quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Igreja cresce na Coreia do Norte e cidadãos deixam de idolatrar o ditador Kim Jong-un

Um desertor da Coreia do Norte disse que as pessoas estão aceitando enfrentar os riscos de praticar a fé cristã no país.

Kim Jong-un é ditador na Coreia do Norte e está deixando de ser visto como um "deus" pelos norte-coreanos. (Foto: Época)
Kim Jong-un é ditador na Coreia do Norte e está deixando de ser visto como um "deus" pelos norte-coreanos. (Foto: Época)
O regime norte-coreano continua a perseguir qualquer pessoa que exerça sua fé (cristã ou qualquer outra) dentro das suas fronteiras, de acordo com um novo estudo do governo dos EUA, embora relatórios do país estejam sugerindo que cada vez mais pessoas estejam abandonando a idolatria ao ditador Kim Jong-un e optando por praticar sua fé pessoal.

Em alguns casos, a perseguição do regime pode ser tão extrema que leva as pessoas à prisão, tortura e até morte, segundo afirmou o estudo.

O Departamento de Estado dos EUA divulgou na última terça-feira o relatório anual sobre as liberdades religiosas globais, com a Coreia do Norte destacando-se por negar ao seu povo o "direito à liberdade de pensamento, consciência e religião".

"O governo continuou a lidar severamente com aqueles que se envolveram em quase todas as práticas religiosas através de execuções, tortura, espancamentos e prisões", afirma o relatório.
"Estima-se que entre 80 mil e 120 mil prisioneiros políticos, alguns presos por motivos religiosos, estejam sendo mantidos em áreas remotas, em condições horríveis", acrescenta.

Essas alegações foram apoiadas por um desertor norte-coreano que agora é membro da Coalizão mundial de Seoul para combater o genocídio na Coreia do Norte.

"A perseguição oficialmente sancionada de pessoas por razões religiosas ainda está lá e, eu diria, ainda mais forte do que antes", disse o desertor ao jornal 'The Telegraph'.

Mas mudanças sutis estão se tornando visíveis lentamente, disse o desertor, que pediu para manter seu nome sob sigilo, devido ao fato dele ser bem ativo no apoio a igrejas subterrâneas que operam no Norte.

"No passado, as pessoas eram convidadas a adorar à família Kim como deuses, mas muitos norte-coreanos não mais respeitam Kim Jong-un", disse ele. "Isso significa que eles estão procurando por algo mais para sustentar sua fé".

"Em alguns lugares, isso levou ao surgimento de religiões ligadas a xamãs, mas a igreja cristã também está crescendo e aprofundando suas raízes na Coreia do Norte", disse ele.

"Mesmo que as pessoas saibam que podem ser presas - ou até mesmo enfrentar o pior, como uma execuçãio - elas ainda estão escolhendo adorar a Deus, e isso significa que mais rachaduras estão aparecendo no regime e no sistema comunista ditatorial da Coreia do Norte", acrescentou.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO TELEGRAPH

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

“Espírito Santo está sempre presente na nossa vida”, diz Marcelo Rezende


Apresentador segue confiante na cura de seu câncer

por Tiago Abreu

O apresentador afastado da Record TV por motivos de saúde, Marcelo Rezende, voltou a público por meio de um vídeo publicado em suas mídias sociais nesta terça-feira (15). O vídeo tinha, como legenda, “Nos altos e baixos da cura eu sei o que vou fazer no futuro”.

Com camiseta polo e em um local decorado, Marcelo deu uma palavra aos seus fãs que o acompanham sobre as dificuldades que tem vivido e de como a sua fé cristã tem sido determinante para se manter vivo durante o processo.

“Cada momento que eu estou vivendo é um desafio”, disse ele, com voz serena. “Tem horas que eu estou bem, tem horas que estou mal, mas quando estou mal eu coloco minha cabeça em Deus”.

“E eu tenho um objetivo: Na hora em que eu superar, com a ajuda de Deus, tudo o que estou passando, eu sei o que vou fazer da minha vida”, afirmou o apresentador de televisão.

“Eu sei o que vou fazer: Vou ajudar cada vez mais aqueles que precisam. Ajudar aqueles que não tem esperança, ajudar aqueles que precisam de uma cura”, disse Marcelo Rezende, com semblante de decisão.

E ainda acrescentou: “E mostrar que o Espírito Santo está sempre presente na nossa vida. E nosso pai há de cuidar de cada um e para isso é preciso ter fé. E é essa fé que eu carrego dentro de mim. Que Deus nos abençoe”, finalizou, no vídeo que conta com menos de um minuto de duração.

Esta foi a publicação mais recente de Marcelo. A anterior, que saiu no dia 26 de julho, revela a pouca periodicidade do apresentador desde que iniciou sua luta contra o câncer de fígado.

Em duas horas de publicação, Rezende alcançou enorme engajamento de fãs em sua página do Facebook: Foram mais de 50 mil curtidas no vídeo, mais de 8 mil compartilhamentos e vários comentários de apoio ao apresentador conhecido por sua participação no Cidade Alerta.

Fonte:https://noticias.gospelprime.com.br/

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Missionário vai a festival de rock para evangelizar: “Jesus andou entre os pecadores”

Luca Martini pregou para muitos jovens que estavam se drogando e bebendo no evento.



Luca Martini tem compartilhado suas experiências no YouTube. (Foto: Reprodução).
Luca Martini tem compartilhado suas experiências no YouTube. (Foto: Reprodução).

missionário brasileiro Luca Martini, publicou um vídeo em seu canal do YouTube onde ele evangeliza para muitos jovens no maior festival de rock'n'roll da Europa, o Woodstock. Ele explica logo no início que as imagens podem chocar, mas que aquela é a realidade das pessoas que vivem sem Jesus Cristo.

“A minha intenção com esse vídeo é de chocar você. Quero te mostrar uma realidade que talvez você não conheça. Te mostrar que o mundo não é como você pensa. Que o mundo está perdido, nós sabemos. O que parece não sabermos é que esse mundo perdido precisa de salvação. Só que a impressão que eu tenho é que esse mundo não só precisa, mas está buscando uma salvação”, disse ele.

Em seguida, um outro missionário se apresenta. Ele é um dos líderes do projeto evangelistico e explica o motivo de estar ali. “Meu nome é Felipe e eu sou um dos líderes de evangelismo aqui no Festival. Eu estou aqui porque a minha história está muito conectada com esse tipo de festival”, ressaltou.

“Em 1994 eu tinha 17 anos e era viciado em drogas. Eu tinha fugido de casa. Era um adolescente revoltado que estava em um festival de rock. Era o maior festival do leste europeu. Então, alguém me deu uma Bíblia e pregou o Evangelho. Naquele tipo de festival eu fui miraculosamente salvo”, comentou. “Em meio aos pecadores foi por onde Ele andou e continua andando”.

O que é ser Igreja?
Luca volta a comentar: “Sem conhecer a Deus, estão perdidos. Bêbados, deprimidos ao ponto de se cortarem, de não desejarem mais a vida. Estar perdido é não conhecer a Deus, estar perdido é não fazê-lO conhecido”. O jovem missionário se achega para um ateu que de pronto exclama: “Eu não gosto de igrejas, eu sou ateu”. Outra garota comenta: “Eu amo a igreja, mas não tenho certeza se a igreja me ama”.

Luca pontua: “Mentiras. O que conhecem são mentiras. Que Deus não existe é uma mentira. Uma igreja que não ama é uma igreja de mentira. Mas o que aconteceria se uníssemos duas verdades? Jesus e o amor, que está no seu corpo, a igreja? A história fica muito mais interessante”, colocou.

“Eu não gosto de religião. Eu acho que a religião é uma mentira, mas eu acredito neste homem que morreu na cruz. Eu acredito que Ele era um homem de verdade. Você sabia que esse homem morreu porque Ele ama as pessoas? Os religiosos o odiavam e então o mataram. Mas, ele amava as pessoas. Ele veio para dizer às pessoas que elas são reais, elas são amadas. Infelizmente, as pessoas fizeram dele uma religião”, disse Luca ao ateu que havia encontrado anteriormente.

Confira o vídeo na íntegra:

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Procuradoria-Geral Eleitoral vê abuso de poder religioso como "frequente" e difícil de evitar


A Procuradoria-Geral Eleitoral está preocupada com o crescimento de denúncias de casos de abuso de poder religioso. O vice-procurador-geral eleitoral, Nicolao Dino, afirmou ao UOL que vê os casos com "extrema preocupação". 

"Em linhas regrais é um fenômeno que tem se revelado muito frequente", diz, citando que, somente neste ano, foram seis pareceres dados pelo órgão de recursos que chegaram ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). 

Existem dois tipos percebidos de fraudes eleitorais chegando ao TSE. Uma delas é a utilização dos recursos das igrejas --até com indução à contribuição e doação a candidaturas pelos fiéis. A outra forma é o uso em si dos líderes da igreja para convencimento de eleitor. 

"Há situações que se observa a extrapolação da liberdade religiosa no sentido de transformá-la, de convertê-la em situações de constrangimento ou mesmo de pressão aos fiéis. Portanto essas situações podem se configurar nisso que tem se chamado de abuso de poder religioso", explica. 

Dino também disse ver casos em que a igreja usa recursos arrecadados com fiéis para bancar candidaturas. "Há muitas vertentes religiosas que movimentam recursos financeiros de expressão e, quando isso se associa à manipulação da fé, acaba por assumir contorno de extrema preocupação na manipulação da vontade do eleitor", diz. 

Caso já julgado no ano passado usou a tese 


A tese de abuso de poder de vertente religiosa já foi acolhida ao menos uma vez pelo plenário do TSE. 

O caso teve julgamento no dia 20 de setembro de 2016, quando o plenário confirmou decisão do TRE de Minas das cassações do prefeito de Nova Lima, Cássio Magnani Júnior (PMDB), e de sua vice, Maria de Fátima (PT). 

Eles teriam se beneficiado eleitoralmente da outorga de dois terrenos à Igreja do Evangelho Quadrangular, nas eleições de 2012. Na ocasião, um pastor chegou a dar entrevista apoiando o então candidato. 

"O abuso de poder tem um caráter de ser um fenômeno com diversas formas de manifestação. Ele se configura na modalidade de abuso de poder econômico, político, cultural. E agora estamos encontrando situações em que há uma extrapolação da manipulação no exercício da atividade religiosa, algo que está previsto na Constituição, mas que acaba por se revelar em algumas situações como pressão, constrangimento à manipulação da fé", aponta. 


PERGUNTAS E RESPOSTAS

Quais são as características de abuso de poder religioso eleitoral?


A partir do momento em que ele esta sendo induzido ou obrigado. Exemplos de atos que podem caracterizar isso: 
- dizer a um fiel que aquela pessoa é enviada de Deus 
- afirmar que se não votar em X ou Y será castigado
- orientar fieis a trabalhar para determinado candidato 
O eleitor vai perceber o abuso no momento em que notar que isso deixa de ser algo normal, deixa de ocorrer de forma imparcial. Para a Justiça Eleitoral, tudo o que for vinculado dentro da igreja será considerado um certo abuso. E aí pode ser político, de autoridade, econômico ou de uso de meios de comunicação. 

O que um eleitor deve se preocupar se está havendo poder religioso eleitoral? 

Nessas questões é correto ir ao Ministério Público Eleitoral, procurar o promotor eleitoral. A ele que deve ser direcionada alguma denúncia. 

Pode ser possível também comunicar ao fato diretamente à Justiça Eleitoral. No Rio, por exemplo, na última eleição havia um aplicativo e um telefone disponível para receber essas denúncias. 

Fonte: Amilton Kufa, advogado eleitoral e pesquisador do tema

'Evitar é complicado', diz vice-procurador 

Dino fala que é difícil prevenir esse tipo de crime, mas assegura que remediar é a saída. "Evitar é complicado. As situações são sempre detectadas depois. São situações que contaminam o processo eleitoral e dificilmente podem ser prevenidas. Elas devem ser fiscalizadas, o que devem resultar em procedimentos", afirma. 

Diferentemente do que muitos juristas defendem, Dino afirma que não há necessidade da criação de leis que prevejam a tipificação. 

"Acho que a lei já permite [a identificação]. Ela coíbe a utilização de mecanismos de fraude condizente à distorção da vontade do eleitor. O abuso de poder tem diversas formas de manifestação. Se a legislação já trata, evidentemente que ela vai considerar todas as formas do abuso, entre as quais de poder religioso", afirma. 

Fonte: UOL

domingo, 13 de agosto de 2017

Cristãos americanos acreditam que as pessoas são pobres por “falta de esforço”

Imagem é reflexo da perspectiva teológica, garantem especialistas
por Jarbas Aragão

Resultado de imagem
Cristãos acreditam que as pessoas são pobres por "falta de esforço"

Uma pesquisa feita pela Kaiser Family Foundation e divulgada pelo jornal Washington Post, mostra que quase metade (46%) dos cristãos norte-americanos acredita que as pessoas são pobres em consequência de sua “falta de esforço”.

Entre os evangélicos brancos o índice é maior ainda (53%), enquanto 50% dos católicos concordam com essa afirmação.

Somente 29% dos não cristãos acreditam que a culpa pela sua situação não é dos pobres.

Foram entrevistados 1.686 adultos, entre 13 de abril e 1º de maio. Dentre eles, 65% dos “ateus, agnósticos e pessoas sem religião” defendem que a pobreza se deve mais às circunstâncias pessoais ou econômicas do país.

“Há um forte impulso cristão em entender a pobreza como algo profundamente enraizado na moralidade – muitas vezes, como a Bíblia deixa claro, na falta de vontade de trabalhar, em decisões financeiras ruins ou falta de estrutura familiar”, disse Albert Mohler, presidente do Seminário Teológico Batista do Sul, um dos mais influentes do país.

“A cosmovisão cristã está dizendo que toda a pobreza é consequência do pecado, embora isso não signifique necessariamente o pecado da pessoa na pobreza. No Jardim do Éden, não havia pobreza. Em um mundo caído, há pobreza”, justifica.

O pastor lembra ainda que a Bíblia ensina repetidamente a compaixão pelos pobres, mas também deixa claro que os que não desejam trabalhar irão ficar com fome (2 Ts 3:10). Ao mesmo tempo, Jesus alertou em várias passagens que “os pobres, vós sempre os tereis convosco”.

O Washington Post ouviu diferentes teólogos e quase todos concordam que a atitude de um cristão em relação à pobreza é consequência de sua perspectiva teológica. Aqueles que acreditam que o importante é apenas a salvação da alma, dão menos atenção para questões sociais.

Por outro lado, as igrejas que veem que seu papel na terra é influenciar a sociedade, pregam mais sobre o assunto e mantém diferentes trabalhos que tem como público-alvo justamente os mais necessitados dentre a sociedade.

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br/

sábado, 12 de agosto de 2017

Pastor é sequestrado após realizar evangelismo, na Nigéria

O pastor foi levado para um local afastado e ainda não há informações sobre seu estado.
  •  
  •  
  • google plus
  •  
  • pinterest
  • O motorista disse que o pastor estava orando alto no momento do sequestro. (Foto: Reprodução).
    O motorista disse que o pastor estava orando alto no momento do sequestro. (Foto: Reprodução).
    Um grupo de pastores de etnia Fulani, que estava armado, sequestrou um líder cristão enquanto ele e seu motorista estavam viajando, na última sexta-feira (4). As informações são do próprio motorista que mesmo ferido conseguiu escapar e contar tudo ao site Morning Star News.

    O Rev. Jen Tivkaa Moses e Yohanna Maina, seu motorista, estavam indo para Abuja de Jos para participar de um seminário da igreja no dia seguinte, quando os Fulanis armados os pararam na rodovia Kafanchan-Kwoi-Bwari, perto da aldeia de Jere. Ele era conhecido por evangelizar na região e mobilizar os membros de sua congregação a fazer o mesmo. Tal ação chamou atenção dos fazendeiros Fulani.

    Maina disse que o pastor, diretor do Departamento de Educação Cristã da Igreja Evangélica Winning All (ECWA), estava orando alto no momento do sequestro. A cena seguinte seria de homens apontando armas para ele. Funcionários da igreja disseram que os sequestradores exigiram um resgate de 1 milhão de naira (aproximadamente 8.606 reais).

    "Estou feliz por ter sobrevivido a essa provação, e oro para que o pastor saia vivo", disse o motorista. "Enquanto os homens armados nos levaram para o mato, Moses estava orando muito alto e eles não gostavam disso. Então começaram a bater nele e a ameaçá-lo", contou.

    Baleado
    Maina e o pastor passaram por um ponto de controle da polícia e estavam se aproximando de outro quando ouviram tiros. Seu carro e o veículo que estava na frente deles foram alvos de disparos. Uma bala chegou a atravessar seu pára-brisa dianteiro atingindo o líder cristão na coxa. “Estava tão escuro que ele nem sabia que estava sangrando”, disse.

    Os pistoleiros mandaram que eles deixassem o carro e Maina disse que viu corpos mortos do outro lado do veículo. Um grupo de homens armados conduziu os ocupantes do outro carro em uma direção diferente. Os pistoleiros perguntaram a ele e ao pastor qual dos dois era o chefe e o pastor contou. "Nós percebemos que os pistoleiros armados eram pastores Fulani", ressaltou.

    Deixando seu carro para trás, três dos Fulanis forçaram o pastor e o motorista a atravessar o deserto por horas, parando para descansar à meia-noite, enquanto quatro permaneceram na estrada. Quando notaram que Maina havia sido ferido, eles pediram a um outro grupo de homens armados que encontraram lá para levá-lo embora.

    Em determinado momento, os sequestradores deixaram que Maina fosse sozinho para o carro, mas o motorista lembrou que deixou as chaves com o pastor. Mesmo assim, continuou andando na esperança de encontrar alguém para ajudá-lo, mas nenhum veículo parou para ele.

    Saída
    "Viajei por cerca de duas horas até chegar em uma aldeia onde encontrei jovens. Eu disse a eles como fomos sequestrados e como eu havia chegado na aldeia. Os jovens estavam desconfiados e receosos quando me encontraram com feridas". O motorista conseguiu chegar em um hospital onde recebeu tratamento.

    Quando a Morning Star News visitou a sede da ECWA em Jos na segunda-feira (7), líderes e funcionários da igreja estavam realizando vigílias de oração na sala de conferências do pastor. Funcionários da ECWA disseram que os sequestradores contactaram a esposa do pastor e o contador no escritório da igreja para fazer o pedido de resgate. Os pastores Fulani predominantemente muçulmanos lançaram numerosos ataques contra cristãos no norte e centro da Nigéria. Os cristãos compõem 51,3% da população da Nigéria, enquanto os muçulmanos, que vivem principalmente no norte e no meio, representam 45%.

    A Nigéria ocupa o 12º lugar na lista de países do Portas Abertas, onde os cristãos sofrem mais perseguições.

    FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO GOSPEL HERALD



    sexta-feira, 11 de agosto de 2017

    Bancada Evangélica diz que Daciolo mente e “nunca se fez presente”

    Hidekazu Takayama (PSC/PR), presidente da FPE, rebate críticas do deputado

    por Neto Gregório
    Bancada Evangélica diz que Daciolo mente e "nunca se fez presente"

    Após as declarações veiculadas pelo deputado federal Cabo Daciolo (Avante/RJ), afirmando que a bancada evangélica foi sua maior decepção na Câmara dos Deputados, o presidente da Frente Parlamentar Evangélica decidiu se pronunciar.

    O deputado pastor Hidekazu Takayama (PSC/PR), através de sua assessoria, enviou uma nota ao portal Gospel Prime, que expõe um documento, datado de 18 de abril de 2017, onde Daciolo requer a retirada de seu nome do rol de membros.

    No documento, Daciolo diz que tem “grande respeito” pela FPE e por seus membros e explica que o motivo da saída seria a “não participação de nenhuma frente”

    Takayama queixou-se que o colega fluminense nunca participou nem se envolveu de fato com a Bancada. Foi além, classificando a declaração de Daciolo de mentirosa, pois ele já estava fora da Frente Parlamentar desde abril.

    O pastor paranaense acredita que o Cabo “não queria responsabilidades, apenas aparecer, individualmente”. Deixou claro ainda que, na Câmara dos Deputados, “nada se consegue sozinho”.

    A insatisfação não é apenas de Takayama, pois outros deputados contatados pelo Gospel Prime também reclamaram que Daciolo estava sendo reducionista em sua abordagem, ignorando as conquistas políticas da bancada.

    A assessoria do Cabo Daciolo foi procurada, mas não se manifestou até o momento.

    Pedido de saída da FPE:



    Nota na íntegra do presidente da FPE:

    Recentemente foi veiculado nas redes sociais o discurso de um parlamentar afirmando que pediu sua saída da bancada evangélica. A Frente Parlamentar Evangélica aproveita este momento para se manifestar sobre o referido discurso e esclarecer algumas verdades.

    1) O Parlamentar JAMAIS participou, ajudou ou se envolveu com a Frente Parlamentar Evangélica.

    2) NUNCA SE FEZ PRESENTE para discutir ou participar nos momentos de relevância, nos temas que todos os cristãos no Brasil sabem da importância para a família cristã, tais como: proteção à vida, ideologia de gênero, luta contra o aborto, casamento homossexual e os assuntos que estão ligados aos ensinamentos cristãos e à Igreja do Senhor.

    3) Ao contrário do que foi dito, o referido parlamentar pediu seu desligamento em abril de 2017. Portanto mentiu, dizendo que estava saindo agora, quando na verdade antes daquela época, já manifestava anseios de se retirar.

    4) Não queria responsabilidades, apenas aparecer, individualmente. Quando todos sabem que nesta Casa, nada se consegue sozinho.

    Deputado Hidekazu Takayama

    Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

    quinta-feira, 10 de agosto de 2017

    Deputado pede para sair da bancada evangélica: “Maior decepção”

    “Fazem alianças que não condizem com homens e mulheres de Deus”, justifica Cabo Daciolo

    por Neto Gregório

    Deputado pede para sair da bancada evangélica
    O deputado federal Cabo Daciolo (Avante/RJ) vem publicando uma série de vídeos para mostrar sua indignação com a situação do país e, sobretudo, para fazer profecias sobre a queda de Temer e seus aliados.

    Ele havia feito um movimento semelhante nas redes na época da discussão sobre o impeachment de Dilma e antes da cassação de Eduardo Cunha. Em outras ocasiões, desafiou os deputados que compõem a Frente Parlamentar Evangélica, mais comumente chamada de “bancada evangélica”.

    Na manifestação que fez nesta terça-feira (08), Daciolo decidiu anunciar que pediu ao atual presidente, o deputado Takayama (PSC/PR) que retirasse o seu nome da lista de membros. O parlamentar fluminense, foi além, classificando a bancada de sua “maior decepção” na Câmara dos Deputados.

    “O Brasil tem solução: clamar ao Senhor dos Exércitos”, assegurou, para em seguida emendar: “Congresso Nacional? Uma verdadeira quadrilha”. Fazendo perguntas para em seguida responde-las, insiste: “maior decepção? Bancada Evangélica”.

    Por isso mesmo, anunciou no vídeo que requereu junto à liderança desse bloco político que retirasse o seu nome e enumerou os motivos para essa decisão: “Falta de compromisso e alianças que não condizem com homens e mulheres de Deus”.

    Frisou, contudo, que “existem exceções”, mas que “são raras”. Lembrando que a maioria deles votou a favor do presidente Michel Temer, enterrando o processo que investigaria imediatamente as denúncias de corrupção.

    Daciolo disse ainda, referindo-se à bancada, que: “Não podemos fazer aliança com o mundo e eu não vou compactuar com isso. Não faço parte desse grupo”.


    Como lhe é característico, empunhou durante todo o tempo uma Bíblia. Finalizou pedindo que a Igreja brasileira interceda pelo país e que “eles vão cair”, referindo-se ao atual governo.

    Frisou no pequeno texto que acompanha o vídeo: “Não compactuamos com: Lula, Dilma, Temer, Renan, Aécio, Serra, Bancada evangélica…”. Logo abaixo, um outro aviso: “Eu posso estar como deputado federal, mas na verdade sou servo do Deus vivo e não estou à venda!”

    As críticas à postura da bancada vêm aumentando desde que a maioria de seus membros apoiou o presidente Temer. Diferentemente do ano passado, quando a bancada se reuniu e anunciou publicamente através de nota os motivos pelos quais defendia o afastamento de Dilma Rousseff. A postura do presidente Takyama tem sido não divulgar os movimentos “em bloco”, possivelmente por que a pauta não era unanimidade entre seus membros, como ficou claro na votação.

    Fonte: noticias.gospelprime.com.br

    quarta-feira, 9 de agosto de 2017

    Achado local onde Jesus teria multiplicado pães e peixes

    Arqueólogos encontram vestígios de onde ocorreu milagre bíblico

    por Tiago Abreu
    Achado local onde Jesus teria multiplicado pães e peixes

    Arqueólogos israelenses encontraram em uma região próxima ao Mar da Galileia, no Lago de Tiberiades, restos de Betsaida (Julias), um povoado o qual, segundo as tradições cristãs, os discípulos Pedro, André e Felipe moraram. Além disso, é considerado o local ocorreu o milagre da multiplicação dos pães e peixes relatado no Novo Testamento.

    “Encontramos o que parece ser a cidade dos três apóstolos, onde Jesus multiplicou os pães e os peixes”, disse arqueólogo Mordejai Aviam, do Kinneret College, em Israel, que há três anos trabalha neste projeto, em entrevista dada à Agência EFE.

    O local, hoje chamado de Reserva Natural do Vale de Betsaida, que se localiza na porção nordeste do Mar da Galileia, foi vasculhado pela equipe formada por mais de 25 pessoas, entre arqueólogos e voluntários.

    Entre os materiais coletados, estão uma capa do período das Cruzadas, uma feitoria de açúcar datada do século XIII, um mosteiro e uma construção que acreditam ter sido uma igreja. Além disso, foram encontrados restos do período bizantino dois metros abaixo do solo.

    Depois que foi encontrada uma peça de cerâmica em 2014, a equipe concentrou seu trabalho nessa área, apesar da anterior negação da possibilidade em encontrar algo do período da história.

    “Existem moedas, cerâmica, um mosaico, paredes e um banheiro de estilo romano, o que nos leva a crer que não se tratava simplesmente de um povoado, mas de uma grande cidade romana”, disse Aviam.

    O trecho bíblico diz que o local foi para onde Jesus foi após saber da morte do profeta João. No entanto, seguido por uma multidão e discípulos. Na ocasião, seus seguidores disseram que não havia alimento suficiente para todos.

    “18. E ele disse: ‘Trazei aqui’. 19. E, tendo mandado a multidão sentar na grama, tomou os cinco pães e os dois peixes, e, erguendo os olhos ao céu, os abençoou, e, partindo os pães, deu-os aos discípulos, e os discípulos à multidão. 20. E comeram todos, e saciaram-se; e levantaram dos pedaços, que sobejaram, 12 cestos cheios. 21. E os que comeram foram quase 5 mil homens, além de mulheres e crianças.” (Mateus 14:18-21).

    Fonte: noticias.gospelprime.com.br

    terça-feira, 8 de agosto de 2017

    Arqueólogo confirma a existência de 53 personagens bíblicos

    Argumentos incontestes atingem quem defende que “Bíblia é ficção”


    por Jarbas Aragão
    Arqueólogo confirma a existência de 53 personagens bíblicos

    Acreditar na veracidade da Bíblia em pleno século 21 é uma questão só de fé, certo? Não para Lawrence Mykytiuk, da Universidade de Purdue, em Indiana (EUA). Ele está divulgando o que chama de método para “desenvolver a historicidade” dos relatos.

    Graças ao sistema criado por ele, 53 indivíduos citados no Antigo Testamento tiveram sua comprovação como personagens históricos genuínos. O professor Mykytiuk trabalha apenas com o que chama de “evidências materiais”.

    Sua formação como bibliotecário e especialização em técnicas de catalogação aliaram-se ao seu interesse na Bíblia para fazer o que ele acredita que os arqueólogos deveriam estar fazendo há muito tempo: examinar inscrições de peças arqueológicas e combiná-las com o registro desses nomes na Bíblia.

    O sistema elaborado por Mykytiuk baseia-se em três critérios: um nome bíblico deve equivaler a uma inscrição autêntica, sem possibilidade de falsificação. Os nomes – na Bíblia e na inscrição – devem corresponder em termos de configuração e no período de tempo. O último estágio, talvez o mais difícil, é procurar correspondências de pelo menos três detalhes específicos que identifiquem um indivíduo, como nome, título ou nome do pai.

    “Se corresponde às menções nas Escrituras, é uma certeza inegável”, disse Mykytiuk. “Pode haver algumas pessoas com o mesmo nome ou até o nome do pai idêntico”, acrescentou, “mas o mesmo título? Isso se torna inegável”.

    Ele deixa claro que as verificações de nomes bíblicos não garantem que os eventos bíblicos envolvendo esses indivíduos sejam precisos, apenas de que não se trata de uma “obra de ficção”, como argumentam muitos críticos.

    Desenvolvido ao longo de 25 anos, o “sistema Mykytiuk” já provou que funciona. Estudando 94 inscrições, ele identificou reis, faraós, sumos sacerdotes e escribas, entre outros.

    Todos os nomes são masculinos, embora ele acredite que esteja perto de identificar uma mulher a partir de uma inscrição.

    As pessoas identificadas incluem oito reis do Reino do Norte (Israel) e seis do Reino do Sul (Judá). Um deles é o rei Acabe, que liderava Israel na Batalha de Qarqar, em 853 a.C. – um evento que Mykytiuk relaciona com os relatos de ambos os livros de Reis e em uma imagem do monstro de Kurkh.

    “Havia apenas um rei israelita naquele momento que poderia ter lutado [na batalha]”, disse o professor. “Achei uma correspondência entre a inscrição e a Bíblia”, comemora.

    A verificação mais antiga de Mykytiuk é de outro soberano – o próprio rei Davi, que viveu perto do ano 1000 a.C. Ele encontrou uma correlação entre o personagem descrito no livro de 1 Samuel e ​​a inscrição na parede da “Casa de Davi”, descoberta nas escavações de Tel Dan, no norte de Israel.

    “’O rei de Israel’ é mencionado numa linha”, ressalta Mykytiuk, em seguida lemos Melech Beit David”. Estava em aramaico, mencionado pelos seus inimigos, os amonitas, que conquistaram Tel Dan e ergueram um monumento para comemorar a vitória. Fizeram uma estela, um grande bloco de pedra. Mais tarde os israelitas reconquistaram o lugar e destruíram [a estela] usando seus pedaços para erguer uma parede”.

    “Davi é tão importante na Bíblia hebraica e no Novo Testamento … Se você deseja verificar alguém, ele é o cara certo”, acrescentou.

    Os persas, os babilônios, os egípcios, os moabitas, os arameus e os damascenos também aparecem na lista de Mykytiuk, apenas alguns dos quase 3.000 povos mencionados na Bíblia.

    “Para a maioria, tudo o que temos são nomes”, enfatiza o especialista. “Talvez apenas algumas centenas tenham fatos identificáveis em número suficiente na Bíblia para realmente identificá-los em alguma outra fonte escrita”. Mas as identificações continuam surgindo.

    Recentemente, ele publicou na revista especializada em arqueologia Biblical Archeology Review, suas descobertas sobre Tatenai, um administrador persa sob Dário o Grande; e Nebuzaradan e Nergal-Sarezer, dois guerreiros babilônios que lutaram pelo rei Nabucodonosor II, que destruiu o Primeiro Templo.

    O nome de Tatenai é mencionado em fontes bíblicas, como Esdras 5:3 e em uma tabuinha assinada por Dario, datada de 502 a.C. Já Nebuzaradan e Nergal-sharezer aparecem nos livros de Reis e Jeremias, respectivamente. Esses nomes estão inscritos em textos cuneiformes no chamado “prisma de argila” de Nabucodonosor II.
    Fazendo escola

    O interesse de Mykytiuk em verificações arqueológicas começou em 1992, enquanto ele cursava a pós-graduação em estudos hebraicos e semíticos na Universidade de Wisconsin-Madison.

    Ele estudava a imagem de uma impressão de argila de um anel de sinete pertencente a um servo do rei Ezequias, que governou o reino do Sul e é mencionado no Livro dos Reis. Ele identificou o que parecia ser o nome do rei.

    Desde então não parou mais de investigar. Disse também que a maioria dos estudiosos europeus nessa área diziam que a Bíblia hebraica era “uma obra de ficção com algumas referências históricas espaçadas”. Ele só lembrava da impressão do selo de um servo de Ezequias, que a Bíblia mencionava.

    Cristão, Mykytiuk dedicou-se a verificar os nomes no Antigo Testamento, estudando diversas inscrições. Ele escreveu sua dissertação sobre o tema e a publicou como livro anos mais tarde.

    Apesar de contestado por alguns de seus colegas, revela que seguiu os passos do arqueólogo israelense Nahman Avigad, que morreu em 1992 e havia deixado um legado para as verificações bíblicas. “Ele estabeleceu alguns critérios que usei e aperfeiçoei”, revela. “Naquela época ninguém tinha critérios, exceto Avigad”.

    Depois de Mykytiuk estabelecer um sistema próprio, ganhou seguidores como Kenneth Kitchen, professora de egiptologia da Universidade de Liverpool (Inglaterra), e Bob Becking, professor de Bíblia, Religião e Identidade na Universidade de Utrecht (Holanda).
    Novo Testamento

    O professor Mykytiuk continua fazendo verificações, segundo o seu método, agora envolvendo o Novo Testamento.

    Assim que terminou as 50 primeiras verificações do Antigo Testamento, um colega o motivou: “Podemos terminar o Novo Testamento também”. Para Mykytiuk este era um grande desafio.

    “Eu sou um homem da Bíblia hebraica, fazer um estudo do Novo Testamento é muito diferente, com inscrições e moedas gregas e latinas com as quais você não lida nos estudos sobre o Antigo Testamento”.

    Mas ele foi em frente. Seu próximo artigo incluirá verificações de 23 figuras políticas do Novo Testamento. Ele espera publicar o material na edição de setembro/outubro da Biblical Archeology Review. O material inclui, além de estudos sobre homens, várias mulheres.

    “Muitas são mencionadas em moedas – governantes e suas esposas [ou] irmãs eram politicamente muito influentes”, disse Mykytiuk. O especialista revela que está trabalhando em outro artigo sobre as figuras religiosas do Novo Testamento, como João Batista, Gamaliel e os sumos sacerdotes. Com informações de Times of Israel

    Fonte: noticias.gospelprime.com.br

    segunda-feira, 7 de agosto de 2017

    Pastores impedem guerra entre gangues após evangelizarem bandidos


    Os pastores Robby Dawkins e Todd White oraram com dois líderes de gangues rivais dos EUA e os gângsters entregaram suas vidas a Jesus.

    Pastor Robby Dawkins orando por um dos gângsters que evangelizou: (Imagem: WP Films)
    Pastor Robby Dawkins orando por um dos gângsters que evangelizou: (Imagem: WP Films)

    Quando o pastor Robby Dawkins implantou uma igreja na área próxima a Aurora, em Chicago, já conseguiu ver que tinha uma grande desafio pela frente. A região estava sendo dominada pela criminalidade e atormentada pela briga entre gangues rivais.

    Porém este contexto difícil não foi suficiente para que o pastor desistisse de desenvolver o ministério naquela região e assim, ele decidiu sair ainda mais de sua zona de conforto para transformar a realidade daquela comunidade em redor de sua igreja.

    "Nós evangelizamos três dos maiores gângster's e a segunda maior gangue na área de Chicago. Havia uma outra gangue que era conhecida como 'Latin Kings' ('Reis Latinos') e eles eram a maior gangue. Eram como a máfia. Esses caras estavam ameaçando começar uma guerra em Aurora e isso iria se espalhar por toda Chicago", contou o pastor.

    "Uma das razões pela qual fizemos isso é que quando nós primeiro implantamos a igreja, literalmente tínhamos sangue nas ruas, quase que diariamente. Ocorriam assassinatos, atiradores passavam disparando de seus carros. Isso acontecia com muita frequência", acrescentou.

    Então, o pastor Robby começou a buscar meios para estabelecer um diálogo entre os líderes dessas gangues rivais e isso não foi nada fácil. As negociações somente para agendar um encontro entre eles e o pastor levaram um ano e meio.

    Quando o grande dia chegou, Robby contou com a ajuda de seu amigo, o pastor e evangelista Todd White - conhecido por seu testemunho de cura e pregação da Palavra de Deus nas ruas e tantos outros locais públicos.

    "Nós reunimos esses caras, mas levamos um ano e meio para agendar este encontro. Nós os reunimos e quando eles chegaram, nós os perguntamos: 'vocês sabem por que nós os convidamos para vir aqui?'. Quando nós entramos no prédio de nossa igreja, começamos a apontar todas os buracos de bala em nossas paredes. Eram marcas de tiros daquelas tentativas de assassinatos e execuções que ocorriam com tanta frequência", contou.

    "Eles disseram: 'Nós largamos um cara aqui em frente à sua igreja', o que significava que eles já haviam assassinado aquele rapaz. Eles assumiram que todas aquelas marcas de tiros foram causadas por eles", destacou o pastor.

    Pastor Robby contou que aqueles gângsters não hesitavam em simplesmente "eliminar" qualquer pessoa que pudesse atrapalhar os planos deles, inclusive os membros daquela igreja.

    "Eles ameaçavam qualquer um que lhes cruzasse o caminho, dizendo: 'Se vocês fizerem algo que não gostamos, tudo isso irá se virar contra vocês", disse Robby citando um daqueles líderes de gangue.

    O pastor contou que teve a permissão para filmar algumas cenas daquele encontro.

    "Eu novamente perguntei: 'Vocês sabem por que eu lhes convidei para virem aqui hoje?'. Eles me responderam: 'Porque vocês temem que uma guerra se inicie. Você está aqui para impedir esta guerra'. Eu disse: 'Não, nós os convidamos para virem aqui hoje, para falarmos de Deus a vocês", disse.

    "Eles seguraram seus crucifixos e disseram: 'Nós conhecemos Deus, sabemos quem Ele é'. Então eu respondi: 'Vocês ainda não conhecem da forma que estão prestes a conhecer agora'. Vocês estão prestes a conhecer Deus de uma forma que nunca imaginaram antes. Queremos orar por vocês", acrescentou Robby.

    Os gângster falaram sobre o fato aquele ser o tempo mais violento e tudo aquilo estava acontecendo com gangues rivais. Então Robby e Todd novamente manifestaram o desejo de orar por aqueles líderes rivais.
    "Nós começamos a orar, um por um e ambos foram curados, fisicamente curados. Um deles havia sido atingido com um tiro no estômago, estava se recuperando, mas ainda tinha fortes dores intestinais e musculares", contou o pastor. "A dor foi embora completamente e a cicatriz daquela ferida diminuiu 50%".

    Robby contou que no momento em que estavam orando pela cura daquele homem, foram surpreendidos pelo outro gângster, que pulou de sua cadeira.

    "Enquanto nós continuávamos orando por ele, o outro gângster - seu nome é Sam - pulou de sua cadeira e ficou olhando para ela. Quando perguntamos o que estava acontecendo, ele disse: 'estou procurando por fios'. Nós explicamos que a câmera já estava ligada e não estávamos 'grampeando' a conversa com microfones. Ele respondeu: 'Não, não! Estou procurando os fios, porque esta cadeira está me dando choques, ela está eletrizada. Como você fez isto com esta cadeira?", contou o pastor lembrando do ocorrido com Sam.

    "Essa é a eletricidade de Deus, é a manifestação da presença de Deus", disse o pastor a Sam. "Esta é a maneira como Deus está te dizendo: 'Como você está?'. Ele está se apresentando, se revelando a você", destacou. "Ao final de tudo, ambos entregaram suas vidas a Cristo".

    Confira as cenas deste encontro no vídeo abaixo: 



    FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA WP FILMS

    domingo, 6 de agosto de 2017

    Violência está impedindo realização de cultos em Vitória (ES)

    Igrejas evangélicas têm sido alvo recorrente de criminosos.


    por Tiago Abreu

    Violência está impedindo realização de cultos em Vitória (ES)

    A onda de violência na região da Grande Vitória (ES) está afetando até a rotina das igrejas. Os constantes assaltos aos templos fizeram que estes fechassem mais cedo ou nem abrissem. Em alguns casos, os encontros são feitos na casa dos fiéis.

    Em uma igreja no Jardim da Penha, há um ano os cultos das noites de domingo mudaram de horário, foi antecipado em uma hora. O motivo é a segurança dos fiéis, pois eles acreditam que o maior risco está no retorno para suas residências.

    “Já houve casos de eles roubarem carro, de levarem o celular. Para o público é melhor ter segurança”, afirmou o membro da igreja, Valdecir Dossi.

    Enoque de Castro, presidente da Associação de Pastores, relata que algumas denominações até diminuíram o número de reuniões durante a semana. “Hoje uma metodologia das igrejas é usar grupos caseiros, e as pessoas vêm para uma celebração maior, mas têm reuniões na localidade onde moram”, afirma.

    O religioso Anderson, que comanda três comunidades na Praia da Costa, em Vila Velha, disse que os horários não mudaram, mas os templos têm vigilantes, câmeras de videomonitoramento e alarmes. “Algumas igrejas têm uma segurança patrimonial”, esclareceu.
    Polícia se posiciona

    Em nota, a Polícia Militar Informou faz operações e abordagens constantemente na Grande Vitória e tem a Operação Força Total, que emprega todo o efetivo da PM, inclusive, o administrativo uma vez por semana, para a rua.

    A PM pede para que a população sempre registre a ocorrência dos crimes nas delegacias.
    Crimes reincidentes

    Frequentadores de uma igreja evangélica do bairro São Diogo, na Serra, Espírito Santo, foram assaltados durante a realização de um culto na noite de quarta-feira, 4 de julho.

    Três criminosos entraram no templo armados e atiraram. Ninguém ficou ferido e os suspeitos ainda não foram encontrados. Cerca de 100 pessoas participavam do encontro quando os bandidos entraram na igreja e renderam a todos. Com informações de G1

    Fonte: noticias.gospelprime.com.br

    sábado, 5 de agosto de 2017

    Pastor usa evidências históricas para comprovar a veracidade da Bíblia

    Michelson Borges apresentou evidências históricas sobre a criação do universo, a queda do homem, o dilúvio, a Torre de Babel, o êxodo, Sodoma e Gomorra e os milagres de Jesus.

    Michelson Borges durante o Encontro Nacional de Universitários. (Foto: Guiame/Marcos Paulo Corrêa)
    Michelson Borges durante o Encontro Nacional de Universitários. (Foto: Guiame/Marcos Paulo Corrêa)
    Diante da incredulidade da sociedade em relação aos fatos apontados pela Bíblia Sagrada, o pastor e jornalista Michelson Borges disse que, em algumas ocasiões, argumentos extra bíblicos são utilizados para comprovar sua autenticidade.

    “Devido ao ceticismo da sociedade pós-iluminista, às vezes, temos que fazer uso de argumentação extra bíblica para dar às pessoas pelo menos o benefício da dúvida”, disse ele durante o Encontro Nacional de Universitários.

    Para atestar a veracidade da Palavra de Deus, Borges apresentou inúmeras evidências históricas sobre a criação do universo, a queda do homem, o dilúvio, a Torre de Babel, o êxodo, Sodoma e Gomorra e os milagres de Jesus.

    “O relato da queda pelo engano da serpente é sugerido também em outras culturas não bíblicas”, disse ele, citando o selo mesopotâmico do terceiro milênio a.C. “Resquícios dessa história são encontrados em relatos de outras culturas”.

    Já o dilúvio foi registrado por mais de 200 culturas espalhadas pelo mundo, de acordo com Borges, conforme registros de Gilgamesh e Platão em Timeu. “Os detalhes vão sendo alterados, mas sempre coincidem — todos dizem que a água inundou a Terra, um barco grande promoveu um escape e uma família foi preservada para manter a raça humana”, conta o pastor.

    Os zigurates encontrados na antiga cidade de Ur, localizada hoje no Iraque, atestam que o povo de Babel construiu torres com propósitos religiosos, observa Borges, falando sobre as evidências da Torre de Babel. “Além disso, estudos linguísticos têm demonstrado que os idiomas remontam a um tronco comum, à medida que nós recuamos no tempo”, explica.

    Michelson Borges durante o Encontro Nacional de Universitários. (Foto: Guiame/Marcos Paulo Corrêa)
    O êxodo é confirmado através de estudos que indicam a existência de escravos hebreus no Egito, conforme atestam as pinturas das pirâmides de Beni Hasam. Já as pragas do Egito foram descritas no papiro do sacerdote egípcio Ipuwer, descrito a seguir:

    “Os estrangeiros [hebreus] vieram para o Egito. Eles têm crescido, estão por toda a parte. O Nilo se tornou sangue. As casas e as plantações estão em chamas. A casa real perdeu todos os seus escravos. Os mortos estão sendo sepultados pelo rio. Os pobres [escravos hebreus] estão se tornando donos de tudo. Os filhos dos nobres estão morrendo inesperadamente. O nosso ouro está no pescoço dos escravos. O povo do Oásis [terra de Gósen] está indo embora e levando as provisões para o seu festival”, conforme texto traduzido pelo arqueólogo brasileiro Rodrigo Silva no livro “Escavando a Verdade”, p.99.

    Borges observa que há uma predisposição para a descrença em relação à Bíblia. “A história de Cristo começou a ser registrada entre 40 e 60 anos depois de sua ressurreição. Havia muitas testemunhas oculares vivas ainda e, mesmo assim, há quem duvide que Jesus tenha existido. A história de Alexandre, o Grande começou a ser escrita de 300 a 400 anos depois dos eventos registrados, e ninguém duvida”.

    O pastor observa que ninguém morreria por uma mentira inventada, mas os cristãos foram martirizados por causa do Evangelho. “Os cristãos só perderam do ponto de vista humano por causa dessa história, porque eles sabiam que Cristo era real”, disse Borges.

    FONTE: GUIAME, LUANA NOVAES

    sexta-feira, 4 de agosto de 2017

    Policial evangeliza bandidos que o sequestraram e é liberado: "Deus tinha um plano"

    O policial evangélico contou que durante o sequestro, entendeu que havia um propósito maior em toda aquela situação



    Na noite da última quinta-feira (3), um Cabo da Polícia Militar de Pernambuco foi abordado por bandidos e sequestrado em frente à sua própria casa, mas contou (conforme depoimento no vídeo acima) que enquanto estava sob poder do sequestradores, percebeu que havia um propósito sobrenatural em tudo aquilo: a pregação do Evangelho.

    A vítima, que preferiu não ter seu nome divulgado, disse que estava lavando seu carro, em frente de casa, no bairro do Jardim Primavera, em Camaragibe, na Grande Recife, quando os bandidos o abordaram e o colocaram no porta malas de seu próprio veículo. Porém após falar sobre a Bíblia e sobre Deus com os sequestradores, foi liberado.

    "Eu fiquei no porta-malas e dali a pouco começaram a verbalizar comigo", contou o policial. Segundo ele, o diálogo que se seguiu foi o seguinte:

    Sequestrador: "Estás vivo?"

    Policial: "Eu estou vivo, abençoado!".

    Sequestrador: "Tú é crente?".

    Policial: "Eu sou, pela graça do Senhor".

    Sequestrador: "A gente não queria fazer isso contigo, não"
    O policial contou que naquele momento entendeu que havia um propósito maior em toda aquela situação.

    "Eu disse: 'Agora sei porque estou dentro deste porta-malas. Deus é o Deus que sabe todas as coisas. Ele sabia exatamente que vocês precisavam ouvir uma palavra de conforto e essa palavra vai ser dada", disse.

    "Eu também disse a eles: 'Independente da situação que hoje vocês se encontrem... vocês estão aqui roubando, mas tem pessoas que também estão mentindo, adulterando, matando, cometendo toda sorte de erros e vocês não são diferentes de mim, porque eu também sou pecador", acrescentou.

    O PM disse que os sequestradores ficaram calados por um tempo após sua palavra e ele aproveitou para continuar falando.


    "Eu disse: 'Olha, eu estou aqui neste carro, porque Deus tinha um plano na vida de vocês dois. Eu creio que Deus tocou o coração de um deles, porque um queria roubar o carro e queria fazer algo comigo. Aí o outro começou a dizer: 'respeite, se você não respeita, eu respeito. Não faça nada com o carro dele. Não está vendo que ele veio nos ajudar? Ele veio dar uma palavra para a gente", destacou o policial, lembrando as palavras de um dos sequestradores.

    O PM foi liberado pelos sequestradores após ele compartilhar esta mensagem sobre Deus com eles. A ação dos bandidos durou cerca de 30 minutos, no total.


    FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA UOL