quinta-feira, 27 de abril de 2017

Jogador do Chelsea teve pais mortos por serem missionários, na Nigéria

Os pais de Victor Moses foram alvo de terroristas islâmicos por serem missionários e terem sua própria igreja, na Nigéria.

Hoje, Victor Moses é titular da ala direita do Chelsea, líder do Campeonato Inglês. (Foto: Reprodução)
Hoje, Victor Moses é titular da ala direita do Chelsea, líder do Campeonato Inglês. (Foto: Reprodução)
Victor Moses tinha apenas 11 anos quando foi avisado por um tio que seus pais, Austin e Josephine, estavam mortos.

Em meio às tensões entre muçulmanos e cristãos, eles foram alvo de grupos terroristas islâmicos por serem missionários e terem sua própria igreja em Kaduna, cidade de 750 mil habitantes na Nigéria.

Depois que os pais de Victor foram assassinados, o pequeno se tornou o próximo alvo. Para que ele escapasse da morte, alguns amigos o esconderam por uma semana até que conseguiram enviá-lo sozinho para a Inglaterra.

Asilado político pelo Reino Unido, o garoto foi adotado por uma nova família na Europa e encontrou tranquilidade para cumprir seu destino de jogar futebol profissionalmente.  

Hoje, Victor é titular da ala direita do Chelsea, líder do Campeonato Inglês e favorito à conquista da Premier League. No entanto, ele continua guardando os ensinamentos e princípios passados a ele por seus pais.

“Estejam onde estiverem, espero que eles estejam orgulhosos de mim, que eles olhem aqui para baixo e se encham de orgulho. Foi uma viagem longa [da Nigéria até a Inglaterra] e tive de me manter forte e trabalhar duro para chegar até aqui””, disse ele ao jornal britânico The Guardian, em 2012.  

Cenário de perseguição

Segundo a organização Portas Abertas, a Nigéria tem sofrido um intenso aumento nos casos de perseguição aos cristãos ao longo dos anos. Cerca de 11.500 cristãos foram mortos no norte do país entre 2006 e 2014, e 13 mil igrejas foram destruídas, forçando 1,3 milhões de cristãos a fugirem para áreas mais seguras do país.

Apenas em 2015, o número de cristãos mortos na região aumentou em 62%, deixando 4.028 vítimas e 198 igrejas atacadas, de acordo com o relatório.

As agências de segurança e o governo nigeriano recentemente ameaçaram os líderes cristãos que se manifestaram sobre os ataques do grupo extremista islâmico Boko Haram e dos Pastores Fulani.

Além disso, o ainda governo ordenou, na última semana, o cancelamento de um dia de oração e de luto nacional em apoio às famílias que perderam seus entes queridos em razão da perseguição religiosa.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE UOL

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Membros do gabinete de Trump se reúnem semanalmente para orar e estudar a Bíblia

As reuniões são lideradas por um pastor que atua na Casa Branca. Dentre os participantes estão o vice-presidente dos EUA e o diretor da CIA.

Presidente Donald Trump ora durante evento National Prayer Breakfast, em Washington. (Foto: Reuters/Carlos Barria)
Presidente Donald Trump ora durante evento National Prayer Breakfast, em Washington. (Foto: Reuters/Carlos Barria)
A cada semana, membros do gabinete do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se reúnem na Casa Branca para a oração e estudo da Bíblia Sagrada.

As reuniões são lideradas pelo pastor Ralph Drollinger, fundador da organização Capitol Ministries, que oferece estudos bíblicos, evangelismo e discipulado para os líderes políticos. Drollinger começou a atuar em Washington no início do governo Trump.

Dentre os participantes estão o vice-presidente Mike Pence e oito secretários de gabinete, como Betsy DeVos, Ben Carson, Sonny Perdue, Rick Perry, Tom Price e Jeff Sessions; o administrador da Agência de Proteção Ambiental, Scott Pruitt e o diretor da Agência Central de Inteligência (CIA), Mike Pompeo.

“Em termos de saúde e direcionamento de um país, quando seus líderes estão buscando a Deus, a nação fica na posição de ser abençoada por Deus ‘infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos’”, disse Drollinger se referindo ao trecho bíblico de Efésios 3:20.

O Capitol Ministries também conduz estudos bíblicos semanais na Câmara e no Senado dos EUA. O ministério iniciou os estudos bíblicos em uma série de assembléias legislativas e está atualmente trabalhando na expansão para centros legislativos internacionais.

“Este tem sido um tempo maravilhoso de oração e comunhão”, disse Drollinger. “Atualmente, eu estou dando ensinos através do Sermão da Montanha. Assim, eu distribuo um estudo semanal da Bíblia como uma lição de casa sobre um determinado tema”.

Os líderes do estudo bíblico afirmam que o presidente Donald Trump é sempre bem-vindo para se juntar a eles.

oração e participação de líderes cristãos tem sido parte da administração de Trump durante toda a campanha. Muitos pastores tem incentivado os membros de suas igrejas a orarem pelo presidente americano.

“Devemos cobrir o presidente em oração”, disse o pastor Carl Gallups. “É óbvio que o reino demoníaco está agitado por sua presença, também é óbvio que a agenda do anticristo está furiosa com a presidência. Estes são sinais para aqueles que sabem que Trump está sendo usado pelo Senhor nestes tempos proféticos.”

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE CBN NEWS

terça-feira, 25 de abril de 2017

Homem ameaça esposa de morte por frequentar igreja, no Mato Grosso do Sul

A mulher estava participando de um culto quando o marido disse que iria retirá-la à força e agredi-la.

Homem é contra participação de esposa na igreja. (Foto: Divulgação/Polícia Militar)
Homem é contra participação de esposa na igreja. (Foto: Divulgação/Polícia Militar)
Uma mulher passou a conviver com ameaças de morte do marido por começar a frequentar uma igreja na cidade de Itaporã, no Mato Grosso do Sul.

Ela estava participando de um culto quando o homem de 56 anos chegou e disse que iria retirá-la à força e agredi-la, caso ela não saísse por conta própria.

Com medo, a vítima foi para casa, onde teria sido ameaçada de morte caso voltasse a frequentar a igreja, de acordo com a Polícia Militar.

O homem foi preso neste domingo (23) e levado para a delegacia juntamente com a esposa. O caso foi registrado como violência doméstica.

Casos como este costumam acontecer em países onde a liberdade religiosa é restringida. No ano passado, um muçulmano de 34 anos, estrangulou sua esposa até a morte por ela ter abandonado o islamismo, no leste de Uganda.

O crime aconteceu na manhã do dia 8 de maio, no Distrito de Mayuge. Segundo vizinhos e parentes, Mariam Nakirya foi morta aos 30 anos pelo marido por ter se convertido ao cristianismo.

Outro caso aconteceu com Gulzhan, que era espancada pelo marido sempre que ele a via lendo a Bíblia. A mulher permaneceu indo à igreja, no entanto, a raiva de seu companheiro continuava, sem qualquer sinal de desistência.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE G1

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Missionários muçulmanos chegam ao Amazonas

Grupo de paquistaneses percorre cidades para divulgar sua religião


por Jarbas Aragão
Missionários muçulmanos chegam ao Amazonas

Nesta semana começaram a circular pelas redes sociais imagens de um grupo de “missionários” islâmicos, que estariam percorre cidades do Amazonas para divulgar sua religião.

A afiliada do SBT do Amazonas mostrou em reportagem que oito muçulmanos estão na pequena cidade de Iranduba, na região metropolitana de Manaus. Como era esperado, despertaram a curiosidade da população local.

O site local, “Em Tempo” entrevistou o empresário Mahmoud Mouas, que faz parte da diretoria do Centro Islâmico do Amazonas. Ele afirmou que esses muçulmanos são paquistaneses e fazem parte de um grupo de divulgação religiosa. O objetivo seria visitar comunidades muçulmanas em várias cidades brasileiras.

“São pessoas pacíficas, que apenas estão fazendo trabalho de divulgação da fé”, garantiu.

A presença de missionários e pregadores islâmicos não é novidade em grandes cidades, onde existem mesquitas. Contudo, chamou atenção o fato deles estarem no interior do país, especialmente por ocorrer poucos dias após a aprovação do Projeto de Lei 2.516/15, que cria a Lei das Migrações.

Para muitos, a nova legislação irá abrir demasiadamente as fronteiras do país, pois oferece aos estrangeiros uma inédita condição de igualdade com os nacionais.

Assista reportagem do SBT:





























Fonte:https://noticias.gospelprime.com.br







Fonte:https://noticias.gospelprime.com.br

domingo, 23 de abril de 2017

Que esportes existiam na época de Jesus?

Grécia e Roma dominavam, mas judeus também tinham seus esportes.


Que esportes existiam na época de Jesus?

O mundo era outro quando Jesus nasceu no primeiro ano do calendário cristão, mas desde aquela época os povos já praticavam esportes como lazer e diversão.

Os Jogos Olímpicos, da antiga Grécia, começaram a ser realizados no século 8 a.C., e permaneceram até o século 4 d.C. Roma também tinha seus próprios jogos: uma série de eventos que serviam de espetáculo ou circo e que iam desde corridas de quadrigas até o boxe, passando pelas não tão esportivas competições de gladiadores, que estavam em seu ápice.

A primeira referência esportiva dos hebreus é encontrada dois séculos antes do nascimento de Jesus. Em 175 a.C., um sumo sacerdote de Jerusalém chamado Jasão construiu um estádio de estilo grego, com espaço para praticar luta, boxe, natação e outras modalidades, em uma tentativa de “helenizar” a cidade.

Alguns textos acusam a Jasão de impor o estilo de vida grego as pessoas, incluindo a prática de esportes. A Enciclopédia Judia na internet relata que os esportes se tornaram uma moda tão forte (inclusive entre os rabinos), que os mais conservadores ficaram horrorizados.

Mais perto do nascimento de Jesus, o rei Herodes reintroduziria o atletismo na vida judia com a construção de um novo estádio no século 7 a.C. e criação de jogos periódicos para honrar César. Porém, em vez de ficarem impressionados, “os judeus os desprezaram como esportes pagãos, que não só corrompiam os costumes do povo judeu, como também os levavam a descumprir a lei de Moisés e, por isso, eles condenaram (os jogos) veementemente”, declara a Enciclopédia Judia.

No Antigo Testamento, são citadas algumas modalidades de jogos, mas os especialistas as relacionam muito mais com a caça ou a defesa do que com a ideia de um atleta dedicado, no conceito atual na prática esportiva.

Esporte era prática do povo inimigo

“O fato é que havia muito pouca atividade esportiva na época que Jesus nasceu”, disse à BBC Joshua Schwartz, professor de geografia e história antiga de Israel na Universidade de Bar-Ilan, em Ramat-Gan, Israel. “Não havia jogos organizados pelos judeus.”

A razão era primeiro política, conforme relatou Schwartz, que estudou amplamente o tema com ênfase especial nos jogos que as crianças da época jogavam. “Não é que os judeus eram contra a prática do exercício em si. O problema era que os esportes eram considerados algo helenístico, algo identificado com o mundo greco-romano. E você não iria querer jogar os jogos do seu inimigo.”
Então quais esportes os judeus podiam praticar?

“Havia jogos com bola, porém informais. Diferentes variações de brincadeiras de jogar e agarrar. Lançar uma bola contra a parede, fazê-la rolar pelo chão. Mas você não vai encontrar um ‘Galileia United’ jogando contra um ‘Real Nazaré’ na época”, ironizou Schwartz.

As bolas eram feitas com tecidos amarrados e costurados. Quanto mais dinheiro a pessoa tivesse, mais bonita era sua bola. Além disso, as crianças brincavam imitando seus pais, os soldados, e faziam corridas de carrinhos. Tudo isso que poderia ser considerado “esporte” somente num sentido muito mais amplo.

Não sobram nada além das referências bíblicas para sabermos que esportes eram comuns na época. No livro, há referências ao tiro com arco (“E eu atirarei três flechas para aquele lado, como se atirasse ao alvo”. Samuel 1, 20-22) ou lançamento com funda, uma espécie de estilingue (“Entre todo este povo havia setecentos homens escolhidos, canhotos, os quais atiravam com a funda uma pedra em um cabelo, e não erravam”. Juízes 20, 16).

Os especialistas concordam que há documentos que indicam que os judeus eram bons nessas atividades. Mas eles não as praticavam de forma consistente, como atividade física.

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

sábado, 22 de abril de 2017

Presidente de Israel diz que perseguição aos cristãos é “mancha na humanidade”


Israel é único país do Oriente Médio que não faz perseguição religiosa

por Jarbas Aragão

Presidente de Israel diz que perseguição aos cristãos é "mancha na humanidade"

O presidente de Israel Reuven Rivlin disse que a perseguição aos cristãos é “uma mancha na humanidade”. Durante um encontro com o chefe do Patriarcado Latino de Jerusalém, o Patriarca Ortodoxo Grego e outros líderes cristãos, o governante analisou a situação dos cristãos no Oriente Médio.

Rivlin lembrou dos ataques recentes de grupos extremistas como o Estado Islâmico contra os coptas na Península do Sinai, Egito, bem como repetidos ataques na Síria e no Iraque.

“Eu digo a vocês aqui, nossos irmãos cristãos de Jerusalém, estamos com vocês neste momento difícil”, asseverou o presidente. “Todos nós vimos as fotos da Síria. Visitei alguns dos feridos que estavam sendo tratados em hospitais israelenses. O que aconteceu lá com a comunidade cristã – e com todo o país – é uma mancha em toda a humanidade “, sublinhou.

Ele enfatizou que o povo judeu “sabe melhor que qualquer outro o que significa orar com medo, e sofrer com terrorismo”. Fez um juramento que Israel “sempre protegerá sua liberdade de culto, sua segurança e a segurança de seus locais sagrados”.

Acrescentou que “isso continua tão verdadeiro hoje quanto era há quase 70 anos, quando declaramos nossa independência”. Finalizou dizendo que “Dentro das antigas muralhas de Jerusalém, podemos celebrar juntos as nossas religiões, podemos ver as nossas comunidades crescerem e – nas pegadas do passado – construir juntos um futuro compartilhado”.

O administrador Apostólico do Patriarcado, Pierbattista Pizzaballa, comemorou as declarações de Rivlin, dizendo: “Agradecemos sua solidariedade e palavras claras para com os cristãos”.

O Patriarca Ortodoxo Grego Teófilos III observou que “no mundo atual, cheio de confusão e perigo, a Terra Santa é o único lugar onde as pessoas podem se refugiar. Isso ficou claro nestes dias santos [Páscoa] quando recebemos milhares de peregrinos vindos do Oriente e do Ocidente”.

Israel é o único país do Oriente Médio onde não há perseguição aos cristãos. Com informaçõesUnited with Israel

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Após 8 anos, ONU reconhece instituição cristã que ajuda a Igreja Perseguida

Com o credenciamento, a organização 'Christian Solidarity Worldwide' poderá oferecer mais proteção e ajuda aos cristãos perseguidos.

Nos últimos anos, a CSW tem se concentrado na perseguição de cristãos em países tão diversos como o Paquistão, China e Cuba. (Foto: Reprodução).
Nos últimos anos, a CSW tem se concentrado na perseguição de cristãos em países tão diversos como o Paquistão, China e Cuba. (Foto: Reprodução).
A Christian Solidarity Worldwide (CSW), uma das principais organizações anti-perseguição do Reino Unido, recebeu da ONU um credenciamento que há muito era aguardado. A organização, que tem sede em Londres e faz campanhas para a proteção dos cristãos em todo o mundo, aguardou durante oito anos para receber o reconhecimento.

O Chefe do Executivo, Mervyn Thomas, saudou a decisão do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas (ONU). Ele disse: "Este é um dia significativo para a CSW. Essa creditação da ONU nos permitirá avançar em nosso trabalho para promover o direito à liberdade religiosa e de crença em todo o sistema das Nações Unidas", declarou.

A decisão de conceder a creditação para a CSW veio em apelo, depois que um pedido anterior havia sido negado em fevereiro. Este cenário de pedidos e adiamentos vinha acontecendo há oito anos.

A agência de notícias AP relata que o embaixador britânico na ONU foi recrutado para combater o caso. Mathew Rycroft disse: "Tem havido discriminação repetida contra ONGs com um enfoque de direitos humanos em particular."

Benefícios

A delegação dos Estados Unidos elogiou o movimento, dizendo: "Essa mudança trará à luz os países que buscam bloquear o acesso das Nações Unidas às organizações que defendem a liberdade de imprensa, que fornecem assessoria jurídica aos prisioneiros e que chamam atenção para a discriminação de todos os tipos", disse.

O Conselho Econômico e Social é composto por representantes de 54 países, dos quais 29 votaram para aprovar o credenciamento da CSW, com nove votos contra e 12 abstenções.
Nos últimos anos, a CSW tem se concentrado na perseguição de cristãos em países tão diversos como o Paquistão, China e Cuba. A organização trabalha para aumentar a consciência entre as igrejas do Reino Unido sobre a situação de cristãos que são perseguidos por sua fé.

O setor de advocacia tem trabalhado bastante em Westminster, em Nova York na ONU, bem como ao lado de outros grupos que trabalham para a liberdade religiosa.

Mervyn Thomas acrescentou: "Embora estejamos satisfeitos com o resultado da votação, as questões levantadas sobre a tendência do comitê da ONG, de adiar repetidamente e negar as aplicações das organizações de direitos humanos precisam ser resolvidas", finalizou.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN TODAY

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Ex-pregador que virou morador de rua tenta se livrar do vício das drogas

“Deus me deu esperança”, afirma Fernando Ribeiro

por Jarbas Aragão
Ex-pregador que virou morador de rua tenta se livrar do vício das drogas


Na pequena Araguaína, norte do Tocantins, o número de moradores de rua chama a atenção. Segundo a administração municipal, são cerca de 100 pessoas. O ex-empresário Fernando Ribeiro é um deles. Estranhamente, ele também era pastor e cantor evangélico.


Sua história foi mostrada pela afiliada da Globo no Tocantins e chamou atenção pelo triste testemunho. Há um ano pedindo dinheiro na Av. Filadélfia, uma das principais da cidade, Fernando é usuário de crack e relata que já fez 13 tratamentos, mas sempre acaba tendo uma recaída.


O ex-líder religioso é natural de Goiás e tem uma vida marcada por fracassos, superações e recaídas. Seu pai era traficante e acabou morrendo por causa disso. Ele entrou para o mundo das drogas na adolescências, mas resolveu lutar contra o vício. Fez tratamento em uma comunidade terapêutica evangélica, onde se converteu.


Fernando chegou a ser pregador itinerante. Atuou como cantor gospel e chegou a gravar CD e DVD. Acabou indo morar em Araguaína, onde congregou na Igreja Batista El-Shaday. “Pregava em muitas cidades”, relembrou um amigo.


Seus dois casamentos foram desfeitos por causa das drogas. Ele também perdeu a empresa e tudo o que possuía. Apesar do sofrimento, diz que tem esperança de se reerguer.


À rede Globo ele contou que acabou virando morador de rua após a separação da ex-mulher. Ele entrou em depressão e voltou com força para o mundo das drogas. A empresa que tinha no ramo de transporte também não deu certo.

“Tive a infelicidade de conhecer o crack, de viciar nisso. Até então eu tento me levantar várias vezes. Tinha certa situação boa, mas fui perdendo empresa, emprego, casa, fiquei sem absolutamente nada. Exatamente sem nada, mas fiquei com uma coisa, com o desejo de vencer”, desabafa Fernando.

Por vezes, o ex-pastor toca violão e relembra as músicas que costumava cantar na igreja. Uma delas diz: “Eu sinto falta de Tua voz. Chamando pra entrar. Eu sinto tanta saudade de caminhar contigo. Saudade do meu amigo. Saudades do meu Pai”.


Fernando lamenta: “São poucos os amigos que param para conversar. E antes eu tinha muitos amigos. Mas muito mesmo”.


Apesar das dificuldades, ele alimenta a expectativa de se recuperar. “Mesmo eu tendo perdido minha empresa, perdido casa, esposa, Deus me deu a felicidade de ter uma esperança. Eu espero que Deus me tire das ruas, me liberte das drogas e me faça pastor Fernando, o cantor, o pregador, o discípulo de Jesus”, confessa.


A história de Fernando comoveu a comunidade evangélica da cidade. Segundo o site Araguaína News, foi montada uma “Operação Resgate” para tirá-lo das ruas e leva-lo a uma clínica. Contudo, depois da exibição de sua história na TV ele não foi mais encontrado.

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Cristianismo em ruínas: um retrato da decadência europeia

Fotógrafo reúne imagens que mostram antigos lugares de culto abandonados

por Jarbas Aragão

Cristianismo em ruínas: um retrato da decadência europeia

O fotógrafo Roman Robroek, de 30 anos e natural da Holanda, está divulgando uma série de imagens de antigos lugares de culto cristão que hoje em ruínas. Ele explica que foi ficando intrigado ao ver em praticamente toda Europa prédios de antigas igrejas vazios, abandonados e se deteriorando.

Revela que a maioria dos lugares que fotografou são de igrejas tanto católicas quanto evangélicas que fecharam por falta de fieis, o que gerou dificuldade de arrecadação para mantê-los aberto e acabaram se deteriorando, embora partes deles mantém uma atmosfera sacra.

As fotos foram tiradas em países como Itália, França, Bélgica e Romênia durante os últimos três anos. Roman diz que é fascinado pela arquitetura dos edifícios abandonados, e explorá-los permanece um de seus passatempos favoritos.

As imagens servem como um retrato da decadência do Cristianismo na Europa
Igreja abandonada na Itália. Foi construída o início do século XVIIEsta igreja na zona rural da Itália foi fundada no século 15, mas o templo foi reformado no século XIX.Igreja abandonada na ItáliaIgreja fechada na PolôniaIgreja abandonada no interior da FrançaIgreja francesaNessa igreja da França os arbustos agora ocupam os espaços onde antes ficavam os bancosIgreja na HolandaUma igreja abandonada na Bélgica

Com informações de Daily Mail

Fonte:https://noticias.gospelprime.com.br

terça-feira, 18 de abril de 2017

Trump cancela uso de verba pública em clínicas de aborto

A assinatura da lei é mais uma medida para restringir o aborto nos Estados Unidos.

A maioria dos americanos se opõem ao apoio financeiro que era realizado a Planned Parenthood. (Foto: Reprodução).
A maioria dos americanos se opõem ao apoio financeiro que era realizado a Planned Parenthood. (Foto: Reprodução).
O presidente dos Estados Unidos Donald Trump se mostrou mais uma vez contra o aborto. O líder assinou uma lei na última quinta-feira (13), em um evento de porta fechada, que permite aos Estados retirarem o financiamento público da Planned Parenthood e empresas que pratiquem o aborto. A rede de clínicas é conhecida por estar envolvida em polêmicas como a venda de tecido de fetos.

A assinatura cancela oficialmente uma regra do governo de Obama que impedia que os Estados negassem certos fundos a rede de hospitais e permitia que os Estados se recusassem a dar fundos à Planned Parenthood e organizações similares.

Retirar a Planned Parenthood dos fundos federais tem sido um dos principais objetivos dos conservadores sociais, embora a lei federal proíba o uso de dinheiro dos contribuintes para pagar abortos, exceto em casos de estupro, incesto ou grave risco para a saúde da mãe.

A nível nacional, a maioria dos americanos, incluindo 48% dos partidários, se opõem ao apoio financeiro que era realizado a Planned Parenthood. O texto foi aprovado por vantagem mínima no Congresso.

Efeito Cascata

Após a assinatura de Trump, outras clínicas dessa rede poderão ser fechadas. Um nome que está em destaque nessa iniciativa é Mike Pence, o vice-presidente, que como governador republicano de Indiana lançou o projeto de lei para retirar todo o financiamento federal da Planned Parenthood.

Após a assinatura, várias organizações conservadoras que incentivaram a lei comemoraram o gesto de Trump. “Dar prioridade à retirada de fundos da Planned Parenthood é uma vitória”, disse Marjorie Dannenfelser, presidente do Susan B. Anthony List, um grupo contra o aborto.

“Esperamos que o Congresso continue com seus esforços para retirar recursos públicos [da organização] através da reforma do sistema de saúde”, ressaltou.

A Planned Parenthood recebe 550 milhões de dólares (1,7 bilhão de reais) todo ano do orçamento federal dos EUA e outros 60 milhões de dólares (189 milhões de reais) dos Estados para cobrir “gastos médicos”. A legislação norte-americana proíbe financiar com recursos públicos os abortos – com exceção de casos de estupros, incesto e se existe perigo à vida da mãe.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO EL PAÍS

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Local do julgamento de Jesus pode ter sido encontrado

Palácio de Herodes foi localizado próximo à Torre de Davi, em Jerusalém

por Jarbas Aragão


domingo, 16 de abril de 2017

Cristãos cantam em frente à tumba vazia de Jesus, em Israel: "Aleluia, O Senhor venceu"

Um grupo de cristãos começou a cantar no 'Jardim da Tumba', em Israel e o vídeo já tem mais 1,5 milhão de visualizações. Clique abaixo para assistir.erest


O 'Jardim da Tumba' é considerado pelos evangélicos, o real local do sepultamento e ressurreição de Jesus. (Foto: Foreign Loren)
O 'Jardim da Tumba' é considerado pelos evangélicos, o real local do sepultamento e ressurreição de Jesus. (Foto: Foreign Loren)
Neste domingo de Páscoa, a ressurreição de Jesus Cristo tem sido celebrada por Cristãos em diversas partes do mundo e um vídeo emocionante tem voltado a circular com grande repercussão, como uma forte lembrança deste acontecimento tão importante para o cristianismo.
Publicado há cerca de um mês pela página 'Yeshua' do Facebook, o vídeo mostra cristãos cantando a música "You Have Won The Victory" ("O Senhor conquistou a vitória") no Jardim da Tumba - local onde os protestantes acreditam que Jesus foi sepultado e ressuscitou ao Terceiro Dia, em Israel.
"Aleluia, o Senhor conquistou a vitória. Aleluia, o Senhor venceu tudo isso por mim. A morte não poderia te segurar. O Senhor é o Rei ressurreto. Assentado em majestade", canta o grupo.
Clique abaixo para ver:

Debate sobre a tumba

A discussão sobre onde realmente Jesus teria sido sepultado e posteriormente ressurreto parece estar longe de um fim.

Enquanto católicos apontam o Santo Sepulcro (atualmente uma igreja na cidade velha de Jerusalém) como o local real do túmulo de Jesus, cristãos protestantes têm apontado o Jardim da Tumba (próximo ao Golgota ou Calvário) como sendo, na verdade este local de sepultamento e ressurreição.
Segundo o historiador cristão Rodrigo Silva, o Jardim da Tumba de fato apresenta pontos arqueologicamente condizentes com a descrição do local do seputalmento. Ele também citou o evangelho segundo João, que descrevia o local como sendo um jardim e próximo ao local da crucificação de Jesus.

FONTE: GUIAME

sábado, 15 de abril de 2017

A igreja não está pronta para o que vem por aí, afirma especialista em profecias

Ignorar as profecias bíblicas é um perigo, na opinião de Jake McCandless

por Jarbas Aragão
A igreja não está pronta para o que vem por aí, afirma teólogo

Redator de um site sobre profecias bíblicas e autor de livros sobre o tema, o teólogo Jake McCandless está preocupado com a situação da igreja no Ocidente. Para ele, a fidelidade dos cristãos está sendo desafiada “de muitas maneiras”. Acrescenta que somos abençoados por termos liberdade de culto, mas ao mesmo tempo isso nos torna “fracos” na fé.

“Na maior parte do mundo de hoje, se você decidir seguir a Cristo, sabe que vai enfrentar a perseguição de imediato. Nós somos simplesmente fracos! Nem imaginamos que poderíamos enfrentar lutas. Isso nos coloca em um lugar perigoso”, assegura.

Ele acaba de lançar seu novo livro, “Preparação Espiritual: Profecias ignoradas sobre os últimos dias”, onde relata que há um “abandono” das igrejas no estudo da profecia, especialmente entre os crentes mais jovens.

O estudioso foi pastor por alguns anos, mas resolveu dedicar-se somente ao ensino. Ele argumenta que conhecer a profecia é “crítico” para revitalizar a igreja, pois é algo essencial no estudo da Bíblia. “Aproximadamente um quarto da Escritura é profecia, e metade delas tem a ver com os últimos dias, a geração que precederá o retorno do Senhor”, lembra.

“Eu acho que está mudando, mas até muito recentemente, a igreja não prestava muita atenção nas profecias. Há quem zombe do que a Palavra de Deus diz que irá acontecer nos últimos dias”, desabafa.

McCandless disse que os cristãos deveriam entender que as profecias não tratam apenas de eventos grandiosos que aconteceram no passado ou ainda ocorrerão, mas oferecem uma nova visão sobre o que está acontecendo agora e os desafios específicos que a igreja enfrenta.

“A profecia é evitada por muitos”, disse ele. “Não apenas pelos pastores, mas pelas pessoas em geral… A grande maioria da igrejas simplesmente não fala sobre elas. Então acho que eles estão precisando voltar ao nível básico do que a Escritura diz.

O teólogo acredita que um erro comum é achar que “profecia” é algo que remete apenas à Marca da Besta, ao Anticristo que surgirá ou a cena geopolítica nos tempos finais.

“Há muitas passagens que são conhecidas, mas não olhamos para elas como proféticas. Realmente é preciso observar as passagens que descrevem a humanidade e especialmente o comportamento dos cristãos no final dos tempos, no tocante à sua moralidade e fé”, justifica.

Ele cita 2 Timóteo, quando fala sobre as pessoas serem cada vez mais egoístas, 2 Pedro 3, que mostra sobre como a fé em Jesus seria motivo de zombaria e Mateus 24:10, onde Jesus afirma que muitos se desviarão nos últimos dias.

Como conferencista, ele disse visitar muitas igrejas, mas o cenário de desconhecimento na maioria delas é o mesmo. Por isso decidiu escrever um livro, na esperança de atingir mais pessoas com essa mensagem de alerta.

“No livro, mostro os desafios que enfrentamos por negligenciarmos as profecias, especialmente as de Mateus 24”, sublinha. Ele lembra que a perseguição dos seguidores de Jesus em lugares como o Iraque e a Síria apontam para uma tendência global.

“O que eu mais via quando eu era pastor, o motivo pelo qual as pessoas paravam de frequentar regularmente a igreja é porque eles diziam que tiveram seus sentimentos feridos!”, por isso a sua conclusão é que a Igreja, de modo geral, simplesmente não está preparada para o que está por vir sobre o mundo.

“Você acha um tipo diferente de igreja em cada esquina, onde estão ensinando coisas muito diferentes. Nem todo mundo vai estar certo mas há muitas mensagens saindo, sabe? Acredito que realmente temos que buscar a verdade”, insiste.

Portanto, um bom caminho é começarmos a estudar as profecias e incorporamos esses ensinamentos, “só assim poderemos fortalecer a nossa fé”, encerra. Com informações WND

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Deputado prega sobre Jesus em reunião do governo e recebe aplausos, no Canadá

Ted Falké conhecido por defender a liberdade religiosa no Canadá e defende os valores judaico-cristãos na formação do país.

No ano passado, ele se recusou a participar de uma marcha do Orgulho Gay devido a suas crenças religiosas. (Foto: AFP).
No ano passado, ele se recusou a participar de uma marcha do Orgulho Gay devido a suas crenças religiosas. (Foto: AFP).
Um político canadense foi aplaudido de pé na semana passada depois que ele compartilhou o Evangelho em uma reunião do governo, no Parlamento. Falando sobre a liberdade religiosa, o deputado cristão Ted Falk destacou o importante papel dos valores judaico-cristãos na formação do país.

Ele falou sobre como neste fim de semana os cristãos celebram a Páscoa, o tempo em que "o amor de Deus “escorreu como o sangue no corpo de Jesus Cristo enquanto Ele morria. Ele enviou seu único Filho para ser crucificado e para pagar o preço por nossos pecados".

Ele continuou: "A verdadeira boa notícia é que a cruz não pôde segurá-lo, o túmulo está vazio, servimos a um Salvador vivo, e Ele está voltando mais uma vez". Concluiu desejando ao Palestrante, à Casa e a todos os canadenses uma "Páscoa feliz e abençoada".

Durante sua breve declaração, Falk explicou que é por causa dos valores judaico-cristãos que a liberdade de religião e a liberdade de expressão à própria fé existem no Canadá.

Santidade da Vida

Ele disse: "A liberdade religiosa é a pedra angular das sociedades democráticas. Uma das coisas que torna o Canadá tão grande é a liberdade que desfrutamos para seguir nossas consciências e viver nossas crenças em uma sociedade diversa", acrescentou.

Falk já falou no Parlamento canadense contra o suicídio assistido, afirmando que acredita na santidade da vida "da concepção à morte natural". Ele também pediu a favor da proteção da liberdade de consciência para os médicos que não desejam realizar suicídio assistido por médico.

No ano passado, ele se recusou a participar de uma marcha do Orgulho Gay devido a suas crenças religiosas e convidou outros a respeitar seu direito de não comparecer.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHARISMA NEWS

quinta-feira, 13 de abril de 2017

“O momento em que a Igreja mais cresceu foi quando ela se viu perseguida”, diz pastor

O pastor Roberto Lugon observa que a igreja primitiva cresceu durante o forte período de perseguição, assim como acontece hoje em muitos países.

A dura perseguição no período da igreja primitiva era um verdadeiro massacre contra os cristãos. (Foto: Reprodução).
A dura perseguição no período da igreja primitiva era um verdadeiro massacre contra os cristãos. (Foto: Reprodução).
Diariamente podemos ver notícias sobre a igreja perseguida pelo mundo. O Ministério Portas Abertas publica uma lista anual com o ranking dos países onde se é pior para um cristão morar e professar sua fé. Em 2017, a Coreia do Norte está em primeiro lugar. Mas, o que nós temos feito para mudar essa situação? Para o pastor Roberto Lugon da Igreja Metodista, o Brasil anda acomodado.

“A igreja brasileira é acomodada. Nós somos igual nosso hino, ‘deitado eternamente em berço explêndido’. Isso mostra um pouco o que somos como igreja, extremamente acomodados. É claro que estamos tentando falar de uma perseguição, mas o momento em que a igreja primitiva mais cresceu foi quando ela foi perseguida”, ressaltou o líder.

Roberto explica que a dura perseguição no período da igreja primitiva era um verdadeiro massacre contra os cristãos. “A perseguição era de morte. Os relatos são terríveis. Morreram decapitados. A gente vê o apóstolo Paulo falar assim: ‘Alegrai Vos sempre no Senhor’. O cara estava na sala da morte, com sua sentença nas mãos. Que alegria era essa? O cara ia morrer e sabia como ele ia morrer”, disse.

Igreja perseguida no Brasil?

Durante o bate-papo mediado pelo apresentador Cássio Miranda, no programa da Rede Super, o pastor chegou a refletir sobre a igreja brasileira e a situação de perseguição. “Igreja no Brasil sofre perseguição? Talvez, mas de uma outra forma”, instigou.

“Eu me lembro que uma vez eles [colegas de trabalho] estavam lendo uma revista de pornografia e eu sabia o que era. E aí um cara falou assim: ‘Vem cá, o Bíblia’. E eu disse: ‘Não vou’. Ele falou: 'Eu não falei que ele era...'. Então, na minha época de juventude, o ser cristão era sinônimo de ser, né?”, disse ele se referindo a pessoas que taxavam cristãos de homosexuais.

O pastor Roberto explica: “Eu me casei com 35 anos e me casei virgem. Eu sofri muito por causa disso, mas é interessante que quando eu conto isso no meio dos jovens, eles acham impossível”.

Confira o bate-papo na íntegra:

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA REDE SUPER

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Ateus querem proibir treinadores cristãos de usarem o Twitter para falar de Deus

A fundação ateísta 'Freedom From Religion' disse que é "inconstitucional" que os treinadores cristãos de uma universidade pública usem suas contas pessoais para falar de Deus.

Treinador Hugh Freeze com atletas do time da Universidade do Mississipi. (Foto: SEC Country)
Treinador Hugh Freeze com atletas do time da Universidade do Mississipi. (Foto: SEC Country)
A principal organização ateísta dos Estados Unidos está pressionando a Universidade do Mississippi para proibir que seu principal treinador de futebol americano, Hugh Freeze use sua conta pessoal no Twitter para para falar sobre sua fé cristã e compartilhar suas reflexões a respeito de seu relacionamento com Deus.

Fundação 'Freedom From Religion' (FFRF), com sede em Wisconsin (EUA), enviou uma carta ao chanceler da Universidade, Jeffrey Vitter, na semana passada, pedindo que ele tomasse medidas para garantir que Freeze e sua equipe técnica não irão suas contas pessoais na mídia social para falar sobre temas relacionados à fé.

O advogado da 'FFRF', Sam Grover argumentou na carta que é uma violação da cláusula de estabelecimento da Primeira Emenda à Constituição dos Estados Unidos para uma entidade pública para promover a religião.

Grover disse que como Freeze é o treinador principal do time de futebol americano de uma universidade pública, não pode usar seu perfil @CoachHughFreeze no Twitter para promover sua fé ou religião.

Freeze geralmente usa sua conta no Twitter para promover o cristianismo. Mais recentemente, no domingo, o treinador usou seu perfil para convidar a todos assistirem ao culto da igreja 'Pinelake', em Oxford, no Mississippi.

"Espero que vocês tenham a chance de adorar a Deus hoje com outras pessoas. Se estiverem procurando um lugar perto de Oxford, junte-se a nós na @PinelakeOXF, às 9:15 ou 11:00", escreveu Freeze no Twitter.

No sábado, Freeze compartilhou um tweet do treinador assistente, Maurice Harris, que citou 1 João 1:8 e Romanos 3:21 para argumentar que "pessoas perfeitas não são reais, e as pessoas reais não são perfeitas".

No domingo passado, Freeze postou um tweet que diz: "A vida é preciosa e curta. O dia de hoje é um presente de Deus, que nunca muda".

Embora Freeze tenha o direito - como qualquer cidadão - de escrever o que quiser nas mídias sociais, Grover argumentou na carta que o treinador "não pode promover suas crenças religiosas pessoais, enquanto estiver atuando como um funcionário universitário".
Grover também expressou preocupação com tweets publicados por Harris, que também são muitas vezes de cunho cristão. Grover notou que os tweets de Freeze e Harris também são publicados no site de atletismo da escola.

"Como uma instituição estatal, a Universidade do Mississippi está vinculada pela cláusula de estabelecimento da Constituição, que impõe a neutralidade do governo com relação a religiões", escreveu Grover, citando a decisão da Suprema Corte 'Epperson v. Arkansas', promulgada em 1968. "A Universidade do Mississipi viola o mandato constitucional, quando promove declarações religiosas ou permite que seus funcionários promovam suas crenças religiosas pessoais, enquanto forem atuantes em suas funções oficiais".

"A 'FFRF' pede à Universidade do Mississippi que tome medidas imediatas para garantir que o treinador Freeze, o treinador Harris e o resto do departamento atlético da instituição tenham consciência de que não podem promover a religião enquanto atuam como funcionários universitários", acrescentou o documento.

O 'Christian Post' procurou à Universidade do Mississippi para obter sua resposta oficial à carta da 'FFRF'. No entanto, nenhum comentário foi recebido até a publicação da matéria.
O Instituto 'First Liberty', um escritório de advocacia com sede no Texas, dedicado à defesa da liberdade religiosa, emitiu uma resposta à carta da 'FFRF', afirmando que o grupo cometeu um equívoc na interpretação da lei.

"Os treinadores de futebol não perdem os direitos da Primeira Emenda simplesmente porque trabalham para uma universidade pública", disse Jeremy Dys, consultor sênior do 'First Liberty', em comunicado.

"A Primeira Emenda protege o direito dos americanos - como treinador Freeze - de se envolverem em expressões religiosa em suas contas pessoais no Twitter e nossas universidades devem ser lugares onde a tolerância, a inclusão e a diversidade são promovidos. A 'FFRF' tem recorrido ao intolerante bullying na tentativa de silenciar e censurar o treinador Freeze. No Instituto 'First Liberty', defendemos a liberdade religiosa para todos os americanos. Incentivamos a Universidade do Mississippi a ignorar a carta da FFRF", finalizou.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

terça-feira, 11 de abril de 2017

Rússia reconhece Jerusalém Ocidental como capital de Israel, em anúncio surpresa

A Rússia reconheceu a parte ocidental de Jerusalém como capital de Israel. Nenhum outro país do mundo reconhece Jerusalém como capital da nação judaica.

Presidente russo, Vladimir Putin e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. (Foto: Reuters)
Presidente russo, Vladimir Putin e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. (Foto: Reuters)
A Rússia reconheceu Jerusalém Ocidental como capital de Israel, em um anúncio surpresa feito na última quinta-feira (6) pelo Ministério das Relações Exteriores do país.

O anúncio surge enquanto a administração do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, avalia a possibilidade de mover sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém — um movimento que reconheceria a parte ocidental da cidade como capital de Israel. Nenhum outro país do mundo reconhece Jerusalém como capital da nação judaica.

“Reafirmamos nosso compromisso com os princípios aprovados pela ONU para um acordo palestino-israelense, que incluem Jerusalém Oriental como capital do futuro Estado da Palestina. Ao mesmo tempo, devemos afirmar que, neste contexto, vemos Jerusalém Ocidental como capital de Israel”, disse a declaração russa.

Esta é uma mudança notável na política russa, que vem declarando formalmente que Jerusalém deve estar sob um permanente regime internacional.

O Embaixador da Rússia em Israel, Alexander Shein, pretende se reunir com funcionários do Ministério das Relações Exteriores nos próximos dias para discutir a decisão de Moscou. Atualmente, não há intenção de se mover a embaixada da Rússia para Jerusalém.

Embora este seja o primeiro reconhecimento de outro país além dos EUA, uma publicação do jornal The Jerusalem Post alerta que Israel deve ser cauteloso, já que toda a cidade de Jerusalém é considerada sua capital — e não apenas uma parte.

Moscou reafirmou que a criação de dois Estados seria uma opção ideal “para atender a interesses nacionais do povo palestiniano e israelita, ambos os quais têm relações amigáveis com a Rússia”. O país também se comprometeu em “garantir o livre acesso aos locais sagrados de Jerusalém para todos os religiosos”.

Um diplomata israelense disse que o movimento da Rússia — que vem logo na sequência do ataque químico na Síria — pode ter a intenção de desviar as críticas por ser a facilitadora principal do presidente sírio, Bashar al-Assad.

Da mesma forma, o diplomata afirmou que é provável que a declaração seja uma resposta de Moscou para os aparentemente esforços dos EUA em redespertar o processo diplomático entre Israel e Palestina, demonstrando um sinal de que a Rússia é relevante e quer desempenhar um papel ativo no processo.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE THE JERUSALEM POST