sábado, 14 de julho de 2018

Bolsonaro fala sobre campanha: “não vamos fazer pacto com o diabo”

Pré-candidato à presidência rebate frase de Dilma Rousseff sobre alianças

por Jarbas Aragão

Resultado de imagem
Do alto de carro de som, Bolsonaro fala a simpatizantes em Marabá (PA) (Foto: Ulisses Pompeu/Futura Press)

O presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, tem como lema de campanha “Deus acima de todos”. E a religiosidade faz parte de muitos de seus discursos. Nesta quinta-feira (12), em visita ao estado do Pará, ele foi questionado sobre as alianças de seu partido com os “políticos tradicionais”, a quem ele rejeita.

“Só não vamos fazer pacto com o diabo”, afirmou ele à imprensa, fazendo referência a um discurso em que a presidente cassada Dilma Rousseff afirmou que podia “fazer o diabo quando é hora da eleição”.

O político carioca afirmou que não tem “nada a ver” com as alianças no Pará e destacou que já barrou um acordo do PSL com o PCdoB no interior de Minas Gerais.

A campanha deste ano pode ter uma aproximação entre o PSL e o MDB no Pará, o que se traduziriam em uma aliança indireta com o clã do senador Jader Barbalho para formar palanques.

Bolsonaro diz que não consegue impedir todos os acordos nas sucessões estaduais. “Se o nosso foco é a cadeira presidencial, paciência”, minimizou.

Diante da multidão que o recepcionou em Marabá, estimada em mil pessoas pela Polícia Militar, ele afirmou que rejeita alianças com nomes tradicionais da política. “O que eles têm, não queremos. O que temos, eles não terão: o povo ao lado do futuro”, discursou, em cima de um carro de som. Com informações de Estadão

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Cubanos estão se entregando a Cristo e jogando seus "ídolos" em rio

Segundo cristãos locais, os novos convertidos estão se desfazendo de objetos que antes eram adorados por eles.

 O testemunho de vida dos cristãos tem impactado familiares e vizinhos. (Foto: World Missionary Press)

Em Cuba, as pessoas estão se convertendo a Cristo ao testemunharem a fé de seus vizinhos e familiares. Helen Williams, da World Missionary Press (empresa cristã que produz livros evangelísticos em mais de 340 idiomas), diz que sempre houve um trabalho no país de distribuir material religioso há muitos anos.

"Temos distribuidores que estão trabalhando com igrejas locais e ministérios menores, dentro dos parâmetros que são permitidos lá, e o Senhor realmente abençoou", disse ela.

Recentemente, Helen recebeu informações de um contato que distribuía material evangelístico em Cuba. “Ele disse que os cubanos estão ouvindo testemunhos maravilhosos de Deus trabalhando no coração do povo. As pessoas estão sendo salvas. E as que adoravam outros deuses estão levando seus ídolos de metal e jogando-os no rio", contou.

Os ídolos eram feitos de materiais que não podiam ser queimados. Helen diz que o fato dessas pessoas terem se livrado desses objetos tem sido um testemunho incrível para as famílias e amigos. O contato confirmou que Deus está trabalhando em Cuba, e muitos corações estão se voltando para Ele.

"As pessoas estão reconhecendo Jesus Cristo como o único caminho, através da Sua Palavra e do testemunho silencioso dos cristãos", salientou.

Quando Helen diz “testemunho silencioso”, ela quer dizer que os cristãos em Cuba dependem fortemente de seus testemunhos individuais, compartilhados de boca em boca e pelo modo como vivem suas vidas, para testemunhar aos outros.

“Eu só quero encorajar nossos ouvintes a saberem que a Palavra está lá, está sendo compartilhada, e que mesmo em um país onde há restrições, a Palavra está dando frutos. As pessoas estão vindo ao Senhor e tornando isso público. E nós só queremos louvar a Deus por isso”, ressaltou.

Nova remessa

Novas conexões estão sendo feitas e a World Missionary Press começou a imprimir uma nova remessa de material evangelístico que já foi aprovada pelo governo. Congregações podem se encontrar abertamente. Mesmo assim, ainda há muita necessidade de oração.

“Esses cristãos, em muitas dessas cidades, estão se reunindo e suas vidas estão sendo mudadas. É isso que mostra aos outros o testemunho de uma vida transformada”, diz Helen. Desta forma, os cristãos estão compartilhando sua fé com suas comunidades e famílias.

No início deste ano, um avião caiu logo após decolar em Havana. O acidente matou mais de 100 pessoas e foi devastador para a Igreja. “Havia dez pastores e suas esposas. Eles estiveram em uma conferência em Havana e foram todos mortos. Isso deixou 10 igrejas sem pastores e 17 órfãos”, explica Helen.

"Há um trabalho sendo realizado em conjunto pelos cristãos de Cuba, e isso é um sinal de crescimento na Igreja", finalizou.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA MISSION NETWORK NEWS

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Após 10 anos de criação, aplicativo da Bíblia já teve mais de 330 milhões de downloads

Atualmente, o aplicativo YouVersion conta com 1.700 versões da Bíblia em mais de 1.200 idiomas.

70 bilhões de capítulos da Bíblia foram lidos pelo aplicativo. (Foto: Reprodução)

Completando 10 anos de criação, a versão digital da Bíblia, disponibilizada no aplicativo YouVersion, já foi baixada em mais de 330 milhões de dispositivos em todo o mundo. Lançada em 2008, a plataforma já registrou 70 bilhões de capítulos da Bíblia lidos, 12 bilhões de capítulos ouvidos em áudio e 2,4 bilhões de planos diários concluídos.

"Nós nunca poderíamos ter previsto os resultados que vimos. Milhões de pessoas em todo o mundo leram, ouviram, compartilharam e interagiram com a Bíblia de diversas maneiras", disse Bobby Gruenewald, pastor da Life.Church, líder e fundador da YouVersion.

"Logo no início, descobrimos que essa iniciativa ajudava a envolver as pessoas com a Bíblia. Assim que eu tive acesso à Bíblia no telefone, que está sempre no meu bolso, minha conexão com ela naturalmente se tornou mais frequente", comentou ele.

Em 2008, o aplicativo tinha 15 versões da Bíblia em apenas dois idiomas. Hoje, possui mais de 1.700 versões em mais de 1.200 idiomas.

"Deus fez muito mais através desse aplicativo do que poderíamos ter perguntado ou imaginado, especialmente em trazer um grupo diversificado de pessoas e organizações para se unir em torno de uma missão comum", disse Gruenewald ao site The Christian Post em 2016.

"Tradutores, editores, sociedades bíblicas, igrejas, autores e centenas de voluntários se uniram de forma massiva, todos com um único objetivo: ajudar as pessoas a se envolverem plenamente com a Bíblia", disse ele.

Recursos

O aplicativo agora tem lembretes, versículo do dia, notas e outros recursos. "Estes últimos 10 anos foram mais do que poderíamos pensar ou imaginar, e acreditamos que isso seja apenas o começo", disse Gruenewald.

"À medida que olhamos para o futuro, ficamos empolgados com as novas maneiras pelas quais Deus está usando a tecnologia para ajudar as pessoas a fazer ainda mais conexões entre a Bíblia e suas vidas no dia a dia", ressaltou.

O versículo mais popular do aplicativo é Josué 1: 9, que diz: “Não te mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não temas, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus é contigo, por onde quer que andares”.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN HEADLINES

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Arqueólogos descobrem portão de entrada para Betsaida, onde Jesus curou cego

A descoberta do portão foi feita por 20 arqueólogos nas Colinas de Golã.

Betsaida também é o local onde Jesus alimentou 5 mil pessoas. (Foto: Reprodução)

Arqueólogos em Israel descobriram o portão de entrada para Zer, uma cidade bíblica do Antigo Testamento, que segundo eles, ficou conhecida como Betsaida no Novo Testamento. A descoberta foi feita nas últimas duas semanas, nas Colinas de Golã, antes conhecidas como colinas Sírias. O anúncio aconteceu no último domingo (8), pelo Conselho Regional de Golan.

Zer é um local mencionado no livro bíblico de Josué, mais especificamente no capítulo 19, versículo 35. A região é mencionada como uma das cidades fortificadas para o povo de Naftali, uma das 12 tribos de Israel. O verso diz: “As cidades fortificadas são Ziddim, Zer, Hammath, Rakkath, Chinnereth”.

Os arqueólogos dizem que Zer era conhecida como Betsaida no Novo Testamento. Sabe-se que Betsaida é exatamente onde Jesus curou um homem cego, conforme o relato de Marcos 8.

Betsaida também é o local onde Jesus alimentou uma multidão de 5 mil pessoas, como está relatado em Lucas 9, e região onde moravam André, Pedro e Filipe (João 1:44).

A descoberta do portão foi feita por cerca de 20 arqueólogos que trabalham com o Hebrew Union College. Rami Arav, diretor do Projeto Betsaida, está ajudando a liderar o projeto.

“Não há muitos portões deste período. Betsaida era o nome da cidade durante o período do Segundo Templo, mas durante o período do Primeiro Templo foi a cidade de Zer”, disse Arav.

Turismo

Os turistas visitam a região de Betsaida há anos para ver o local onde Jesus realizou milagres. Avi Lieberman, diretor do parque onde fica Betsaida, disse que espera que a nova descoberta ajude a atrair ainda mais pessoas.

"A equipe do Jordan Park e o Golan Tourism estão felizes com as dezenas de milhares de visitantes que passam pelo parque todos os dias", disse Lieberman.

“O maravilhoso parque também é um impressionante sítio arqueológico. Surpreendi-me cada vez com a chegada de milhares de visitantes evangélicos a Betsaida. Estou confiante de que as últimas descobertas trarão mais visitantes ao parque de todo o mundo e de Israel”, finalizou.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO JERUSALEM POST

terça-feira, 10 de julho de 2018

Nigéria é o local mais mortífero do mundo para ser cristão, denuncia ativista

Massacres de islâmicos incluem crianças mortas em suas camas


por Jarbas Aragão

Resultado de imagem para cbn news
Emmanuel Ogebe em entrevista à CBN (Foto: Reprodução)

Na Nigéria, uma nova onda de ataques do jihadistas da etnia fulani contra cristãos levou um proeminente ativista pelos direitos humanos a pedir que os Estados Unidos iniciem uma investigação sobre o assunto.

Segundo a denúncia do advogado Emmanuel Ogebe, “A Nigéria é hoje o lugar mais mortífero do mundo para os cristãos”. Conforme destaca, “o que testemunhamos é um genocídio. Eles estão tentando expulsar os cristãos, tentando tomar suas terras e impor sua religião aos ‘infiéis’ e ‘pagãos’, como eles chamam os cristãos”.

Duas semanas atrás, 238 pessoas foram mortas em um massacre nas aldeias na região centro-norte da Nigéria. Seis parentes de Ogebe estavam entre as vítimas.

“Pelas informações que conseguimos reunir”, explica, “enquanto um homem tentava tirar sua esposa grávida da sua casa durante a invasão… eles se depararam com os fulani, que atiraram nos dois e depois entraram na casa deles, mataram o filho de quatro anos e a filha de seis, que que estavam dormindo em suas camas.”

Ogebe lamenta que as autoridades não permitiram que os cadáveres de seus parentes fossem enterrados da maneira correta. Acabaram sendo jogados em uma vala coletiva, junto com as outras vítimas.

Conforme vem sendo denunciado, há uma escalda da violência contra os cristãos nos últimos meses. O governo insiste na narrativa que é um conflito étnico, uma vez que os fulani são um povo seminômade, que leva seus rebanhos de gado pelo país, eventualmente entrando em conflito de terras com os fazendeiros cristãos. A maioria dos órgãos da imprensa internacional repete essa narrativa.

Contudo, Felix Oisamoje, correspondente da CBN no país, lembra que muitas mortes foram causadas por homens armados com rifles AK-47. “Considerando o alto custo de uma AK-47, um pastor fulani teria de vender todo o seu gado para poder comprar um desses rifles”, avalia.

O ativista de direitos humanos ressalta que além desse armamento pesado, os jihadistas utilizam morteiros e granadas, um indício que estão recebendo apoio de grupos terroristas estrangeiros.

“O mais sinistro é o fato de que boa parte dos fulani são ricos e estão no governo e em posições de poder. Então, acreditamos os fulanis, a elite dominante do país, na verdade estão financiando o armamento usado durante esses ataques”, disse Ogebe.

A conclusão é que, ao expulsar os cristãos de suas terras, os jihadistas podem dominar a Nigéria politicamente além de tomar suas terras à força.

Sabidamente, o presidente Muhammadu Buhari é da etnia fulani e não tem tomado iniciativas para impedir os massacres. Além disso, há registros que o governo nigeriano usou aviões contra cristãos que tentavam se defender dos ataques.

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

segunda-feira, 9 de julho de 2018

NOVA LEI LIMITA PRIVACIDADE ON-LINE NO VIETNÃ

Com isso, qualquer conteúdo cristão pode ser impedido se desaprovado pelo governo

Ore pela Igreja Perseguida no Vietnã e pelo direito de expressão na Internet do país (foto: Reuters)

O Vietnã aprovou uma nova lei que limita ainda mais a privacidade on-line. A partir de agora, as autoridades vietnamitas vão exigir dados pessoais de usuários. Acredita-se que com isso os websites e serviços on-line deverão ser hospedados dentro do país. Isso pode ocasionar o impedimento de qualquer conteúdo cristão desaprovado pelo governo. Sendo assim, a liberdade para os cristãos pode ficar ainda menor.

Além das novas limitações, as autoridades continuam usando velhos métodos de perseguição. Na semana passada, um líder religioso foi exilado na Alemanha, de onde foi impedido de sair. Banir e exilar cristãos são táticas muito utilizadas pelo governo vietnamita.

O Vietnã está na 18ª colocação na Lista Mundial da Perseguição 2018. Ore pelo governo deste país. Interceda pela Igreja Perseguida para que, apesar da perseguição, possa crescer e se fortalecer. Peça a Deus que haja liberdade religiosa e de culto.

República Socialista do Vietnã

 REPÚBLICA SOCIALISTA DO VIETNÃ

  • Fonte de Perseguição: Opressão comunista
  • Capital Hanoi
  • Região Sudeste Asiático
  • Lider Tran Dai Quang
  • Governo República socialista
  • Religião Budismo
  • Pontuação 69

POPULAÇÃO
95.4 MILHÕES

POPULAÇÃO CRISTÃ
8.3 MILHÕES

Fonte: https://www.portasabertas.org.br

sábado, 7 de julho de 2018

Neymar: “nunca deixarei de te agradecer Deus, até mesmo na derrota”

Atleta posta foto ajoelhado e Deus lhe "dará forças"


por Jarbas Aragão

Reprodução Instagram

Após a derrota de ontem, que custou a eliminação da Seleção na Copa da Rússia, o goleiro Alisson deu entrevistas falando sobre sua frustração, mas dizendo aceitar “a vontade de Deus”.

Hoje pela manhã foi a vez de Neymar Jr, considerado a grande estrela do time, falar sobre o assunto. Em uma postagem no Instagram – onde tem 99 milhões de seguidores – o camisa 10 falou de sua frustração, mas afirmando que busca forças em Deus.

“Posso dizer que é o momento mais triste da minha carreira. A dor é muito grande porque sabíamos que poderíamos chegar… mas não foi dessa vez. Difícil encontrar forças pra querer voltar a jogar futebol, mas tenho certeza que Deus me dará força suficiente pra enfrentar qualquer coisa”, escreveu na publicação onde aparece ajoelhado em campo, fazendo uma oração.

Disse ainda: “Nunca deixarei de te agradecer Deus, até mesmo na derrota… porque eu sei que o teu caminho é muito melhor do que o meu”.

Também elogiou os companheiros da Seleção, dizendo que o sonho do hexacampeonato foi “interrompido”, mas “não tiraram da nossa cabeça e nem dos nossos corações”.

Em menos de uma hora, a postagem teve cerca de 1,5 milhão de curtidas e a grande maioria dos comentários mostra que os torcedores não responsabilizam o jogador pela derrota, como parte da imprensa vem fazendo.
Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Lewis Hamilton: “Eu sinto que Deus coloca sua mão sobre mim”

Lewis Hamilton, piloto de Fórmula 1

O piloto da Mercedes e atual campeão mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton, revelou que a “fé em Deus” faz parte de sua vida. O campeão mundial revelou que ora regularmente, “porque qualquer coisa pode acontecer nas corridas”.


Católico, Lewis Hamilton fez a seguinte afirmação em entrevista ao podcast ‘Beyond the Grid’:


“Tudo pode acontecer qualquer dia, mas sinto que Deus me tem nas suas mãos. Toda manhã eu tomo café da manhã e antes de comer, eu rezo. Toda vez que eu como, na verdade, eu rezo. Então, se é um par de segundos, um minuto, aproveite esse momento”, disse o piloto da Mercedes.


“Eu vou com alguns dos meus amigos íntimos [para a igreja]. Nós nos encontramos, vamos tomar café da manhã e depois vamos à igreja juntos. Saímos na maioria das vezes sentindo-nos iluminados e fortalecidos. Às vezes você sai, e fica tipo “Eu não consegui isso hoje”, “mas na maioria das vezes você sai e está tipo: Uau, eu sei para onde estou indo”.


O falecido ídolo de Hamilton, Ayrton Senna, se tornou cada vez mais religioso nos anos que antecederam sua morte em Ímola, em 1994. E foi citado dizendo: “Se você tem Deus ao seu lado, tudo fica claro”.

“A Fórmula 1 me deu uma vida”, continuou Hamilton. “Me deu um propósito, o que é bem especial, mas a F1 também me quebrou. Isso me quebrou e me construiu, me quebrou e me construiu”.


“Quando você passa por isso, você coloca muito, quebra seu coração e te mata quando você falha. Quando você tropeça, quando todo mundo está assistindo”.


“Mas, quando você se levanta e quando consegue, isso levanta você. Você cai, você quebra um osso, você se cura e continua. É isso que quero dizer com isso”.


“É a paixão pelo que você faz e pela vontade de ter sucesso. É algo difícil de expressar, mas todo mundo tem alguma forma ou formato”.


“A Fórmula 1 me ajudou a crescer e ganhei muito mais confiança dentro de mim. O que me deu é a plataforma para poder fazer as coisas que quero fazer, viver a vida que só poderia ter sonhado ”, acrescentou Hamilton, que segue para o GP ’em casa na busca de uma sexta vitória diante de seus fãs, em Silvertone.


Fonte: F1 Mania // http://folhagospel.com

quinta-feira, 5 de julho de 2018

Famílias cristãs são forçadas a fugir de aldeia após se recusarem a negar a Cristo

Cristãos na Índia

Dez famílias cristãs na Índia teriam sido expulsas de suas casas no estado de Jharkhand depois que se recusaram a negar sua fé em Jesus Cristo no mês passado.


A International Christian Concern (ICC), uma organização sem fins lucrativos que atua nos Estados Unidos, informou na terça-feira, que as 10 famílias não puderam retornar às suas casas na aldeia Pahli, no distrito de Latehar, depois de terem sido forçadas a fugir da aldeia por recusarem as exigências dos radicais locais para que eles se convertam ao hinduísmo.


De acordo com fontes, as famílias foram convocadas para uma reunião com o grupo de radicais hindus locais em 5 de junho e receberam duas opções: negar sua fé cristã ou deixar a aldeia.


Após a recusa das famílias, os radicais teriam batido nas famílias antes de expulsá-las da aldeia. Além disso, os agressores fecharam as casas das famílias cristãs


Um dos cristãos atacados pelos hindus, Shyamlal Kujju, disse à ICC que as 10 famílias cristãs adoravam regularmente em uma das casas antes do ataque contra a comunidade.


Essa expulsão é um dos exemplos mais recentes de uma tendência preocupante de impunidade dada aos extremistas hindus que perseguem os cristãos em partes da Índia.


“Estamos vivendo com medo, longe de nossas casas”, disse Kujju, de 25 anos, ao ICC. “Faz quase um mês desde que minha casa foi trancada por radicais hindus e não há tentativa da polícia ou do governo para resolver a questão. Nossas vidas são devastadas quando nos escondemos dos radicais hindus. Não sabemos quanto tempo isso continuará.”


O incidente foi relatado à polícia local. Embora as autoridades tenham conseguido desbloquear alguns dos lares cristãos, a polícia não prendeu nem acusou os extremistas responsáveis.


“Nós aqui da International Christian Concern estamos profundamente preocupados em ver que 10 famílias cristãs foram espancadas e deslocadas por meramente exercerem seus direitos de liberdade religiosa”, disse William Stark, gerente regional da ICC, em um comunicado. “O Artigo 25 da Constituição da Índia diz que todo indivíduo tem o direito de professar livremente, praticar e propagar a religião de sua escolha. Este direito foi obviamente negado a essas 10 famílias cristãs na aldeia Pahli.”

Stark pediu uma ação decisiva das autoridades locais para “corrigir essa negação de direitos”.

“Sem a imposição da lei, os direitos de liberdade religiosa na Índia permanecerão apenas palavras no papel e os ataques contra cristãos e outras minorias religiosas continuarão aumentando em número e gravidade”, disse ele.


A situação das 10 famílias cristãs ocorre quando a Índia é a 11ª pior nação do mundo em perseguição cristã, de acordo com a Lista Mundial de Perseguição de 2018, da Missão Portas Abertas dos EUA.


No ano passado, o estado de Jharkhand adotou uma lei anticonversão que proibia as conversões forçadas. Na época, líderes cristãos alertaram que isso teria um impacto negativo na comunidade cristã, já que a definição de conversões forçadas é ampla. Um pastor chegou a afirmar que a lei ” arruinaria a vida e o testemunho da igreja “.


Em outros estados, como Madhya Pradesh, as leis anti-conversão foram abusadas por radicais hindus para que cristãos e outras minorias religiosas fossem presos. Em alguns casos, acompanhantes cristãos transportando crianças para acampamentos de verão foram presos após serem acusados ​​de violar tal lei.


Líderes cristãos em Jharkhand disseram à ICC que desde que a lei anticonversão foi aprovada no ano passado, os ataques contra os cristãos foram mais frequentes.


“As coisas se tornaram cada vez mais difíceis de servir como pastor em Latehar”, disse o pastor Rajdev Toppo à organização. “No dia a dia, sou ameaçado e ridicularizado por ensinar aos cristãos a Palavra de Deus. O governo local não ajudou, inclusive quando os casos dos cristãos foram levados para a polícia e para a administração.”


A situação com as famílias cristãs na aldeia Pahli vem como foi relatado na semana passada que o proeminente líder hindu Om Swami Maharaj alertou os cristãos para “deixarem agora” ou ser expulso à força de suas comunidades.


No mês passado, foi relatado que um pastor e seu filho em Tamil Nadu foram atacados por um grupo de radicais hindus enquanto cuidavam de um complexo no qual estavam construindo uma igreja. O pastor foi posteriormente raptado e poderia ter sido morto se não tivesse saltado de um carro em movimento perto de uma delegacia de polícia.


No entanto, a polícia teria se recusado a retirar informações sobre como o pastor havia sido ameaçado por radicais hindus.


Fonte: The Christian Post

quarta-feira, 4 de julho de 2018

Autoridade Palestina: “nunca iremos parar de pagar os salários dos terroristas”

Porta-voz da AP diz que nova lei de Israel sobre repasse de fundos é "declaração de guerra"

por Jarbas Aragão

Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina, é recebido com festa após retornar da reunião da ONU. (Darren Whiteside/Reuters/VEJA)

Esta semana, o Knesset, parlamento de Israel, aprovou uma nova lei que congela parcialmente os valores de impostos transferidos mensalmente à Autoridade Palestina (AP). A legislação visa debitar do montante o total de fundos pagos às famílias dos “mártires palestinos” no ano anterior.

O argumento de Israel é que as pessoas beneficiadas são familiares de palestinos que morreram ou estão presos por realizaram atentados contra Israel. Portanto, são terroristas. Segundo os membros do Knesset, esse pagamento sempre foi uma “expressão de apoio a atos de terror”.

O repasse mensal à AP é cerca de 130 milhões de dólares. Os deputados israelenses Elazar Stern e Avi Dichter, que propuseram a lei, lembram que existem aproximadamente 35.000 famílias palestinas que recebem a verba do chamado “fundo dos mártires” e que os pagamentos são um estímulo para que atentados terroristas continuem acontecendo.

Nabil Abu Rudeineh, porta-voz do líder palestino Mahmoud Abbas, afirmou que Israel está cruzando “a linha vermelha” e que a decisão “é uma declaração de guerra ao povo da Palestina, seus defensores, prisioneiros, aos que pereceram porque carregavam a bandeira de liberdade para o bem de Jerusalém e o estabelecimento do Estado Palestino independente”.
Fundo dos mártires

Nesta quarta (4), lideranças palestinas deixaram claro que “nunca pararemos de pagar salários às famílias de prisioneiros e mártires”. Eles reclamam que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu está tentando “destruir economicamente a Autoridade Palestina”.

O ministro da defesa de Israel, Avigdor Liberman, anunciou que estavam criando o Departamento Nacional de Combate Econômico ao Terror, responsável pela aplicação da nova lei e monitorando a atividade econômica das organizações terroristas tanto em Israel quanto no exterior.

Liberman afirmou que “A guerra ao terror é baseada em dois pilares: segurança e economia. Estamos trabalhando para eliminar o terrorismo por meios militares e, ao mesmo tempo, secar suas fontes de financiamento”.

Para 2018, a verba destinada ao “fundo dos mártires” palestinos é de 7% do orçamento da AP, totalizando US$ 328 milhões (cerca de 1.2 bilhão de reais). Tanto Estados Unidos quanto Austrália já reduziram a ajuda enviada à Autoridade Palestina por causa da falta de transparência com que o dinheiro era utilizado, e pediram o fim do patrocínio aos terroristas. Com informações de YNet, Israel National News e CBN

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

terça-feira, 3 de julho de 2018

Pastor é preso após protestar contra massacre de cristãos

Número de mortos na Nigéria em ataques chega a 218, incluindo pastores


por Jarbas Aragão

Resultado de imagem
Protestantes a caminho da residência do governador do estado de Plateau em Jos, Nigéria. (Foto: Morning Star News)

Um pastor da Assembleia de Deus, juntamente com sua esposa e filho, estão entre os mortos nos ataques de muçulmanos da etnia fulani em áreas predominantemente cristãs da Nigéria. Estima-se que chegou a 218 o número de cristão assassinados na onda de violência nas últimas duas semanas somente no estado de Plateau.

A liderança da Assembleia de Deus na região afirma que o governo ordenou a prisão dos pastores que organizaram protestos contra o massacre religioso na região. Isa Nenman, foi preso na quinta-feira (28) após a marcha organizada por ele levar manifestantes até a residência do governador de Plateau.

Nenman é presidente da Associação Cristã da Nigéria (CAN, na sigla original) em Plateau.

“Após o protesto pacífico de ontem promovido pela CAN, o nosso líder foi levado pela polícia. Há uma diretiva da capital para fazer essas prisões”, denuncia o pastor Paul Dekete, um dos organizadores da marcha de protesto.

O evento reuniu milhares de cristãos vestidos de preto até a residência do Governador. Eles pediam o fim dos ataques realizados pelos Fulani. Juntamente com o protesto, as igrejas da região de Plateau fizeram uma campanha de dois dias de jejum e oração por essa situação.

O pedido dos cristãos é que o governo declarasse os jihadistas fulani como grupo terrorista e tomasse iniciativa para prender seus líderes, que são conhecidos. O governador se recusou a receber os manifestantes.

O presidente das Assembleia de Deus da Nigéria, Chidi Okoroafor, confirmou que o pastor Musa Choji e sua família foram assassinados em 24 de junho, quando o templo da igreja foi incendiado. “Pedimos orações pelas famílias de todas as vítimas e para que o governo cumpra sua responsabilidade, punindo os autores deste ato ímpio”, afirmou, deixando claro que se trata de uma ação motivada por questões religiosas.
Presidente tenta esconder os dados

Segundo Samson Ayokunle, pastor batista e presidente nacional da CAN, cristãos foram mortos em 44 aldeias atacadas pelos militantes islâmicos. A organização definiu como “tragédia” e “massacre” o que está ocorrendo no estado de Plateau.

“Além do grande número mortes, ainda há pessoas desaparecidas”, disse ele, prevendo que o número ainda pode aumentar. O governo divulgou que são apenas 86 os mortos. As organizações cristãs da Nigéria vêm dizendo que o presidente Muhammadu Buhari é conivente com a situação e tenta minimizar os ataques porque pertence à etnia fulani. Ele já está em campanha para ser reeleito.

Oficialmente, os cristãos são 51,3% da população da Nigéria, enquanto os muçulmanos totalizam 45%. A Nigéria está em 14º lugar no ranking mundial de perseguição da missão Portas Abertas em 2018. Com informações de Morning Star

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Sem poder realizar cultos, jogadores da Seleção falam sobre sua fé nas redes sociais

Até o lesionado Douglas Costa se manifesta sobre “plano de Deus”


por Jarbas Aragão

Thiago Silva. (Foto: Reprodução / Instagram)

A proibição da FIFA das manifestações religiosas em campo parece não ter causado impacto durante a Copa do Mundo. Em vários jogos, jogadores religiosos foram vistos fazendo orações em campo após as partidas.
Na concentração da Seleção Brasileira a proibição dos cultos da “era Dunga”, foi retomada esse ano pelos cartolas.
    Isso não impede os atletas de continuarem falando sobre sua fé nas redes sociais. Com uma participação até aqui abaixo do esperado, o Brasil chega nas oitavas de final como uma das únicas seleções campeãs com possibilidade de levantar a taça.
    Faltando pouco tempo para o jogo contra o México, o atacante Neymar publicou no Instagram um pedido: “Que Deus nos abençoe e nos proteja”. Uma hora depois, a mensagem teve quase um milhão e meio de curtidas.
    Evangélico, o goleiro Alisson Becker também se manifestou sobre a expectativa do embate de hoje: “Uns confiam em carros, outros em cavalos, mas nós faremos menção do nome do Senhor!! Que Deus nos abençoe! #AB1 #Deusnocontrole

    O zagueiro Thiago Silva, capitão da Seleção em 2014, e que voltou a assumir essa condição com Tite, usou sua página para comemorar a chegada às oitavas: “Que toda honra e glória seja dada a ti pai!!”.
    Mais discreto que os outros, o lesionado Douglas Costa não entra em campo hoje. Mesmo assim, em seu perfil expressou sua confiança na recuperação, afirmando que para tudo Deus tem um plano.
    Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

    domingo, 1 de julho de 2018

    Pastores falam sobre a “Bênção de Toronto”, avivamento que marcou a década de 90

    Líderes que fizeram parte de um dos mais recentes avivamentos da história relatam suas experiências.

    As reuniões foram marcadas por milagres e sinais durante 12 anos. (Foto: Anteneh Aklilu).


    O movimento conhecido como “Bênção de Toronto” foi um dos mais recentes avivamentos da história da Igreja Evangélica. Em uma edição especial do site CBN News, os pastores que fizeram parte disso relembraram a forma como os cristãos foram impactados naqueles dias.

    O despertamento espiritual foi iniciado em 1994 na pequena igreja Toronto Airport Vineyard, localizada ao lado do aeroporto de Toronto, no Canadá. Na ocasião, os pastores John e Carol Arnott convidaram o pastor Randy Clark para uma ministração, mas o culto foi assumido pelo Espírito Santo.

    As reuniões passaram a ser marcadas por milagres, sinais, maravilhas e milhares de vidas se entregando a Jesus Cristo. Isso aconteceu dia após dia por mais de doze anos, atraindo pessoas espiritualmente famintas do mundo inteiro.

    Uma delas era Heidi Baker, que na época já atuava como missionária em Moçambique, mas se sentia ministerialmente desgastada. “Eu estava literalmente pensando em trabalhar no K-Mart (lojas de departamento dos Estados Unidos). Eu estava muito cansada”, contou à CBN News.

    Baker estava com pneumonia quando foi a Toronto, mas foi completamente curada no culto. Em seguida, ela teve uma visão de Jesus que mudou sua vida. “Eu vi Jesus com olhos ardentes de amor. Ele arrancou o 'não' de mim e eu já passei por 109 nações, pregando este glorioso Evangelho”, conta a fundadora do ministério IRIS Global, que já plantou mais de 11 mil igrejas.

    Muitas pessoas tremiam, choravam, caíam e falam em línguas quando eram tocadas pelo Espírito Santo. “As pessoas vinham e não se importavam se eram pentecostais, católicas, metodistas, batistas ou carismáticas — todas pareciam ser niveladas. A unção é uma grande niveladora”, explicou Arnott.

    Encarando as críticas

    Enquanto pessoas eram transformadas nestas reuniões, muitos críticos se levantaram contra o movimento, classificando-o como algo sob influência da carne e até mesmo de espíritos malignos. Acusações como estas incomodaram Arnott e Clark, mas eles reconhecem que, de fato, os sinais e maravilhas eram extraordinários.

    Certa vez, o pastor Arnott fez uma oração: “‘Tenho certeza que isso vem de Ti, Senhor, mas o que está acontecendo? Porque isso parece um caos’. Mas então começamos a ouvir os testemunhos”, disse ele, acrescentando que as pessoas sempre tinham algo positivo a compartilhar.

    Muitos que participaram dos encontros na Bênção de Toronto voltaram para suas próprias congregações manifestando os mesmos dons que foram derramados na igreja Toronto Airport Vineyard. Em consequência disso, milhões de pessoas ao redor do mundo tiveram sua fé edificada e foram tocadas por um amor contagiante em seu coração.

    O pastor Arnott encontrou paz em meio às controvérsias quando sentiu Deus dizendo: “Quanto mais Jesus fazia milagres, mais era perseguido”. “Então pensei: 'Tudo bem, deixa acontecer essas controvérsias'”. Ele também aprendeu outra lição — nem mesmo Jesus agradou a todos. “Então nós apenas continuamos prosseguindo”.

    Mudança de um ministério

    Enquanto muitos questionaram os relatos dos milagres, Heidi Baker sempre esteve certa de que suas experiências na Bênção de Toronto a aproximaram mais de Deus.

    “Ninguém me chamou, mas eu corri para o altar, levantei minhas mãos e comecei a gritar: sim! E fui atingida pelo fogo de Deus. Randy Clark, que eu nunca conheci, me disse: ‘Deus quer saber se você quer a nação de Moçambique?’”, conta a missionária.

    “E eu gritei sim!”, Baker acrescentou. “Então o fogo me atingiu, comecei a vibrar com poder e gritei: ‘Deus, eu vou morrer!’ Ele disse: Você tem que morrer para si mesma para realmente viver, para realmente levar a minha glória’”.

    Depois disso, a missionária ficou completamente impactada com sua experiência durante sete dias e sete noites. “Foi completamente transformador. E eu nunca mais fui a mesma”, destaca Baker.

    O pastor Arnott acredita que um avivamento ainda mais poderoso está por vir e quem manter uma postura crítica poderá perder uma bênção de Deus. “Eu sinto muito pelas pessoas que falaram contra isso. Elas deixaram de participar do maior acontecimento da Igreja, na minha opinião, nos últimos 100 anos. Então se você quiser perder, perca. Mas eu não quero perder isso”.

    FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE CBN NEWS

    sábado, 30 de junho de 2018

    Escola proíbe treinador de orar antes dos jogos, nos EUA

    Treinador Joe Kennedy foi proibido pela escola Bremerton de orar em campo

    Um treinador de futebol americano dos Estados Unidos está tendo que batalhar pelo direito de expressar sua fé em campo, ainda que a atitude não seja evangelística, mas sim pessoal: a oração silenciosa. Após fazer uma oração antes e depois de um jogo, o distrito escolar ameaçou demitir Joe Kennedy caso ele orasse novamente.


    Kennedy foi demitido em 2015 da Escola de Ensino Médio Bremerton, no estado de Washington, depois que se ajoelhou para orar antes e após um jogo de futebol americano. “O distrito escolar disse a ele: ‘Se você falar com Deus, você está demitido”, revelou Berry no programa de rádio Todd Starnes.


    Mas segundo seu advogado, Michael Berry, do Instituto First Liberty, a escola “escolheu o guerreiro errado para tentar abater”.


    Desde 2008, Kennedy se ajoelhava discretamente após cada partida de futebol para honrar um pacto que fez com Deus.


    “Essa oração envolvia apenas ele, de forma silenciosa ou muito quieta, e não durava mais do que 15 ou 30 segundos”, disse Berry. “Isso aconteceu por sete anos sem uma única reclamação ou problema, mas como todos sabemos, nenhuma boa ação fica impune”.


    Temendo uma possível ação judicial contra ateus ou secularistas, o distrito escolar ordenou que o treinador Kennedy parasse de orar. Foi-lhe dito que ele não poderia nem inclinar a cabeça ou fazer qualquer coisa que desse a impressão de que ele estava orando a Deus.


    No entanto, o treinador foi demitido quando se recusou a obedecer.


    “Quando o governo coloca você em uma posição em que você tem que escolher entre a sua fé e seu trabalho, isso é algo que nenhum americano deveria experimentar”, disse Berry.


    Na segunda-feira (26), o First Liberty Institute apresentou uma petição para a revisão do caso do treinador Kennedy na Suprema Corte dos EUA. Berry acredita que poderia ser um caso de estabelecimento de precedentes.


    “Isso pode definir se os funcionários das escolas públicas perderão seus direitos da Primeira Emenda apenas por serem funcionários da escola pública”, disse Berry no programa de rádio.


    Kennedy está pedindo seu emprego de volta, para que ele possa começar a fazer o que ama novamente.


    “O Supremo Tribunal dos EUA é praticamente o fim da estrada quando se trata de apelar a uma decisão legal”, disse Berry. “Pedimos ao tribunal para reverter a decisão do Nono Circuito e do Tribunal Distrital de Washington”.


    A ironia é que, nos EUA, está tudo bem se os treinadores se ajoelham para protestar contra o governo, mas é ilegal os profissionais de escolas públicas se ajoelharem para orar a Deus.


    Fonte: Guia-me

    quinta-feira, 28 de junho de 2018

    Jogadores cristãos foram impedidos de jogar pelo Egito na Copa do Mundo

    Por causa de sua religião, os atletas cristãos não têm oportunidade de se destacar nos esportes do Egito.

    Jogadores cristãos foram impedidos de jogar na seleção do Egito. (Foto: Mohamed El-Shahed/AFP)

    Enquanto a atuação do Egito se destacou, em especial pelo desempenho do jogador Mohamed Salah, do Liverpool, a discriminação contra atletas cristãos na seleção egípcia permaneceu em silêncio nos bastidores da Copa do Mundo.

    De acordo com a organização Portas Abertas do Reino Unido, os cristãos coptas foram proibidos de participar da seleção do Egito, que foi eliminada na primeira fase da Copa do Mundo.

    “‘Os cristãos não jogam futebol no Egito’. Esta era a primeira coisa que eu ouvia quando me inscrevia para jogar futebol nos clubes”, revela o jogador Remon Zakhry, que atua em um pequeno clube de Assiut, no Alto Egito.

    Quando Remon Zakhry estava prestes a assinar um contrato para se juntar ao clube El Gouna, da Segunda Divisão, ele foi impedido pelo treinador Ismail Youssef, que ficou surpreso quando viu seu nome e descobriu sua religião.

    “Ele devolveu minha identidade e saiu da sala. O contratado que participou da reunião me disse depois que Youssef não gosta de trabalhar com cristãos”, conta o atleta. O El Gouna negou a discriminação contra cristãos e disse que esta era uma “justificava” de jogadores que têm “pobres talentos”, segundo o site Express.

    “Nós enfrentamos discriminação em todos os níveis”, revelou a cristã Mina Milad. “O futebol é um jogo popular e eles acreditam que os coptas não devem obter a fama e a riqueza de um jogador de sucesso”.

    Apenas um jogador cristão, Hany Ramzy, conseguiu fazer parte da seleção egípcia e outros poucos atletas conseguiram entrar em clubes do país. Ramzy costuma ser mencionado sempre que há uma denúncia de discriminação contra os coptas, mas é citado como uma exceção que põe a regra à prova.

    “É triste ver crianças cristãs crescendo com o sonho de representar o Egito em uma Copa do Mundo sabendo que, a menos que algo seja feito para mudar a discriminação sistemática, isso nunca acontecerá”, lamenta Michael Jones, um empresário egípcio cristão.

    Os cristãos representam cerca de 10% da população do Egito, mas nenhum dos 122 atletas que disputaram o Egito nos Jogos Olímpicos de 2016 eram coptas.

    A organização Solidariedade Copta apresentou uma queixa ao Comitê Olímpico Internacional, afirmando que a ausência de cristãos foi “produto da discriminação enraizada que existe na administração do atletismo e do futebol no Egito, e na sociedade egípcia em geral”.

    Outro disse que o único caminho livre de discriminação eram as ligas organizadas pela igreja cristã no Egito, que não tinham um perfil suficientemente alto para atrair a atenção de ligas estrangeiras e lucrativas.

    FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE PORTAS ABERTA

    quarta-feira, 27 de junho de 2018

    PAIS DE MEIA DA SELEÇÃO NIGERIANA ERAM CRISTÃOS PERSEGUIDOS

    Filho de pastor, Victor Moses perdeu os pais em conflito religioso em 2000

    O jogador tem uma história de vida interessante como filho de cristãos perseguidos (Foto: Fair Play)

    A estrela da seleção nigeriana, Victor Moses, que joga como meia, é natural de Kaduna, capital do estado de Kaduna, região marcada por hostilidade religiosa entre muçulmanos e cristãos.

    O jogador tem uma história de vida interessante como filho de cristãos perseguidos. Seu pai era pastor, o que garantia à família certa estabilidade econômica. Em 2000, durante um conflito entre os dois grupos religiosos, seus pais, Austine e Josephine, foram assassinados na própria casa. Uma das causas do conflito foi a introdução da lei sharia (conjunto de leis islâmicas) no estado de Kaduna. Foram cinco semanas de atentado, com cerca de 5 mil mortos.

    Quando perdeu os pais, Moses estava jogando, e recebeu a notícia através de um tio. Então ele teve que fugir para a Inglaterra, onde foi recebido por uma família de Londres e passou a viver como refugiados. Não muito tempo depois, começou a jogar profissionalmente, passando por vários times ingleses.

    Hoje, aos 27 anos, ele joga no Chelsea e disputa pela segunda vez a Copa do Mundo pela seleção da Nigéria. Os conflitos na Nigéria continuam, com ataques quase diários. O mais recente ocorreu no último fim de semana, matando muitos cristãos. Ore pelos cristãos perseguidos da Nigéria, país que ocupa a 14ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2018.

    A República Federal da Nigéria

     A REPÚBLICA FEDERAL DA NIGÉRIA

    • Fonte de Perseguição: Opressão islâmica
    • Capital Abuja
    • Região África Subsaariana
    • Lider Muhammadu Buhari
    • Governo República
    • Religião Islamismo 50%, cristianismo 40%, crenças nativas 10%
    • Pontuação 77

    POPULAÇÃO
    191.8 MILHÕES

    POPULAÇÃO CRISTÃ
    88.9 MILHÕES


    Fonte: Jornal de Brasilia
    Fonte https://www.portasabertas.org.br

    terça-feira, 26 de junho de 2018

    Apesar da derrota, Seleção do Panamá ora e dá testemunho

    Nem os 6 a 1 tiraram o ânimo dos jogadores

    por Jarbas Aragão

    Resultado de imagem para huddle
    Jogadores do Panamá oram juntos após o jogo da Copa do Mundo contra a Inglaterra. (Foto: Reuters)

    De joelhos no meio do campo, e orando juntos, vários com as mãos levantadas para o céu. Foi assim que a Seleção do Panamá agradeceu a Deus após o segundo jogo da Copa do Mundo. Apesar dos 6 a 1 da Inglaterra, na segunda derrota que decretou sua eliminação, os jogadores deram um belo testemunho de fé no campo.

    Eles já haviam feito o mesmo no primeiro jogo, dia 18, contra a Bélgica, onde foram derrotados por 3 a 0.

    Conforme mostraram as câmaras, tanto os jogadores em campo quanto os torcedores nas arquibancadas comemoraram o único gol de seu time como uma grande vitória.

    A imagem dos jogadores orando correu o mundo.

    Baloy escreveu em seu perfil no Twitter: “Graças a Deus, graças à minha família e graças ao Panamá, uma meta histórica para o meu país, os sonhos são realizados com base no trabalho e no esforço. #FéEmDeus”.

    Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br Com informações de Evangelico Digital

    segunda-feira, 25 de junho de 2018

    ELIMINADO DA COPA, EGITO ELIMINA TAMBÉM JOGADORES CRISTÃOS

    Egito, Arábia Saudita e Marrocos – muito em comum, inclusive a perseguição aos cristãos

    Ore pela Igreja Perseguida no Egito

    Com apenas um gol marcado até agora – de pênalti por Salah – o Egito perdeu os dois primeiros jogos e entra em campo hoje contra a Arábia Saudita já eliminado. O jogo será só para cumprir tabela, porque a Arábia Saudita (sem nenhum gol) também já está eliminada. Junto com o Marrocos, eles formam os três primeiros países a dizer adeus à Copa. Os três têm em comum o fato de serem majoritariamente muçulmanos – e também de perseguirem as minorias cristãs.

    Em toda a história do futebol no Egito, houve apenas cinco cristãos entre os que atingiram os níveis mais altos na categoria. O jogador cristão Mina Bendary, de 22 anos, contou à Agência France Press que seu nome cristão foi uma "barreira intransponível" para a busca de uma carreira no futebol profissional.

    Por isso, ele criou uma academia de futebol para jovens jogadores (de 15 a 17 anos), chamada Je suis (eu sou, em francês), em Alexandria três anos atrás, para oferecer-lhes um caminho alternativo. Bendary explicou que jogadores cristãos “são rejeitados pelos times assim que pronunciam seus nomes, independentemente de seu desempenho”. E acrescenta que isso aconteceu com ele em várias ocasiões, e que ele e outros cristãos chegaram a ser convidados a jogar com um nome muçulmano.

    PERSEGUIÇÃO NO MUNDO DOS ESPORTES

    Um dos meninos da academia criada por Bendary, Mina Samir, 17, compartilha sua experiência. Diz que quando foi escolhido para uma partida decisiva, e o treinador perguntou seu nome, foi nítido sua perda de entusiasmo quando ele respondeu “Mina” – um nome tipicamente cristão. O treinador nunca mais entrou em contato com ele.

    Embora os cristãos sejam 10% da população egípcia, as portas dos times profissionais continuam fechadas para eles. O preconceito não se limita ao futebol. Nenhum atleta cristão egípcio participou das Olimpíadas de 2016 no Brasil. Em uma reclamação ao Comitê Olímpico Internacional, eles notificaram a ausência de cristãos no futebol profissional como “um produto de uma discriminação enraizada que existe na administração do futebol e do atletismo do Egito, e na sociedade egípcia como um todo”.

    A Associação Egípcia de Futebol nega qualquer tipo de discriminação religiosa. Um dos diretores disse: “A primeira coisa que ouvimos nesta associação é que não há discriminação”. Ore pelos cristãos do Egito, país que ocupa a 17ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2018.

    República Árabe do Egito

     REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO

    • Fonte de Perseguição: Opressão islâmica
    • Capital Cairo
    • Região Oriente Médio
    • Lider Abdel Fattah al-Sisi
    • Governo República
    • Religião Islamismo, cristianismo
    • Pontuação 70

    POPULAÇÃO
    95.2 MILHÕES

    POPULAÇÃO CRISTÃ
    9.5 MILHÕES


    Fonte: https://www.portasabertas.org.br

    sábado, 23 de junho de 2018

    Missionários evangelizam nas ruas de Moscou durante a Copa do Mundo

    Folhetos, flash mob e oração são algumas das estratégias


    por Jarbas Aragão
    Resultado de imagem para pedestrian
    Evangelismo na Copa do Mundo da Russia. (Foto: Divulgação)

    A evangelização e pregação pública vêm sendo restringidas pelo governo russo nos últimos anos. Juntamente com pastores russos, missionários europeus da missão Steiger estão anunciando Jesus através de “atividades criativas”.

    Os olhos do mundo estão voltados para a Copa. Enquanto a bola rola nos estádios, centenas de milhares de torcedores reúnem-se em diferentes lugares de Moscou e nas demais sedes do país.

    Em algumas delas, o pessoal da Steiger procura falar sobre o esporte, criar laços e distribuir literatura cristã aos interessados. “Estamos entusiasmados com a oportunidade de compartilhar o Evangelho nas ruas da Rússia, com pessoas de diferentes igrejas e países”, explica Angela Tkachenko, uma das líderes do projeto.
    Leia mais

    Ela esclarece que como há pessoas de vários países, todo o trabalho é desenvolvido em diferentes línguas, mas com o mesmo objetivo. “Optamos por métodos criativos, como “O barco da fortuna” (um barquinho cheio de versículos bíblicos), “A cadeira da cura” (onde a pessoa senta e recebe uma oração), “Deixe e Leve” (espaço para as pessoas escreverem seus pensamentos, trocando os papéis por cartões com versos da Bíblia), e também fazemos flash mob”, detalha Tkachenko.

    Em várias ocasiões, alguém simplesmente pega um microfone e faz uma pregação ao ar livre ou dá seu testemunho de vida.

    Essa não é a primeira Copa que os missionários da Steiger participam. Conforme a líder explica, “muitas pessoas, mesmo no meio da multidão, sofrem de solidão. Quando percebem que alguém está disposto a ouvi-las, abrem o coração. Elas recebem oração e uma chance de tomar uma decisão por Cristo”.

    Quando uma pessoa dá esse passo de fé, os missionários a convidam para um breve estudo bíblico, em uma cafeteria ou algum espaço nas igrejas envolvidas. Dentro do possível, recebem orientação de como se envolver com uma congregação no lugar onde moram. 

    Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br com informações de Evangelico Digital

    sexta-feira, 22 de junho de 2018

    Pessoas preocupam-se mais com o sentido da vida durante a madrugada

    Análise de 800 milhões de publicações em rede social indica tendências de comportamento

    por Jarbas Aragão

    Menino olhando os céus. (Foto: Divulgação)

    Um estudo complexo, realizado por Cientistas da Universidade de Bristol (Inglaterra) avaliou tendências de comportamento usando Inteligência Artificial (AI) para analisar dados de 800 milhões de tweets, postados ao longo de quatro anos.

    Eles conseguiram identificar como nossas prioridades mudam durante o dia e determinar os padrões de comportamento revelados pelas publicações em rede social. Após separar as mensagens em blocos de uma hora, acreditam que conseguiram detectar como funciona o pensamento coletivo dos usuários.

    Ao estudar o tipo de linguagem utilizada em 7 bilhões de palavras, os especialistas descobriram evidências de diferentes padrões emocionais e cognitivos evidenciando o modo de pensar da sociedade atual. O rastreamento do uso de palavras específicas, associadas a 73 indicadores que ajudam a interpretar informações sobre o estilo de pensamento individual, revelou a mudança no humor dos usuários durante o dia.

    Na publicação científica que foi divulgada ontem (20), os autores do estudo explicam: “A população acorda com emoções positivas elevadas e mostra isso por volta das 6h da manhã. Nas duas horas seguintes, após o início do dia de trabalho já demonstra um humor relativamente ruim, caracterizado por emoções positivas baixas e tristeza aumentada.”

    Pensamento analítico e emoções positivas alcançam o pico por volta das 10h, enquanto no final do dia, um tom mais negativo foi observado. A hora do rush é o momento em que pensamos mais sobre trabalho, poder, dinheiro e realizações.

    Depois do jantar, é mais provável que estejamos preocupados com sexo e relacionamentos, e nas primeiras horas da madrugada são quando pensamos sobre os problemas da vida. Para os que permanecem acordados, entre 3h e 5h os principais assuntos de interesse são questões existenciais, como a morte e a religião. A linguagem emocional observada pelos pesquisadores é majoritariamente negativa.

    Os pesquisadores também identificaram uma diferença nos estilos de escrita ao longo da semana, com as manhãs de domingo sendo o momento em que os usuários da plataforma estavam no melhor humor.

    Nello Cristianini, professor de Inteligência Artificial em Bristol e líder do projeto, disse: “A análise do conteúdo da mídia, quando feita corretamente, pode revelar informações úteis para as ciências sociais e biológicas. Ainda estamos tentando aprender como aproveitar isso ao máximo”. Ele afirma que o estudo é pioneiro, mas que pode abrir portas para análises mais complexas sobre o comportamento humano num futuro próximo. 

    Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br Com informações Daily Mail

    quinta-feira, 21 de junho de 2018

    "A perseguição é um privilégio", diz mulher espancada por ser cristã na Índia

    A jovem de 22 anos foi espancada e expulsa de sua própria vila, simplesmente por acreditar em Jesus.

    Cristãs participam de culto na Índia. (Foto: Christian Today)

    Bahia atravessou a ponte enquanto os aldeões a perseguiam. Ela não se lembra exatamente do que aconteceu, mas ela caiu e perdeu a consciência. Os aldeões a pegaram do riacho onde havia caído, a acordaram e depois a espancaram.

    Bahia era cristã há quase sete anos, mas esta foi a primeira vez que ela foi atacada por causa de sua fé em Jesus. Havia quatro famílias cristãs em sua aldeia. Durante um tempo houve cinco, mas uma das famílias sofreu tanta pressão que não resistiu e voltou ao hinduísmo. Apenas um menino de 16 anos daquela quinta família permaneceu fiel a Jesus. Ele é agora um cristão que vive sua fé secretamente. Bahia, que é uma líder do grupo de células, às vezes orava com ele.

    Depois que Bahia chegou à fé cristã, seu irmão ficou tão doente que os médicos não puderam mais ajudar. A mãe da Bahia pediu-lhe que orasse e Deus curou seu irmão. A mãe de Bahia também se entregou a Jesus, mas o pai e o irmão da moça ainda não o fizeram.

    Bahia e sua mãe foram repreendidas e perseguidas por deixarem o hinduísmo. Isso foi difícil, mas foi leve em comparação com o que aconteceu há alguns meses. Uma senhora da aldeia faleceu e, por alguma razão, os cristãos foram culpados por isso. Bahia e os outros foram expulsos da aldeia e fugiram para a mata.

    O ataque

    Na noite em que os cristãos começaram a ser hostilizados e culpados pelo falecimento daquela senhora, eles puderam ir para outra cidade, onde dormiram em uma igreja. No dia seguinte, eles voltaram para sua aldeia, mas os extremistas os esperavam com mais ódio.

    “Fomos agredidos verbalmente e os líderes da nossa aldeia realizaram muitas reuniões para falarem sobre nós. Mas nós não vimos a violência chegando. Foi uma semana depois que voltamos para a aldeia que fomos atacados. Tudo aconteceu tão de repente", contou a moça.

    Bahia segurou sua Bíblia quando alguns dos aldeões a arrastaram para fora de sua casa. Mulheres e homens a espancaram com as mãos. Eles a atingiram onde quer que pudessem.

    Ela gritou: "Por que você está me batendo?".

    "Você é Cristã! Você tem que sair daqui. Esta não é a sua casa", responderam os agressores.

    "Eu moro aqui. Esta é a minha casa", ela gritou de volta para eles.

    "Vá embora deste lugar", os aldeões disseram a ela mais uma vez.

    Ela foi incapaz de se proteger dos golpes e começou a sangrar. Uma pessoa segurava o braço esquerdo e outra o direito. Ela apertou sua Bíblia com força sob o braço e protegeu-a o máximo que pôde.

    Finalmente, alguém arrancou a Bíblia de seus braços, dizendo: "Vamos queimar este livro".

    Eles a arrastaram para longe. Enquanto eles a puxavam pela aldeia, uma imagem surgiu em sua mente: uma imagem de Jesus sendo empurrado e chutado para o Calvário.

    Bahia perdeu a consciência e não se lembra mais do que aconteceu depois daquilo. Ela acordou já em uma floresta. Sua mãe, que também fora espancada e tinha uma ferida logo abaixo do olho, a trouxera para um lugar seguro. Os outros 19 cristãos da aldeia também estavam lá. Um deles telefonou para a polícia. Os policiais só chegaram tarde da noite e trouxeram os outros aldeões com eles.

    "A polícia simplesmente disse a todos que devemos viver juntos em paz. Então eles foram embora. Voltamos para a aldeia novamente", disse Bahia.

    Mas alguns dias depois os aldeões tornaram-se agressivos novamente. Eles chamaram os cristãos para outra reunião.

    “Nós nos recusamos a desistir de nossa fé, o que os deixou muito zangados”, disse Bahia. “Eles se tornaram agressivos porque éramos tão persistentes em seguir a Jesus. Eles nos mandaram deixar a aldeia, dizendo: 'Os cristãos pertencem a países estrangeiros".

    Desta vez, os cristãos deixaram sua aldeia e Bahia decidiu não retornar por um tempo. Ela foi para uma escola bíblica em vez disso.

    "Por quê? Porque quando nos expulsaram da aldeia, ameaçaram me estuprar ou me matar se eu voltasse. A situação na aldeia ainda não foi resolvida. Eu quero passar mais tempo aprendendo sobre Deus para que um dia eu possa voltar para lá com o evangelho. Essa é a promessa que fiz à minha mãe. É o meu profundo desejo de compartilhar a palavra de Deus", afirmou.

    "Eu quero dizer a todos eles que Jesus não morreu apenas por estrangeiros. Ele morreu por todos. Essa é a minha mensagem para as pessoas da minha aldeia, para as pessoas na Índia e para as pessoas fora do nosso país", acrescentou.

    Uma mensagem de Bahia a todos os cristãos

    Parceiros locais da Missão Portas Abertas encontraram a Bahia quando ela estava em passando necessidade, desesperada. Os missionários atenderam suas necessidades básicas.

    "Esse apoio foi tão significativo", disse Bahia. "Eu não tinha dinheiro nem roupas. Então vocês me trouxeram isto".

    Os missionários perguntaram se ela tem uma mensagem para as pessoas que trabalham com missões na Índia. Eles esperavam um "obrigado", mas ela disse algo completamente diferente e estendeu a mensagem a todos os cristãos.

    "Não tenham medo quando a perseguição chegar até vocês. Faz parte da vida cristã. É um privilégio ser perseguido. Não fique triste ou desanimado", disse.

    Os missionários perguntaram se ela tinha algum pedido de oração específico e novamente sua resposta foi impactante e sincera.

    "Por favor, orem para que Deus me ajude a viver de acordo com a minha visão: compartilhar a Sua Palavra com os incrédulos. Especialmente na minha aldeia, mas também em outros lugares onde a Palavra de Deus sofre perseguição. Eu também tenho um desejo profundo de que meu pai e meu irmão tenham fé em Jesus", explicou

    Bahia tem 22 anos e é uma estudante cristã da Índia que sangrou por Jesus. Esse é o futuro da igreja indiana.

    FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA PORTAS ABERTAS

    quarta-feira, 20 de junho de 2018

    EUA abandona Conselho de Direitos Humanos da ONU

    Embaixadora acusa o órgão de ser "hipócrita" e manter "viés anti-Israel crônico"

    por Jarbas Aragão

    Resultado de imagem para trump at the united nations
    Donald Trump na ONU. (Foto: CNN)

    Na noite desta terça-feira (19), os Estados Unidos anunciaram sua saída do Conselho de Direitos Humanos da ONU, acusando o órgão de hipocrisia. Segundo os norte-americanos, nenhum outro país “teve a coragem de se juntar à nossa luta” para reformar a organização.

    A embaixadora Nikki Haley afirmou: “Ao fazermos isso, quero deixar bem claro que este passo não é um recuo em relação aos nossos compromissos com os direitos humanos”. Entre os motivos para o abandono desse conselho estão as duras críticas ao governo dos EUA e sua política de “tolerância zero” contra imigração na fronteira com o México.
    Leia mais

    Outra questão que pesou na decisão são as constantes decisões do órgão contra Israel. “Quando o conselho trata Israel pior do que a Coreia do Norte, Irã e Síria é indigno de seu nome”, disse Haley em uma sessão.

    Na verdade, desde o ano passado Washington estava analisando sua desfiliação e chegou a pedir uma reforma e a eliminação do “viés anti-Israel crônico”. O Conselho de Direitos Humanos, criado em 2006, sempre teve em sua agenda as supostas violações cometidas por Israel nos territórios palestinos ocupados.

    Atualmente, fazem parte desse Conselho países como Afeganistão, Congo, Nigéria, Paquistão, China e Arábia Saudita, que sabidamente estão envolvidos em violações de direitos humanos e nunca são sancionados por causa disso. Com informações das agências

    Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br/

    terça-feira, 19 de junho de 2018

    Trump conta testemunho de ex-detento em discurso: "A oração transforma vidas"

    O presidente americano, Donald Trump, destacou o poder transformador da fé em discurso no Dia Nacional de Oração.
  •  
  •  
  • google plus
  •  
  • pinterest
  • O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, aproveitou o Dia Nacional de Oração, promovido na Casa Branca no dia 3 de maio, para contar um testemunho que destaca o poder da oração.

    Durante seu discurso, Trump chamou ao pódio dois homens que hoje trabalham juntos para resgatar detentos: Jon Ponder, um ex-ladrão de bancos e Richard Beasley, o agente do FBI que realizou sua prisão.

    "Sua história nos lembra que a oração muda corações e transforma vidas", disse Trump à multidão reunida no Jardim das Rosas da Casa Branca. “[A oração] eleva a alma, inspira a ação e une todos nós como uma nação sob Deus. Tão importante! E aqui nós falamos disso".

    Ponder passou períodos dentro e fora da cadeia desde os 12 anos de idade. Depois de ser detido pela polícia durante assalto a um banco, ele foi enviado a uma prisão de segurança máxima em Allenwood, na Pensilvânia.

    "Jon acabou sendo preso em uma penitenciária federal e condenado ao confinamento em solitária. Foi lá onde Deus o encontrou. Jon começou a ler a Bíblia e ouvir rádio cristã", contou Trump.

    O presidente relatou que, em certa madrugada, Ponder acordou às 2 horas ouvindo a voz do evangelista Billy Graham. "As palavras do pastor Graham soaram pelas ondas de rádio: 'Jesus quer ser o Senhor de sua vida'. Naquela noite, Jon dedicou sua vida a Cristo'", acrescentou.

    "Ele passou o resto do tempo na prisão orando, estudando a Bíblia e compartilhando o Senhor com outros detentos. No dia seguinte à soltura de Jon, um visitante bateu à sua porta. Era o homem que o havia colocado na cadeia, o agente especial do FBI Richard Beasley", relatou Trump.

    Depois que Beasely foi convidado para estar ao lado de Ponder, Trump continuou: "'Quero que você saiba que eu tenho orado por você'. Ele disse isso, firmemente. 'Deus me chamou ao FBI, em parte, por sua causa Jon'. Os dois têm hoje uma amizade de anos".


    Donald Trump falou sobre o ex-detento Jon Ponder (à esquerda) no Jardim das Rosas da Casa Branca. (Foto: AP Photo/Susan Walsh)

    Atualmente, Ponder é presidente da organização Hope for Prisoners, que ajuda ex-presidiários a seguirem novos rumos. "Jon lidera um ministério que ajudou mais de 2 mil ex-detentos a se reintegrarem à sociedade”, destacou o presidente.

    “Jon e Richard, vocês são testemunhos vivos do poder da oração", disse Trump, concluindo seu discurso. "Nosso país foi fundado em oração, nossas comunidades são sustentadas em oração e nossa nação será renovada pelo trabalho duro, muita inteligência e oração".

    FONTE: GUIAME