. Eu acredito que foi um milagre de Deus, porque bem na hora, eu abaixei a cabeça e não fui atingido”, conta João.

Segundo ele, a estimativa é de que a peça pesava entre 5kg e 10kg. Apesar do susto, o pintor e um amigo, que estava com ele no carro no momento do acidente, saíram ilesos. Já o motorista do caminhão não teria parado para prestar socorro.

“Porém, eu não culpo o motorista. Só peço que quando for sair para estrada, que os motoristas sempre verifiquem a carga e se o caminhão tem alguma peça solta para evitar acidentes como esse”, disse.

terça-feira, 11 de agosto de 2020

Estudiosos rastreiam o campo magnético da Terra através das ruínas de Jerusalém

As ruínas do Primeiro Templo, que foi destruído durante a invasão da Babilônia a Jerusalém, deram pistas a cientistas sobre o campo magnético da Terra.


FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO JERUSALEM POST

Dr. Shalev, Prof. Gadot e Yoav Vaknin, da direita para a esquerda. (Foto: Shai Halevi/Autoridade de Antiguidades de Israel)

Uma equipe de pesquisadores israelenses conseguiu medir o campo magnético da Terra no dia em que Jerusalém foi destruída pelos babilônios em 586 a.C., de acordo com um estudo pioneira publicado na sexta-feira (7) na revista científica PLOS ONE.

O estudo, realizado por pesquisadores da Universidade de Tel Aviv, da Universidade Hebraica de Jerusalém e Autoridade de Antiguidades de Israel, amplia a compreensão da devastação de Jerusalém e da disciplina científica.

Em agosto de 586 a.C., após meses de cerco, as tropas babilônicas romperam os muros de Jerusalém e destruíram a cidade, incluindo o Templo Sagrado. A destruição do Primeiro Templo foi um marco na história judaica e é relembrada até hoje com o jejum de 9 de Av, celebrado este ano em 30 de julho de 2020. Foi neste mesmo dia que o Segundo Templo foi destruído pelos romanos em 70 d.C.

A poucos passos do Monte do Templo, um edifício proeminente de dois andares, provavelmente usado para fins administrativos, também foi incendiado e desabou. Mais de 2.600 anos depois, suas vigas e pedras carbonizadas são um testemunho daqueles dias dolorosos, que são descritos na Bíblia.

“No sétimo dia do quinto mês do décimo nono ano do reinado de Nabucodonosor, rei da Babilônia, Nebuzaradã, comandante da guarda imperial, conselheiro do rei da Babilônia, foi a Jerusalém. Incendiou o templo do Senhor, o palácio real, todas as casas de Jerusalém e todos os edifícios importantes”, diz um trecho de 2 Reis 25.

Entre os vestígios mais notáveis ​​do edifício, estão fragmentos de um sofisticado piso de gesso. Essas peças, deixadas na mesma posição por milênios, mostraram-se essenciais para medir a intensidade e a direção do campo magnético terrestre nestes momento.

“Embora meu PhD seja em arqueologia, esta é uma pesquisa interdisciplinar entre arqueologia e as ciências vivas”, disse Yoav Vaknin, principal autor do estudo, ao site Jerusalem Post.

O estudo contou com o diretor do Laboratório Paleomagnético da Universidade Hebraica, Dr. Ron Shaar, para “entender como o campo magnético se comportava no passado”, disse Vaknin.

Arqueologia e campo magnético

O campo magnético uma área ao redor da planeta que sofre influência do campo de energia criado pelo magnetismo do núcleo terrestre, orientado pelos pólos norte e sul, que já se inverteram muitas vezes desde a criação da Terra.

Embora hoje as informações mais precisas sejam fornecidas por satélites, o campo magnético da Terra é visto por muitos estudiosos como um dos cinco mistérios da física, deixando alguns enigmas.

“Recentemente, vimos muitos casos em que as ciências vivas deram uma contribuição para a arqueologia, mas neste caso o oposto também é verdadeiro”, destacou Vaknin.

Escavação do Givati ​​Parking Lot, em Jerusalém. (Foto: Shai Halevi/Autoridade de Antiguidades de Israel)

Os estudiosos israelenses se concentraram na questão do campo magnético da Terra em camadas arqueológicas resultantes de destruições em massa, como no caso de Jerusalém.

Quando objetos formados por minerais magnéticos são queimados em uma temperatura muito alta, esses minerais são remagnetizados e, portanto, registram a direção e a magnitude do campo naquele momento preciso.

Artefatos como cerâmica, tijolos e telhas, que são queimados em alta temperatura, podem todos fornecer esses registros. No entanto, por mais preciso que seja a datação, geralmente dura algumas décadas. Mas se documentadas por registros históricos, as camadas de destruição podem ser fixadas em um momento muito específico — no caso de Jerusalém, em 586 — fornecendo uma oportunidade única.

“Datamos a destruição da estrutura em 586 a.C, com base em vasos de cerâmica quebrados, típicos do final do período do Primeiro Templo, encontrados no chão. Além dos utensílios quebrados, encontramos sinais de incêndio e grandes quantidades de cinzas”, explicaram os diretores da escavação, Dr. Yiftah Shalev e Gadot.

Vaknin se concentrou em medir o campo magnético dos numerosos fragmentos de piso espalhados, descobrindo que, independentemente de sua posição, eles registravam a mesma direção magnética.

“Medir dados magnéticos de um chão queimado há milhares de anos não é uma questão trivial”, comentou Shaar. “Felizmente, neste estudo específico, Yoav conseguiu decifrar o código magnético da natureza e dar informações importantes de vários ângulos: histórico, arqueológico e geomagnético”.

Vaknin observou que, para realizar um processo semelhante, é essencial realizar as medições em objetos que ainda estejam em sua posição original no campo após a destruição. Os artefatos do mesmo período que foram movidos podem fornecer informações sobre a magnitude do campo magnético, mas não sua direção.

O objetivo final é criar um novo sistema de datação precisa, com base no campo magnético da Terra e suas mudanças, projetando assim uma curva. “Estamos construindo a curva a partir de muitos dados e a ideia é que as camadas de destruição sejam as âncoras cronológicas para essas informações”, concluiu Vaknin.

domingo, 9 de agosto de 2020

Cristãos formam equipe para limpar hospital atingido por explosão em Beirute

O grupo ajudou a limpar o hospital e também armou uma tenda de apoio com água e alimentos em frente ao prédio.


FONTE: GUIAME, POR JOÃO NETO

Igreja se mobiliza para levar alimentos às ruas de Beirute após explosão devastadora. (Foto: Instagram / Reprodução)

A explosão devastadora que ocorreu na última terça-feira (4) próximo ao porto de Beirute tem mobilizado moradores — incluindo muitos cristãos — de toda a cidade e também de regiões vizinhas para expressar sua solidariedade em atitudes práticas. É o que os pastores André Argente, Michel Matar e a equipe de sua igreja tem feito durante esses dias.

O pastor brasileiro que atualmente exerce seu ministério no Líbano ajudou a formar uma equipe, levando cristãos a ajudar na limpeza de um hospital danificado pelo impacto da explosão. Durante toda a quinta-feira passada o grupo está fazendo plantão, ajudando a retirar entulho e destroços do local, para que este possa receber pacientes o mais rápido possível. Nesta sexta-feira (7), o grupo continuará atuando neste e em outros hospitais atingidos.

Além da ajuda na limpeza, o grupo também montou uma tenda de apoio para os profissionais e voluntários que estão removendo os escombros, com água e alimentos.

O pastor André compartilhou imagens e um relato sobre a ação em suas redes sociais.

“Graças a Deus, conseguimos limpar tudo. Lá dentro está tudo limpo. Deus é fiel!”, celebrou ele ao filmar os voluntários trabalhando do lado de fora do prédio do ‘Hospital des Soeurs du Rosale’.

“Tudo aqui estava com vidro e entulho. Mas conseguimos remover tudo”, acrescentou ele ao mostrar imagens da calçada já sem os escombros.

O pastor lamentou a morte de uma enfermeira durante a explosão, mas relatou que ainda há profissionais trabalhando dentro do hospital.

“Continuem orando por nós. Amanhã vamos estar aqui de novo para limpar este e outros hospitais que estejam precisando”, afirmou.

Em meio aos vídeos publicados por André é possível ver o grupo também louvando entre um trabalho e outro.

Orações

Em um vídeo publicado também pelo pastor André no dia das ações de apoio ao hospital, o pastor Michel Matar também agradeceu pelas orações de todo o povo cristão sobre o Líbano neste momento.

“Agradecemos por suas orações, pois o que vier do Senhor Deus é bem-vindo. Estamos aqui andando por Beirute e quase tudo por onde passamos está destruído. Então, como Igreja, precisamos ir ao campo, ajudar as pessoas a limpar, a comer também, porque muitas pessoas perderam suas casas, não podem cozinhar e não têm comida. Então isso é o que estamos fazendo agora, basicamente”, relatou o pastor. “Agora estamos indo buscar mais voluntários, porque a necessidade é muito grande”.

O pastor também expressou sua gratidão ao próprio povo libanês, que tem mostrado solidariedade neste momento.

“Sou muito grato ao povo de forma geral e não falo só da Igreja, mas sim do povo libanês. Não é o governo que está ajudando, mas sim o povo”, declarou.

Segundo uma agência estatal de notícias de Beirute, o número de mortes decorrentes da explosão subiu nesta sexta-feira para 154. A busca por desaparecidos continua.